Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Marcha da Maconha protesta contra projeto que endurece lei antidrogas

Manifestação distribuiu drogas lícitas, como bebidas alcoólicas e cigarros, no Viaduto do Chá
O coletivo Marcha da Maconha reuniu cerca de 150 pessoas nesta terça-feira, 2, no Viaduto do Chá, e distribuiu "drogas lícitas" em protesto contra o projeto de lei 7663/10. Proposto pelo deputado federal Osmar Terra (PMDB/RS), o PL prevê uma maior rigidez na lei antidrogas e pode ser votado ainda este mês na Câmara.
Na divulgação do evento nas redes sociais, os organizadores informaram que haveria distribuição de drogas durante o protesto. Ironizando a proibição da maconha e a legalização de outras substâncias, o grupo distribuiu bebidas alcoólicas, cigarros, salgadinhos, doces e revistas, afirmando que esses, sim, "são drogas pesadas".





Os manifestantes enfatizaram que a conduta das autoridades em relação à questão das drogas é contraditória. "Eles falam que não se pode beber e dirigir, mas os postos de gasolina vendem bebida alcoólica", ressaltou um organizador. "Além disso, você vai à noite para a balada e não tem transporte público. A proibição das drogas faz parte de um esquema muito maior do governo, que é a criminalização da pobreza. É desculpa para bater nos pobres." Veja abaixo parte do discurso e a opinião de pessoas no local.
A petição no Avaaz contra o PL 7663/2010 já conta com mais de 28 mil assinaturas. Para os que se opõem à proposta do deputado, o projeto representa um retrocesso das conquistas obtidas no tratamento dos usuários de drogas. "A guerra às drogas faz mal à população, não a droga em si", afirma um dos organizadores do evento no vídeo abaixo, que também mostra a distribuição de "drogas" na manifestação. "Gasta-se muito em verba pública para manter as pessoas presas, então a proibição só piora o sistema em que a gente vive."
"No mundo todo, a gente vê um avanço num sentido contrário, de entender o usuário de drogas e de minimizar a situação do tráfico", afirma outro organizador. Ele diz que defende a regulamentação da venda da maconha, mas não uma liberação desorganizada.
Ronete Rizzo é uma das organizadoras da Marcha da Maconha e diz que a droga não faz mal a ninguém. Ela diz que foram seus filhos que a convenceram de que maconha não causa problemas.
Lucas e Victor defendem o direito dos usuários de plantar maconha em casa, pois dizem que a maconha advinda do tráfico "tem uma péssima qualidade e não devia nem ser fumada".
Franciel Leal foi à Marcha da Maconha com o filho pequeno. Ele considera paradoxal o fato de que drogas piores são legalizadas. "Acho a maconha menos prejudicial que o cigarro."
Nova Lei
O projeto de lei do deputado Osmar Terra pretende alterar a Lei Antidrogas (11.343/06) e sugere aumentar a pena tanto para tráfico quanto para porte de drogas para consumo próprio, além de defender a internação compulsória de dependentes químicos. O texto também propõe uma classificação das drogas com base na sua capacidade de causar dependência e um sistema de cadastro de usuários de drogas, instituindo o Sistema Nacional de Informação sobre Drogas e o Sistema Nacional de Acompanhamento e Avaliação das Políticas sobre Drogas.
Em seu site, o parlamentar justifica que "o projeto de lei tem por objetivo oferecer proposta para melhorar a estrutura do atendimento aos usuários ou dependentes de drogas e suas famílias e tratar com mais rigor os crimes que envolvam drogas de alto poder de causar dependência". Saiba mais sobre o projeto de lei.
O Estado de S.Paulo

Comentários

  1. E vem uns babacas dizer que o uso de drogas é doença. Se a própria vagabundagem está dizendo que não é prejudicial, então não há o que se falar em doença, pois, a meu ver, toda doença é prejudicial ao ser vivo. Estou de pleno acordo com o Deputado Osmar Terra, e acho que a pena do usuario deveria ser igual ou até mais pesada que a do trafivante, afinal é o primeiro que procura o vendedor e não esse o viciado. Por outro lado, atendendo os apelos dessa cambada de viciados, poderia sim liberar o uso, todavia, em caso de cometimento de algum delito, a alegação do uso de entorpecentes antes de sua pratica deveria ser fator agravante para a aplicação da pena.

    ResponderExcluir
  2. Ninguem faz marcha contra a corrupção ou a retirada do José Genoíno e seu companheiro mensaleiro da Comissão de Constituição e Justiça.
    Passeata para promover maconheiro e Viadagem,temos defensores de montão.
    Viva o Sr Bolsonaro e familia.

    ResponderExcluir
  3. LEI DURA NESSES DESOCUPADOS E FILHINHOS DO PAPAI, NÃO É POSSÍVEL ACEITARMOS UM MAU EXEMPLO
    PARA OS NOSSOS FILHOS, PODERIA ATÉ RESPONSABI-
    LIZAR OS RESPONSÁVEIS, QUANDO FOREM DE MENOR IDADE, E OS OUTROS COM MAIOR IDADES, APLICAR-LHES CEM VERGADAS NO GRANDE GLÚTEO.

    ResponderExcluir
  4. Isso e uma verdadeira molequagem esses pessoas deveriam ser presas
    por isso wue cada vez msis o crime esta se espandindo em todas as cidade eles fazem protesto pra liberaçao da maconha depois e do crack e cocaina,por estas e outra que o nosso pais esta como estar

    ResponderExcluir
  5. Isso que está acontecendo, são os frutos de nossos honoráveis políticos, que aprovam qualquer "porcaria" desde que rendam alguns votos. Logo virá a marcha da pedofilia, do estupro e pasmem, terá algum político à frente. Ah! que saudades do meu velho cassetete.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…