Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Proteção a quem já foi vítima de violência fica apenas no papel


Elas surgiram em meio à Lei Maria da Penha (11.340 de 2006) e são consideradas um avanço no que diz respeito ao combate à violência doméstica e familiar contra mulheres no Brasil. Somente neste ano, em Bauru, por meio da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) e Defensoria Pública, as medidas protetivas de urgência somaram 189 pedidos ajuizados no Fórum da cidade, o que totaliza uma média de dois registros a cada dia. Entretanto, lacunas na execução e falta de fiscalização da própria medida demonstram a fragilidade da lei quanto à proteção efetiva das vítimas, que por muitas vezes, acabam garantidas apenas no papel.

Ao casar-se, há cerca de 15 anos, Dalila (nome fictício escolhido pela vítima), 30 anos, não imaginava que seu marido poderia envolver-se com crack e transformar-se em uma pessoa agressiva logo nos primeiros anos de convivência.

“Ele batia em mim e nos meus filhos, era um terror. Dava muitas pancadas na cabeça e chutes. Até meus dentes ele chegou a quebrar com soco”, conta a mulher, chorando.

Diante das sucessivas noites de briga e violência ao longo dos anos, Dalila, que revela por vezes ter tirado o pão da boca dos cinco filhos para ceder ao vício do esposo e evitar as agressões e ameaças dentro de casa, registrou duas vezes queixas à polícia na tentativa de afastar o agressor.

Entretanto, a dificuldade em deixar a vida toda para trás, tanto dela quanto dos filhos para morar temporariamente em um abrigo da prefeitura, combinada à insistência do agressor, que mesmo com a restrição de não aproximação a uma distância de 100 metros da esposa e filhos - imposta pela medida protetiva - mantinha contato e os chantageava para a retirada das queixas, fez a mulher reconsiderar.

Refém do medo

De volta para casa e para as agressões, um terceiro registro policial foi realizado no final do ao passado, após a vítima quase ser estrangulada.

Desta vez, a ocorrência, além de resultar no decreto de uma terceira medida protetiva contra o agressor e a volta da família para o abrigo, fez com que Dalila deixasse o emprego, e conseguisse uma escolta da Polícia Militar para acompanhar os filhos na escola.

Contudo, há seis meses sem contato algum com o agressor e morando em um residencial longe da cidade, mantido com o apoio da Secretaria do Bem Estar Social (Sebes) e de doações, a mulher que representa a realidade vivida em silêncio por muitas bauruenses não comemora.

“Por mais que a Justiça tente ajudar, aquilo é só um papel e estamos refém do medo. Quem garante que ele não nos encontre e me mate quando eu sair para ir a um supermercado, por exemplo? Infelizmente, só teremos paz de novo quando ele se tratar das drogas de vez ou quando morrer”, frisa a vítima.

Segurança subjetiva

Conforme explica o diretor da Associação dos Oficiais de Justiça do Estado de São Paulo, Roberval Soares, a situação de Dalila não é um caso isolado, visto que uma média de até 20% das medidas protetivas acabam violadas pelos agressores, que voltam a fazer contato com a vítima.

“Acaba sendo uma segurança subjetiva. O agressor recebe a advertência e orientações do oficial de justiça quanto à repressão imposta pela medida, mas nada garante, de fato, que ele não volte a agredi-la. Até porque a ação da polícia nesses casos depende da denúncia da vítima”, avalia Soares.

Ainda de acordo com ele, outra situação que preocupa e que denotaria uma lacuna da medida protetiva em relação à proteção das vítimas seria o tempo levado pelos oficiais de justiça, em algumas ocasiões, para encontrar o suposto agressor e comunicá-lo oficialmente sobre a determinação do juiz.

“Nas situações em que o juiz determina o impedimento da aproximação a certa distância da vítima, geralmente o agressor já deixou a residência e temos que iniciar uma ‘caçada’ até encontrá-lo. Normalmente, as ofendidas sabem o paradeiro, mas quando isso não ocorre chegamos a levar até três dias para concluir. Nesse meio tempo, a vítima fica à mercê de eventual agressão”, aponta o oficial de justiça.

Lei e repressão

Além disso, o coordenador regional auxiliar da Defensoria Pública em Bauru, Alanderson de Jesus Vidal, pontua que a falta de medidas preventivas e de fiscalização para que o cumprimento da determinação judicial ocorra de fato, também colaboram para a fragilidade da medida.

“Na maior parte, a demanda é encaminhada ao Judiciário e os indiciados são comunicados, mas a aplicação é difícil, no que diz respeito à fiscalização e efetivação da proteção à vítima da violência. Não existe um efetivo policial específico para esse controle. A iniciativa, nos casos de descumprimento, é tomada pela própria vítima e isso deixa o problema ainda maior”, ressalta o defensor público.

Para ele, a saída seria investir na justiça restaurativa. “A lei garante a repressão, mas não há aparato para prevenir ou fiscalizar. Estudos mostram a que a conciliação e mediação alcançam bons resultados. É preciso apostar na recomposição do laço familiar e ouvir as partes, não excluindo, logicamente, os responsáveis pelos crimes cometidos”, fecha questão Vidal.

Agravante do crack

De acordo com a delegada titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Bauru, Priscila Alferes, um agravante que auxilia para o descumprimento das medidas protetivas é quando o caso envolve pessoas viciadas em drogas, em sua maioria, o crack.

“Sob efeito da droga, dificilmente um usuário de crack cumprirá a medida protetiva”, acrescenta.

Dos 189 pedidos de medidas preventivas, 142 foram ajuizados pela DDM neste ano e, segundo a delegada, 90% correspondem a vítimas mulheres que alegam ameaça ou agressão por parte dos companheiros. Outros 10% representam mães de usuários de drogas que buscam o afastamento do filho problemático do lar. O dia de maior procura pelo registro é segunda-feira.

“Geralmente são pessoas com histórico de agressão e que, em última instância, procuram a delegacia. A maioria dos casos é acatada pelo juiz”, comenta Priscila.

Para efeitos comparativos, somente a DDM ajuizou no Fórum de Bauru 417 pedidos de medida protetiva no ano passado.

Perguntas

O que são medidas protetivas?
Afastamento do agressor do lar
Proibição de contato e aproximação com a vítima
Suspensão de visitas aos dependentes
Prestação de alimentos provisionais

Onde estão previstas?
Nos artigos 22, 23 e 24 da Lei Maria da Penha

Como funciona?
Quando o pedido é acatado pelo juiz, a proteção se estende não somente a agredida, mas aos filhos e demais familiares que residirem no mesmo ambiente.
Em alguns casos, dependendo do entendimento do juiz, homens também se beneficiam da medida quando a situação ocorre de maneira contrária, ou seja, a companheira torna-se a agressora.
No Brasil, em vários casos a medida protetiva também se aplica a casais homossexuais.

Qual a dificuldade?
Embora o avanço exista, outro problema apontado pelas autoridades quando o assunto é medidas protetivas são as determinações que acabam beneficiando mulheres interessadas na situação por outros fins, que não o de proteção à vida. “Em alguns casos, notamos que algumas não querem romper o relacionamento, mas apenas dar um susto no companheiro. Isso acaba prejudicando nosso trabalho e tomando espaço de casos mais urgentes”, comenta o oficial de Justiça, Roberval Soares. (JCNET).

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…