Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Maior facção criminosa do país se estabeleceu em Nova Andradina, diz polícia

A Polícia Civil afirmou não ter dúvidas quando à presença e atuação da maior facção criminosa do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC), em Nova Andradina. A declaração é resultado de levantamento que aponta o crescimento de ações ligadas ao crime organizado nos últimos meses.
 Segundo a Delegacia Regional de Polícia Civil, apesar da redução no número de crimes ligados à violência física, as ações contra o patrimônio chamam a atenção, principalmente roubos a camionetes e carros. Conforme a autoridade policial, pelo menos seis camionetes foram roubadas somente em 2013.
No mês de março, até um caminhão, avaliado em R$ 200 mil, foi levado em uma ação que teria contado com a participação de aproximadamente seis pessoas. “As atividades não se restringem ao perímetro urbano, pois os autores não têm se importado com a área de atuação. Seja na cidade ou na zona rural, se há o bem que desperta interesse aos criminosos, eles entram e praticam o crime”, afirmou o delegado André Novelli.
 A Polícia Civil tem atuado na identificação dos integrantes e procura desmantelar a quadrilha, porém, as autoridades  acreditam que, com uma estrutura organizada e número considerável de pessoas à disposição do crime, o combate se torna uma tarefa difícil. “Não estamos lidando com surgimento da facção e sim, com a instalação dela. Percebo que acontece uma aceleração da atividade criminosa, como se fosse uma empresa em pleno crescimento”, avaliou o delegado.
 A polícia afirma que este cenário remete ao tráfico de drogas, uma vez que, os veículos roubados são utilizados como moeda de troca para aquisição de entorpecentes no Paraguai. “São apenas 4h de viagem para se chegar à fronteira. Às vezes esse é o tempo que as vítimas levam para conseguir escapar e acionar a polícia”, pontuou Novelli.
Em relação às ações de combate ao tráfico de drogas, o delegado afirmou que, na visão dos traficantes, os prejuízos são pequenos, mesmo quando a polícia realiza apreensões expressivas. “É difícil falar em valores, pois sabemos que a quantidade de droga é muito grande. Acreditamos que, o montante de entorpecente apreendido é pequeno em relação ao volume que é transportado. São muitas rotas alternativas, e como há consumidores destes produtos, os traficantes só pensam no lucro, ignorando o mal social que suas práticas provocam”, afirmou o policial, ao dizer que, quem atua no tráfico envenena a sociedade, e compromete o futuro, inclusive de seus próprios filhos.
 Segundo ele, a maior dificuldade é que a investigação criminal tem regras, limites individuais que são impostos pelo Estado. “Os criminosos se vestem como cidadãos de bem e se valem dos direitos destes mesmos cidadãos. Cabe a nós, policiais, o ônus da prova e aí surgem as dificuldades. Os bandidos não têm limites, mas a polícia tem”, desabafa.  
Como exemplo, o policial afirmou que, quando um ladrão age, ele deixa o local do crime e, pouco depois é localizado pelas autoridades já de mãos vazias. 
 “Arma vai para um lado, veículo para outro, produto da ação para outro. Como a gente faz para prender? Existe uma estrutura com funcionários a serviço do crime em número bem maior do que o efetivo policial”, disse.
 A polícia afirma ainda que, muitos casos de furtos de motocicletas estão ligados à logística do tráfico. Essas motos seriam utilizadas para distribuição de entorpecentes no perímetro urbano, transporte da droga por vias alternativas, como estradas vicinais e ainda como moeda de troca por substâncias ilícitas. “Os agentes do tráfico negociam com grupos criminosos menores, que ficam responsáveis por ações de menos expressão, como a subtração de motos. O que parece ser um caso isolado de furto é, na verdade, uma ação ligada de forma indireta à indústria da droga”, conclui.
 Responsável pela Delegacia Regional da Polícia Civil, localizada em Nova Andradina, o delegado André Novelli avalia que, mais de 80% da população carcerária tem envolvimento com tráfico de drogas. 
 A recomendação da autoridade policial, principalmente aos proprietários de camionetes, é ter atenção redobrada e, em caso de roubo, não reagir para evitar atos violentos por parte dos criminosos, e acionar a polícia de imediato.  
Em março de 2012, o Ministério Público Estadual (MPE) já havia oferecido denúncia contra diversos integrantes de organização criminosa ligada ao Primeiro Comando da Capital (PCC) que vinham atuando no município. Ao todo, foram denunciadas 16 pessoas pela prática dos crimes de quadrilha e associação ao tráfico, três pelo envolvimento em crime de roubo e outras nove pelo cometimento de crimes de ameaça e cárcere privado, estes praticados contra integrantes da própria organização.
Fatima News

Comentários

  1. Dr. André, quero afirmar que, enquanto a CCJ e
    a CDH perocupam-se com problemas fúteis, como
    sejam: homofobia e heterofobia deveriam estarem
    preocupados com a segurança pública, com os gastos desnessários com o erário e outros temas
    de suprema necessidade social.
    Agradeço à vossa atenção, subscrevo-me cordialmente.
    Vice-presidente do (PMB-PE).

    ResponderExcluir
  2. POis é Sr José, são tantos e tantos projetos fúteis que os srs de paletós da política buscam aprovar nas suas reuniões. Segurança Pública, Saúde e Educação não são do interesse deles, porque têm dinheiro para viver bem nestes 3 itens. E a lei é branda para os porcos corruptos em geral...em breve estes traficantes estarão soltos matando policiais e pessoas inocentes e praticando outras maldades

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …