Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Polícia investiga participação de PMs em crimes na Grande SP

SÃO PAULO, SP, 19 de abril (Folhapress) - A força-tarefa de 12 delegados da Polícia Civil, criada para investigar os homicídios na Grande São Paulo, suspeita que policiais militares estejam envolvidos nos crimes. Uma das linhas de investigação é que esses policiais participem de um grupo de extermínio. 
Oficialmente, a Secretaria da Segurança Pública informou que essa não é a única suspeita. Segundo a pasta, ao que tudo indica, os ataques que deixaram quatro mortos e sete feridos nas cidades de Osasco e Carapicuíba tem ligação entre si. Entretanto, detalhes sobre os suspeitos foram divulgados para não sejam prejudicadas. 
Conforme quatro delegados ouvidos pela reportagem, as outras hipóteses para os crimes são briga entre traficantes, que querem desestabilizar a área de seus adversários, entre as vítimas e os atiradores. Essa última é a menos provável, segundo esses policiais. 
Ao menos um suspeito foi identificado. Os delegados esperam prendê-lo até o início da próxima semana. Nenhuma das 11 pessoas baleadas nos ataques tinham antecedentes criminais. 
Incêndios 
Segundo o depoimento do cobrador e do motorista do ônibus incendiado em Carapicuíba, três homens encapuzados entraram no veículo e pediram para que os cerca de 50 passageiros descessem do coletivo. Eles faziam gestos como se estivessem armados. 
Quando os bandidos perceberem que todos já haviam descido, jogaram gasolina, atearam fogo e fugiram. 
A suspeita da polícia é que os crimes foram motivados pelas mortes que ocorreram na região. 
Crimes 
Na noite de anteontem, quatro pessoas foram baleadas em um ataque em Osasco. Diego Denílson Câmara de Lira, 18, não resistiu aos ferimentos e morreu. Segundo a PM, as vítimas disseram que estavam em um bar quando foram abordadas por dois suspeitos num Vectra prata, que dispararam contra eles e fugiram. 
Ainda de acordo com a polícia, Diego era procurado por tráfico de drogas. A ocorrência foi registrada às 23h15. 
A cerca de 10 km, após um intervalo de cerca de dez minutos, outro crime foi registrado em Carapicuíba, também na Grande São Paulo. Sete pessoas foram atingidas por tiros que teriam partido também de um carro prata, de acordo com o depoimento de testemunhas. 
Cinco delas estavam em frente a um bar. Uma pessoa morreu no local e outra a caminho do hospital. Outras três ficaram feridas e foram levadas a prontos-socorros da região. Nos dois casos, pelo menos quatro pessoas morreram e sete ficaram feridas. 
A um quilômetro dali, outras duas pessoas foram baleadas, uma delas morreu. A Polícia Civil investiga a relação entre os ataques.  
Diário de Guarapuava

Comentários

  1. E alguém tinha alguma dúvida que a PC iria dizer que os ataques eram cometidos por policiais militares?

    ResponderExcluir
  2. Ai eu pergunto: O que esses dozes delegados, dessa chamada força tarefas, estão fazendo para elucidar e prender os assassinos dos PMs? Eu mesmo respondo: A B S O L U T A M E N T E N A D A. E digo isso por que até agora não citaram nenhum suspeito.

    ResponderExcluir
  3. Os senhores já perceberam que tudo é a PM eu falei QUE TUDO DE RUIM É A POLICIA MILITAR!!!!. Estão porque não ACABA COM A POLICIA MILITAR DO BRASIL????. Sabe porque não acaba? porque é um mal necessário para fazer o serviço sujo deste governo.É a única que não se defende, fica calada e permanece fiel no cumprimento do seu dever. REAGE POLICIA MILITAR, MOSTRA SEU PODER PERANTE ESTES LIXO DA NOSSA PÁTRIA. NÓS UNIDOS JAMAIS SEREMOS VENCIDOS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …