Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Proteção a quem já foi vítima de violência fica apenas no papel


Elas surgiram em meio à Lei Maria da Penha (11.340 de 2006) e são consideradas um avanço no que diz respeito ao combate à violência doméstica e familiar contra mulheres no Brasil. Somente neste ano, em Bauru, por meio da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) e Defensoria Pública, as medidas protetivas de urgência somaram 189 pedidos ajuizados no Fórum da cidade, o que totaliza uma média de dois registros a cada dia. Entretanto, lacunas na execução e falta de fiscalização da própria medida demonstram a fragilidade da lei quanto à proteção efetiva das vítimas, que por muitas vezes, acabam garantidas apenas no papel.

Ao casar-se, há cerca de 15 anos, Dalila (nome fictício escolhido pela vítima), 30 anos, não imaginava que seu marido poderia envolver-se com crack e transformar-se em uma pessoa agressiva logo nos primeiros anos de convivência.

“Ele batia em mim e nos meus filhos, era um terror. Dava muitas pancadas na cabeça e chutes. Até meus dentes ele chegou a quebrar com soco”, conta a mulher, chorando.

Diante das sucessivas noites de briga e violência ao longo dos anos, Dalila, que revela por vezes ter tirado o pão da boca dos cinco filhos para ceder ao vício do esposo e evitar as agressões e ameaças dentro de casa, registrou duas vezes queixas à polícia na tentativa de afastar o agressor.

Entretanto, a dificuldade em deixar a vida toda para trás, tanto dela quanto dos filhos para morar temporariamente em um abrigo da prefeitura, combinada à insistência do agressor, que mesmo com a restrição de não aproximação a uma distância de 100 metros da esposa e filhos - imposta pela medida protetiva - mantinha contato e os chantageava para a retirada das queixas, fez a mulher reconsiderar.

Refém do medo

De volta para casa e para as agressões, um terceiro registro policial foi realizado no final do ao passado, após a vítima quase ser estrangulada.

Desta vez, a ocorrência, além de resultar no decreto de uma terceira medida protetiva contra o agressor e a volta da família para o abrigo, fez com que Dalila deixasse o emprego, e conseguisse uma escolta da Polícia Militar para acompanhar os filhos na escola.

Contudo, há seis meses sem contato algum com o agressor e morando em um residencial longe da cidade, mantido com o apoio da Secretaria do Bem Estar Social (Sebes) e de doações, a mulher que representa a realidade vivida em silêncio por muitas bauruenses não comemora.

“Por mais que a Justiça tente ajudar, aquilo é só um papel e estamos refém do medo. Quem garante que ele não nos encontre e me mate quando eu sair para ir a um supermercado, por exemplo? Infelizmente, só teremos paz de novo quando ele se tratar das drogas de vez ou quando morrer”, frisa a vítima.

Segurança subjetiva

Conforme explica o diretor da Associação dos Oficiais de Justiça do Estado de São Paulo, Roberval Soares, a situação de Dalila não é um caso isolado, visto que uma média de até 20% das medidas protetivas acabam violadas pelos agressores, que voltam a fazer contato com a vítima.

“Acaba sendo uma segurança subjetiva. O agressor recebe a advertência e orientações do oficial de justiça quanto à repressão imposta pela medida, mas nada garante, de fato, que ele não volte a agredi-la. Até porque a ação da polícia nesses casos depende da denúncia da vítima”, avalia Soares.

Ainda de acordo com ele, outra situação que preocupa e que denotaria uma lacuna da medida protetiva em relação à proteção das vítimas seria o tempo levado pelos oficiais de justiça, em algumas ocasiões, para encontrar o suposto agressor e comunicá-lo oficialmente sobre a determinação do juiz.

“Nas situações em que o juiz determina o impedimento da aproximação a certa distância da vítima, geralmente o agressor já deixou a residência e temos que iniciar uma ‘caçada’ até encontrá-lo. Normalmente, as ofendidas sabem o paradeiro, mas quando isso não ocorre chegamos a levar até três dias para concluir. Nesse meio tempo, a vítima fica à mercê de eventual agressão”, aponta o oficial de justiça.

Lei e repressão

Além disso, o coordenador regional auxiliar da Defensoria Pública em Bauru, Alanderson de Jesus Vidal, pontua que a falta de medidas preventivas e de fiscalização para que o cumprimento da determinação judicial ocorra de fato, também colaboram para a fragilidade da medida.

“Na maior parte, a demanda é encaminhada ao Judiciário e os indiciados são comunicados, mas a aplicação é difícil, no que diz respeito à fiscalização e efetivação da proteção à vítima da violência. Não existe um efetivo policial específico para esse controle. A iniciativa, nos casos de descumprimento, é tomada pela própria vítima e isso deixa o problema ainda maior”, ressalta o defensor público.

Para ele, a saída seria investir na justiça restaurativa. “A lei garante a repressão, mas não há aparato para prevenir ou fiscalizar. Estudos mostram a que a conciliação e mediação alcançam bons resultados. É preciso apostar na recomposição do laço familiar e ouvir as partes, não excluindo, logicamente, os responsáveis pelos crimes cometidos”, fecha questão Vidal.

Agravante do crack

De acordo com a delegada titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Bauru, Priscila Alferes, um agravante que auxilia para o descumprimento das medidas protetivas é quando o caso envolve pessoas viciadas em drogas, em sua maioria, o crack.

“Sob efeito da droga, dificilmente um usuário de crack cumprirá a medida protetiva”, acrescenta.

Dos 189 pedidos de medidas preventivas, 142 foram ajuizados pela DDM neste ano e, segundo a delegada, 90% correspondem a vítimas mulheres que alegam ameaça ou agressão por parte dos companheiros. Outros 10% representam mães de usuários de drogas que buscam o afastamento do filho problemático do lar. O dia de maior procura pelo registro é segunda-feira.

“Geralmente são pessoas com histórico de agressão e que, em última instância, procuram a delegacia. A maioria dos casos é acatada pelo juiz”, comenta Priscila.

Para efeitos comparativos, somente a DDM ajuizou no Fórum de Bauru 417 pedidos de medida protetiva no ano passado.

Perguntas

O que são medidas protetivas?
Afastamento do agressor do lar
Proibição de contato e aproximação com a vítima
Suspensão de visitas aos dependentes
Prestação de alimentos provisionais

Onde estão previstas?
Nos artigos 22, 23 e 24 da Lei Maria da Penha

Como funciona?
Quando o pedido é acatado pelo juiz, a proteção se estende não somente a agredida, mas aos filhos e demais familiares que residirem no mesmo ambiente.
Em alguns casos, dependendo do entendimento do juiz, homens também se beneficiam da medida quando a situação ocorre de maneira contrária, ou seja, a companheira torna-se a agressora.
No Brasil, em vários casos a medida protetiva também se aplica a casais homossexuais.

Qual a dificuldade?
Embora o avanço exista, outro problema apontado pelas autoridades quando o assunto é medidas protetivas são as determinações que acabam beneficiando mulheres interessadas na situação por outros fins, que não o de proteção à vida. “Em alguns casos, notamos que algumas não querem romper o relacionamento, mas apenas dar um susto no companheiro. Isso acaba prejudicando nosso trabalho e tomando espaço de casos mais urgentes”, comenta o oficial de Justiça, Roberval Soares. (JCNET).

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…