Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

PEC 300 ressurge na Câmara Federal

Na tarde desta terça-feira (23), durante o Seminário “Uma Nova Segurança Pública para o Brasil”, o deputado federal Mendonça Prado (Democratas/SE) solicitou o apoio de diversos líderes partidários para assinar um requerimento visando à inclusão na pauta da Proposta de Emenda à Constituição n º 446/2009, que institui o piso salarial para os servidores policiais. O outro requerimento pede urgência ao PL 2791/11, que concede anistia aos policiais e bombeiros militares punidos por participar de movimentos reivindicatórios.
O deputado Ronaldo Caiado, líder do Democratas, foi o primeiro assinar os documentos. Restam as assinaturas dos deputados Sarney Filho, líder do PV; George Hilton, líder do PRB; Arlindo Chinaglia, líder do Governo na Câmara; José Humberto, líder do PHS; Aureo, líder do PRTB; Manuela D’ Ávila, líder do PCdoB; Carlos Alberto, líder PMN; Chico das Verduras, líder do PRP. 
Mendonça Prado estava acompanhado do deputado federal Major Fábio (Democratas/PB), dos representantes dos bombeiros e policiais militares do Rio de Janeiro, além de outros líderes de entidades representativas dos trabalhadores de segurança Pública do Brasil. Segundo o democrata sergipano, há um compromisso do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN), com os integrantes das Forças de Segurança, que a partir do momento em que o documento for subscrito por todos os líderes da casa, a PEC 300 será imediatamente incluída na Pauta.
Por fim, Mendonça deixou claro que o apoio dos líderes partidários tem uma importância fundamental, pois já está evidente uma insatisfação generalizada de todos os policiais do País. Nesta quarta-feira (24), as atividades do Seminário “Uma Nova Segurança Pública no Brasil” continuam pela manhã, às 10hs, no auditório Freitas Nobre da Câmara Federal – Anexo IV.
(Por Vanessa Franco - Assessoria de Imprensa - Deputado Federal Mendonça Prado)



Comentários

  1. Para que ela seja votada, tempos que fazer dela um objeto de discussão na sociedade, como muitos outros assuntos são colocados (a questão do homossexualismo, a exemplo).

    Nós somos muitos e temos muita importância e, podemos fazer e acontecer o que for necessário; só depende de cada um.

    A pressão tem que ser feitos nas base de cada Estado com operação padrão, manifestações públicas, com muito uso da internet, nas redes sociais etc.

    Quando ainda fazia parte da Diretoria da ARCSPMIA, gastei um bom tempo para descobrir a maioria dos contatos de Representantes de Associações de militares e, de posse dos contatos, contactei com quase todos os representantes na tentativa de promover uma reunião com todos eles para que elaborassemos um documento "intimando" a presidência da Câmara para colocar a PEC-300, apensa à PEC-446, em votação, já que os requerimentos dos Deputados estão sendo ignorados e nossas manifestações em Brasília não surtem grandes efeitos e são muitos dispendiosos e cansativos.
    Nessa intimação deveria conter uma data definida para que os militares fizessem uma manifestação nacional simultaneamente, mas, percebi grande falta de interesse dos representantes e acabei sendo desanimado também, pois as pessoas que deveria motivar a classe eram os próprios desmotivados.
    Mas, mesmo assim, continuo defendendo essa ideia e continuo fazendo comentários nesse sentido em todos os blogs de militares, inclusive estou colocando este comentário em todos os blogs que tenho conhecimento, assim, como sempre me manifesto em qualquer correlata.
    Seria bom se todos os militares fizessem o mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …