Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Na Segurança pública, o fracasso já nem se discute

18% foi o percentual do aumento de homicídios dolosos entre janeiro de 2012 e janeiro de 2013 nos demais municípios do Ceará, excetuada Fortaleza
Talvez o que haja de mais revelador nas declarações do coronel Bezerra ao jornalista Thiago Paiva, no O POVO da última sexta-feira, é que até o secretário estadual da Segurança já parece admitir o fracasso dos resultados na área que comanda. O desastre está nas estatísticas oficiais e nem o gestor da área usa argumentos para defender os indicadores. O caso agora é distribuir as culpas pelo descalabro. Então, pelo menos em um ponto parece já haver acordo. Sobre a atribuição das responsabilidades, disse o coronel: “Sugiro, nesse momento, que vocês vejam que tipo de equipamento a Prefeitura de Fortaleza, nos últimos oito anos, colocou à disposição dos jovens e adolescentes. (...) Isso requer investimento na área da educação, assistência ao jovem, criação de emprego e na área da punição efetiva de quem comete o crime”.
A visão integrada é um avanço e creio que poucos haverão de discordar. Mas há alguns problemas em culpar a administração passada do Município. Os dados mais recentes sobre homicídios dolosos disponíveis ontem no site da secretaria do doutor Bezerra eram relativos a janeiro. Na comparação entre o primeiro mês deste ano e o mesmo período do ano passado, a quantidade de mortes caiu de 164 para 163 na Capital. Manteve-se estável dentro do cenário que já era péssimo. Já no resto do Estado, no mesmo período, o número de homicídios foi de 161 para 190 entre um janeiro e outro. Aumento de 18%. A situação do Interior se deteriora de forma muito mais preocupante que a da Capital. Em ambos os casos, o cenário é terrível, mas em uma há estabilidade, na outra, descontrole. Para justificar seu argumento, o doutor secretário precisa arrumar 183 Luiziannes Lins pioradas Ceará afora.
A não ser que apareça alguém por aí para dizer que o resultado de Fortaleza já reflete as mudanças decorrentes da posse de Roberto Cláudio (PSB) como prefeito. Aliás, é bem capaz.
AS MOTIVAÇÕES FORAM POLÍTICAS
Diante do que afirmou Bezerra, seria adequado a cúpula do Governo do Estado explicar direitinho à população porque apoiou essa mesma Prefeitura ao longo de sete anos e meio dos oito aos quais se referiu o coronel. Porque, é bom lembrar, não foi pela autocrítica administrativa que o governador Cid Gomes (PSB) rompeu com a ex-prefeita. Ele deixou cristalino que o PSB lançou candidato próprio em função de não concordar com a forma como o PT escolheu seu postulante. O problema foi político, não de gestão. Agora, usa-se a ex-aliada para justificar as próprias falhas. 
 Seja como for, admitindo-se que o doutor secretário esteja certo, está-se no melhor dos mundos. A gestão mudou, há um aliado na Prefeitura e agora nenhum resultado é aceitável que não seja a melhora dos índices de criminalidade. Até porque é difícil piorar. Mas convém não duvidar.
QUANDO NÃO DÁ PRA ESCONDER...
Em junho de 2011, em entrevista ao O POVO, coronel Bezerra comemorava a redução do índice de homicídios em 13% em Fortaleza. Reflexo, segundo disse, do recorde de apreensão de armas. Naquela época, Luizianne já era prefeita havia seis anos e meio. Mas isso não parece ter pesado naquele momento. Ou vai ver a falta de investimentos para a juventude só se deu nessa reta final.
 Houve ministro da Fazenda que caiu porque falou: “O que é bom a gente fatura e o que é ruim a gente esconde”. Para o secretário, na impossibilidade de esconder, arranjam-se culpados.
A REALIDADE ALTERNATIVA NUM UNIVERSO PARALELO DA CRIMINALIDADE
No último dia 17, O POVO publicou outras declarações do secretário da Segurança. Ele repetia argumento que tem sido recorrente na cúpula do Estado para justificar por que tanto dinheiro gasto não deu resultado. O coronel disse que, sem tanto investimento, “estaríamos vivenciando um verdadeiro caos”. Bom, não sei como ele qualifica o atual cenário, que a este colunista parece bem próximo da descrição acima. Mas, objetivamente, o coronel faz futurologia do que não aconteceu como modo de rebater as críticas de incompetência na aplicação do dinheiro da Viúva. Tanto eu não posso dizer que ele está errado e que a situação não seria pior sem os gastos realizados, como ele não pode me desmentir se eu eventualmente disser o contrário. O que existe de concreto é: o momento é pavoroso. Especular sobre um presente alternativo no caso de o passado ter sido diferente é retórica vazia.
 Na mesma entrevista, Bezerra apontou o sucateamento herdado do governo Lúcio Alcântara para explicar o volume de dinheiro aplicado. Ainda que tenha razão, não fica bonito para governo que se encaminha para a metade do sétimo ano culpar o antecessor. Até porque, salvo reviravolta na segurança pela qual todos torcemos, daqui a dois anos, o coronel poderá ouvir seu sucessor dizer que herdou situação de descalabro, com criminalidade fora de controle. E será difícil contestar.

Érico Firmo

Comentários

  1. Tá na hora de pedir pra sair...não se gerencia impondo idéias e sim, expondo idéias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Após vaga para relator, Temer recebe presidente do PSC, que cobra fatura...Vergonha para o Brasil!

O presidente Michel Temer recebeu nesta segunda-feira (9), no Palácio do Planalto, o presidente do PSC, Pastor Everaldo, para agradecer pela vaga na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) cedida por seu partido ao deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), relator da denúncia contra Temer.
Everaldo foi ao Planalto acompanhado pelo líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE). 
Segundo o Blog apurou, Pastor Everaldo cobra do governo a fatura pela operação que permitiu a permanência do relator que Temer queria na comissão. Entre os pedidos, ele quer que o Planalto o ajude em questões de sua base eleitoral, o Rio de Janeiro. 
Com a pressão do PSDB – partido de Bonifácio –, o parlamentar mineiro só pôde seguir na relatoria da denúncia na CCJ porque o PSC cedeu sua vaga na comissão. A articulação foi coordenada na semana passada pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e por André Moura. 
O encontro com o pastor Everaldo não constou na agenda oficial de Temer até a últ…

Cabo da PM é preso após pegar bastão de tenente

O caso ocorreu neste domingo (15) no 9º Batalhão de Polícia Militar do DF, no Gama. O homem ficou detido por três horas na Corregedoria.
A Corregedoria da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) apura um atrito entre um cabo e um tenente do 9º Batalhão, no Gama. O cabo teria recebido voz de prisão porque, segundo o tenente, pegou o seu bastão sem autorização. O caso ocorreu neste domingo (15/10), por volta das 16h. O oficial deu voz de prisão ao subordinado após alegar que o bastão pertencia a ele. O cabo, por sua vez, disse que tinha ganho o mastro de presente de outro policial. Foi, então, que o chefe retrucou e mandou ele guardar o objeto na reserva. No entanto, o subordinado alegou que só o faria se houvesse uma ordem feita por escrito. Neste momento, o tenente lhe deu voz de prisão por desobediência.
O cabo foi encaminhado à Corregedoria onde ficou detido por pouco mais de três horas. Após a verificação dos fatos, ele foi liberado. O tenente, por sua vez, pode será investigad…