Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

‘Policial feminina passa maior confiança', diz policial militar

Se até meados de 2010 a carioca Flávia Louzada podia chamar um pouco de atenção por sua farda de policial militar, tanto quanto uma mulher costuma despertar na função, em novembro daquele ano a situação ela se tornou uma espécie de celebridade. Única mulher a integrar a força de ocupação do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro, ela ganhou notoriedade e, agora, até uma edição própria no reality show Papo de Polícia, programa sobre a rotina de policiais que é exibido pelo canal pago Multishow e que nesta semana vem focalizando o dia a dia de Flávia. Aos 32 anos, a policial diz que não é vítima de preconceito por ser mulher e, pelo contrário, sente que a população parece mais confortável em se abrir com ela que com seus colegas homens. “Percebi que vítimas de violência doméstica e estupro tendem a rejeitar os policiais masculinos e me procurar. Nessa parte, eu levo vantagem.”
A policial, em exercício há seis anos e hoje no batalhão 22 do Rio de Janeiro, decidiu seguir a carreira quando a mãe, Maria Helena, foi assassinada ao sair da escola em que lecionava. O caso, ocorrido em 1991, segue sem solução, mas a suspeita é de que um aluno que levava uma arma de fogo para a escola tenha se vingado da professora, que o havia expulsado da aula. No primeiro episódio do programa Papo de Polícia, Flávia conta que não escolheu a profissão para se vingar de criminosos como o que tirou a vida da mãe, mas sim para evitar que outras pessoas enfrentem o que ela enfrentou.
O vínculo entre vida pessoal e carreira não para aí. Como a personagem Helô, a delegada vivida por Giovanna Antonelli na novela Salve Jorge, Flávia diz ter dificuldade de se desvencilhar do trabalho no tempo livre. “A gente não consegue se desligar, sair do batalhão e simplesmente apertar um botão e esquecer as situações que viveu”, afirma.
A série Papo de Polícia é produzida pela ONG AfroReggae e tem direção de José Júnior, coordenador do projeto. O canal Multishow reprisa um compacto com os melhores momentos dos episódios no dia 10 de maio, às 18h, e no dia 15 de maio, às 15h. Alguns trechos estão disponibilizados no site do programa. Confira a entrevista de Flávia Louzada ao site de VEJA:
Você tem parentes ligados às armas. A família influenciou na escolha da sua carreira? Meu pai era da aeronáutica e meu tio era militar, mas não me influenciaram. Na verdade, foi o assassinato da minha mãe, em 1991, o que mais me motivou a entrar para a polícia. As pessoas falam que eu quis me vingar, mas não é isso, eu entrei para evitar que algo parecido aconteça com outras pessoas. Eu sei que sozinha não consigo dar conta disso, mas costumo dizer que uma andorinha só não faz verão, mas indica que outras vão vir. Então, por que não ajudar? Por isso que o trabalho administrativo na polícia não me atrai, porque eu não teria contato com a população, com a sociedade.
O que sua família acha do seu trabalho? Eles ficam preocupados. Durante a invasão do Alemão, eu dizia que trabalhava dentro do batalhão, que não tinha participado da ação dentro da favela. Depois, quando saiu no jornal o fato de eu ser a única mulher a fazer parte da operação, minha família descobriu que eu trabalhava na rua também. Durante a invasão, fui atingida por estilhaços de granada na perna e então minha avó descobriu que eu tinha participado da ação. Para evitar sustos, eu sempre procuro ligar para ela antes de entrar em serviço e quando saio. Eu entendo a preocupação para eles, que estão de fora. Quando estou em operação, não dá para pensar muito, porque o medo congela e impede a ação. Se eu pensar muito e entrar em pânico, vou atrapalhar a operação e colocar em risco a minha segurança e a dos colegas.
Você já chegou a sofrer preconceito por ser mulher? Não, preconceito não. Mas é muito escasso o número de mulheres na rua, no meu batalhão mesmo só tem mais uma que trabalha assim. Os meninos ficam com receio porque há poucas mulheres nas ruas e eu até entendo essa preocupação. Quando você entra com uma equipe em uma favela ou alguma operação mais perigosa, é como se entregasse sua vida ao colega. Não é nem preconceito dos rapazes, é uma espécie de autodefesa. Quanto menos preocupação a gente tem em uma hora difícil, melhor, então eles ficam muito inseguros. Por outro lado, acho que a população confia mais em mulher. No Complexo do Alemão, muitas pessoas eram obrigadas por bandidos a guardar armas e drogas em suas casas, mas elas não chegavam no policial homem para falar, elas chegavam em mim. Como eu fumo, eles me ofereciam uma caixa de fósforos com um mapa com a localização dos objetos. Eu vi que a população chega mais em mim quando quer pedir alguma coisa do que em um homem. Eu já peguei na viatura vítimas de violência doméstica e estupro e percebi que elas rejeitam os homens ao mesmo tempo em que elas me procuram. Acho que nessa parte eu levo vantagem.
Você foi a única mulher a participar da ocupação da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão. O fato de ser mulher fez alguma diferença para os seus colegas? Nem sabia que ia dar essa repercussão toda. Ficamos três dias na mata, então tive que ficar uns três dias sem tomar banho e sem ter um banheiro para usar. Eu tive que me virar como os meninos. O fato de eu ser mulher despertava curiosidade, no dia da ocupação vieram policiais de todos os batalhões, além do Exército, então os policiais se perguntavam sobre a minha presença. Mas não fez muita diferença, não.
Você tem o sonho de entrar para o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). O que ele simboliza para você? Até 2011, somente homens podiam se inscrever para o concurso por conta de uma cláusula que dizia que só estavam aptos “soldados e cabos do sexo masculino”. Quando essa regra mudou, eu me inscrevi, mas a recepção não foi boa, porque eles não querem mulher no Bope, essa é a verdade. Fiz os testes, de qualquer jeito, e não passei. Este ano vou tentar de novo. O que me atrai é o treinamento, mesmo, que é mais intenso. Seria uma especialização a mais dentro da área.
O trabalho na polícia deixou você mais "durona"? Acho que sim, pelo sofrimento que a gente vê, bem de perto. Quando a gente vê as coisas que o ser humano é capaz de fazer, a gente começa a endurecer.
Você assiste à novela Salve Jorge? Sente que as policiais e delegadas são bem retratadas? Eu tento assistir. O pessoal do Facebook costuma brincar e me chamar de Helô, uma referência à delegada da novela. Eu me identifico com ela quando ela não consegue separar a vida pessoal da profissional. O problema da profissão policial é que a gente não consegue se desligar, sair do batalhão e simplesmente apertar um botão.
Acha que a TV ajuda as mulheres a serem mais bem aceitas na polícia? Acho que sim. Mas como falei, não tem preconceito, se elas quiserem trabalhar na rua, vai ter lugar. (Veja).

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…