Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Grevista é reintegrado 12 anos após demissão

Doze anos após ter sido demitido por causa da greve da polícia em 2001, o ex-sindicalista Crispiniano Daltro obteve a reintegração "em definitivo" ao cargo de investigador de Polícia Civil, em ato homologado pelo governador Jaques Wagner na sexta, 13 de abril. Daltro presidiu o Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindipoc) durante 12 anos. Era filiado ao PT e um opositor ferrenho do "carlismo". Ele participou da campanha que elegeu Wagner em 2006, mas depois se decepcionou com o governo petista, a ponto de pedir desfiliação do partido e deixar o sindicalismo.
A situação do ex-presidente do Sindipoc era difícil de explicar judicialmente. Ele obteve, em 3 de outubro de 2002, decisão favorável do Pleno do Tribunal de Justiça da Bahia, para que fosse reintegrado. O governador da época, César Borges, recusou-se a cumprir a decisão, mas, como havia o risco de prisão por não acatar uma determinação judicial, resolveu baixar um ato para "reintegrar provisoriamente" Daltro, que foi "encostado" no serviço público, sem função específica.
Sal faz mal
Quando Wagner se elegeu, ele e os outros demitidos na greve de 2001 tinham certeza de que seriam reintegrados, mesmo porque tratava-se de promessa de campanha. Os sindicalistas gostavam de lembrar as palavras de Wagner segundo a qual iria governar com quem havia "comido sal e tomado poeira" com ele na oposição ao grupo do então senador Antonio Carlos Magalhães.
Apesar das promessas, o governador não reintegrou os demitidos, mesmo com decisões favoráveis da Justiça e anistia concedida pela Presidência da República.
"Não comi sal porque sou hipertenso, mas tomei muita poeira", afirma em tom de brincadeira Daltro, explicando que o governador mudou de ideia em relação ao caso dele. "Em junho de 2012 enviei uma carta ao governador expondo a minha situação sui generis, anexando a decisão do TJ-BA. Dessa vez ele foi compreensivo, me encaminhou ao secretário da Administração, Manoel Vitório, e o caso foi analisado pela Procuradoria Geral do Estado que deu o sinal verde", disse Daltro.
Ele retoma sua antiga função neste mês, lotado na delegacia de Conceição do Coité. "Concordei em me mudar para lá para recomeçar minha vida e reconstruir minha imagem que ficou desgastada pela meu radicalismo da época do Sindipoc", contou, com certa mágoa não só do PT, mas dos colegas sindicalistas que "aderiram" ao sistema. "Muitos arrumaram um carguinho no governo e abandonaram a luta sindical", critica.
PMs ainda aguardam reintegração -
 Cinco policiais militares demitidos em consequência da greve de 2001 ainda lutam pela reintegração. Um deles, o vereador-soldado Marcos Prisco (PSDB) lembra que tem seis decisões judiciais favoráveis à sua causa. "São quatro no Tribunal de Justiça da Bahia, uma na Auditoria Militar e outra no Supremo Tribunal Federal, sem falar nas duas anistias, uma concedida pelo ex-presidente Lula e outra pela presidente Dilma", disse. Para ele, a única explicação para ainda não ser reintegrado aos quadros da PM é a "perseguição política".
Prisco se notabilizou em dois momentos marcantes da política baiana. Na primeira campanha de Jaques Wagner, apareceu no programa político do PT exibindo seu contracheque de soldado para mostrar o baixo salário e desgastar o então governador Paulo Souto (PFL) que tentava a reeleição. Em fevereiro de 2012, comandou a greve da Polícia Militar e ocupou a Assembleia Legislativa com um grupo de grevistas. Saiu preso.
Além de Marcos Prisco, faltam ser reintegrados os seguintes demitidos na greve de 2001: os sargentos José Lourenço Dias, Donavan Soares e Cristiano Oliveira e o soldado Luiz Marinho.
Prisco diz que o governo estadual "zomba da Justiça" e lamenta que "nenhum desembargador tenha coragem de decretar a prisão dos responsáveis pelo não-cumprimento das decisões judiciais".
Portal A Tarde

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …