Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Governador do DF diz que foi "despreparo absurdo" a atitude do PM que matou estudante por engano

Polícia se confundiu e atirou em carro onde estavam três universitários
Para o governador Agnelo Queiroz a trapalhada da Polícia Militar, que matou um estudante por engano durante uma perseguição policial, é um "despreparo absurdo".
— Isso não mancha a imagem de uma corporação, que tem 15 mil homens na ativa, que é preparada, que tem se preparado de forma exemplar para a Copa das Confederações. Você não pode, por conta de uma atitude de uma pessoa, querer generalizar isso para uma corporação inteira, que tem muito serviço prestado à comunidade. Essa pessoa que responde por esse desprepero absurdo, que deve ser condenado com veemência.
José Chaves, de 27 anos, cursava Administração de Empresas e morreu após ser atingido, quando voltava da faculdade, na noite de quarta-feira (3). Ele deixa duas filhas e a mulher, grávida de oito meses. O veículo em que ele e outros dois amigos estavam teria sido confundido com um carro usado para cometer um crime. 

José Chaves foi atingido na cabeça, após a bala ferir de raspão a motorista Carla Pamplona. Ela disse que foi surpreendida pelo tiro.
— Eu só escutei o tiro. Quando eu vi, meu amigo caiu no meu colo. Aí eles (policiais) pararam atrás. Quando o policial me viu, já entrou em desespero e começou a falar "Meu Deus o que eu fiz, o que aconteceu?".
Michael de Oliveira Leal estava no banco traseiro e não se feriu. Ele disse que os policiais não deram sinal.
— Eles confundiram a gente e simplesmente atiraram.
O policial acusado de disparar vai responder pelos crimes de homicídio e por tentativa de homicídio, segundo o delegado Marcelo Portela, da 24ª Delegacia de Polícia. O militar vai aguardar o processo em liberdade. Ele vai passar por tratamento psicológico. O policial, que não teve o nome divulgado pela corporação, foi afastado do trabalho nas ruas durante enquanto é realizada a investigação do caso.
Do R7, com informações da TV Record Brasília

Comentários

  1. GTOPs de luto.

    Queremos externar a população do Distrito Federal nossa dor diante do lamentável acontecido envolvendo uma guarnição do GTOP e a morte de um cidadão de bem. A filosofia do serviço operacional, mais notadamente os Grupos Táticos de Operação (GTOP), é estritamente técnica e tática, sempre adstrita ao que preconiza o que há de melhor na doutrina policial de segurança pública a fim de prestar um serviço de excelência à sociedade.

    A necessidade da busca da especialização (não estilo tapa na cara), qualificação, treinamentos, estandes de tiro fariam muitos profissionais melhorarem seu desempenho nas ruas. E não basta colocar um alvo e mandar o policial atirar. É necessário treinamento de tiro, onde situações críticas são passadas ao combatente, para que seu psicológico esteja preparado para as ruas, não basta dar banho de mangueira e deixar o policial privado de comida gritando hinos e musiquinhas, já devíamos ter passado esse tempo. Milhões gastos em helicópteros e federações de tiro tem mais estrutura que a policia da Capital Federal.
    Não há mais espaço para amadorismo, temos que ser policiais profissionais e não rambos armados até os dentes com recompensas ridículas por armas apreendidas. Temos família em casa e agir no impulso só nos deixa mais distantes delas.

    Ser policial militar é isso, trabalhar eternamente no fio da navalha, um dia herói, em outro assassino frio, conforme a tendência da imprensa. Quem trabalha nas ruas sempre vai viver sobre essa linha, abuso de um lado e omissão do outro.
    Por mais que sejamos policiais de segurança pública não podemos desconsiderar que a ação do policial foi no mínimo arriscada, pois acertar um disparo em um carro em movimento é algo que deixa muitas oportunidades de erro, e quando estamos na caça amigo, temos que ter em mente que é melhor o marginal escapar do que inocentes se ferirem.
    A rotina do serviço dos policiais especialistas foca a segurança do cidadão, em primeiro lugar, e depois sua própria segurança. Não é, e nunca foi, recorrente nas ações do policiamento ostensivo tático o uso de força desnecessária, violência ou atos desmedidos que coloquem em risco a segurança de terceiros ou a do próprio policial. Por isso entendemos que o ocorrido na abordagem que culminou na morte do SRº José Chaves Alves Pereira foi um fato isolado, e trágico, decorrente de falhas nos procedimentos adotados por estas equipes altamente qualificadas.
    Cabe à justiça os devidos procedimentos apuratórios e julgamento desse evento, ela possui legitimidade para isso. Repudiamos a espetáculo midiático com pretensões de alavancar audiência com a tragédia ocorrida tanto na vida do jovem que veio a falecer quanto na do policial militar, um cidadão e pai de família.
    Nós, policiais militares especialistas, GTOPs, ROTAM e Táticos em geral estamos de luto.


    Rede Democrática
    Caserna PAPA MIKE
    GTOPs/ROTAM.

    ResponderExcluir
  2. Pô , não existe espetáculo mediático nenhum. O que existiu foi um bárbarie sem tamanho. E qual é o papel da imprensa brasileira??? Noticiar em pequenas linhas um crime deste vulto?????
    Vem as desculpas das corporações, as explicações do policial pai de família, mas isto não exime o criminoso das penas pelo o ato praticado.
    Desculpe-me pela franqueza, mas, este PM deveria estar preso e isto não aconteceu. Tá tudo errado companheiros.

    ResponderExcluir
  3. Descordo com este cidadão que disse que o policial militar deveria estar preso, com certeza ele vai pagar pelo erro que cometeu, mas ele não é um criminoso! Ele é um trabalhador, profissional de segurança pública, pai de família e humano, e na condição de humano errou.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…