Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Gastos da Justiça Militar são "descalabro financeiro", afirma Barbosa

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Joaquim Barbosa, classificou de "escandalosos" os gastos da Justiça Militar nesta terça-feira (2) durante sessão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o qual também preside. Dados do relatório "Justiça em Números" de 2012 indicam que o orçamento total desse segmento da Justiça em 2011 foi de cerca de R$ 419 milhões. No entanto, o CNJ questiona a eficiência do tribunal. O Conselho, que tem entre suas atribuições a de fiscalizar o trabalho dos juízes, decidiu, então, criar um grupo de trabalho para avaliar o custo da Justiça Militar e propor mudanças. O diagnóstico da Justiça Militar, incluindo a federal, deve estar pronto em 90 dias. Para efeito de comparação, o conselheiro Bruno Dantas citou na sessão que o STM (Superior Tribunal Militar) tem em torno de 960 servidores e julga cem processos anualmente, enquanto o STF possui pouco mais de 1,1 mil servidores e anualmente analisa milhares de casos. "Os números são escandalosos. São indicativo de um verdadeiro descalabro financeiro", disse Barbosa.
Os conselheiros discutiam a representação contra dois magistrados de Minas Gerais que teriam perdido o prazo para julgar cerca de 80% de processos na Justiça Militar sob sua responsabilidade. Os dois juízes foram punidos com pena de censura, a mais branda aplicada pelo CNJ. A máxima é a aposentadoria compulsória, embora o juiz continue recebendo salário. O grupo de trabalho do CNJ terá 90 dias para apresentar um relatório, mas esse prazo poderá ser prorrogado. Os integrantes dessa comissão ainda serão definidos. Atualmente, apenas três Estados possuem tribunais estaduais militares: São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Nos demais 23 Estados e no Distrito Federal, os casos que envolvem militares são analisados pelos tribunais de justiça estaduais. O ministro Joaquim Barbosa já havia criticado a Justiça Militar estadual em novembro passado. Na ocasião, ele afirmou que esses tribunais não tinham "necessidade" de existir: "Uma Justiça que poderia muito bem ser absorvida pela Justiça comum, porque não há qualquer necessidade de sua existência". Balanço de 2011 No último relatório divulgado pelo CNJ, relativo ao ano de 2011, a despesa total da Justiça brasileira havia alcançado a cifra de 50,4 bilhões, sendo que cerca de 90% (ou R$ 45,2 bilhões) são gastos com recursos humanos, incluindo a remuneração de servidores ativos, inativos, terceirizados e encargos, como diárias e passagens. Durante o ano passado, quase 90 milhões de processos tramitaram no sistema judiciário do país todo. Destes, 63 milhões (71%) já estavam pendentes desde o início do ano e 26 milhões ingressaram ao longo do ano – número equivalente ao número de processos concluídos. Foram proferidas 23,7 milhões de sentenças e decisões.
noticias.bol

Comentários

  1. A Justiça Militar nada mais é do que um orgão destinado ao corporativismo. Pouco se vê oficial sendo condenado, pois os julgadores são os próprios oficiais.

    ResponderExcluir
  2. Tá certinho o Joaquim Barbosa, tem de acabar com esta tal de "justiça militar" e também acabar com o código penal militar, todos os militares que cometerem crimes deve ser julgados pela justiça comum porque assim o pobre coitado da praça tem condições de se defender e os oficiais de serem punidos, é que na prática a justiça militar só condena praças e absolve os oficiais.

    ResponderExcluir
  3. Graças ao Grande Criador do Universo, apareceu um negro, que ha muito tempo falavam que a etinia não enxegava no escuro, parta conseguir ver a escuridão em que se encontra a justicinha nacional.
    DEUS na sua magnifica sapiencia te ilumine e dê coragem, MINISTRO.
    Assim, acaba com bastantes orgãos que servem para manutenção da escravidão neste país de desiguais.
    Como seria bom ver esse homem candidato a chefe deste país; ou matariam ele ao ser condidato, ou depois.
    O povo merece a eleite, tambem.
    Acabaria com boa parte da escravidão que assola, pretos, pobres, mulheres, indios, e milhares de outras etnias deste maravilhoso país.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o Ministro Joaquim Barbosa, a "Justiça Militar" além de ser cara, poderia ser absorvida pela justiça comum. Vale lembrar que essa "Justiça Militar" é obra da ditadura, fruto do regime de exceção que quis dar a toga e status de juiz aos militares, além, é claro, de representar o corporativismo dos oficiais destas instituições militares.
    Vocês sabiam que militares que nunca frequentaram uma faculdade de direito, tem status de desembargador no tribunais militares de SP, MG e RS?

    ResponderExcluir
  5. Outra coisa dita pelos defensores da galinha dos ovos de ouro - "Justiça Militar"- diz ser ela necessária devido as peculiaridades da "vida militar", pura enganação e argumento sem fundamento, fosse assim, teríamos que ter uma justiça para cada atividade específica: engenharia, contabilidade, medicina legal. Para casos específicos o juiz requisita laudo pericial de pessoa especializada nesta área, ou de funcionários de que desempenham essa função nos tribunais.

    ResponderExcluir
  6. Gostaria que o CNJ realizasse uma diligência na "Justiça Militar" do ES, e pesquisasse a fundo, pois, não tenho conhecimento de condenação de oficiais neste tribunal.

    Ou os oficiais do ES são santos. Atenção Francisco I...

    Ou as praças são umas pragas, pois só vejo praça condenada.

    ResponderExcluir
  7. No ES tem um caso de um soldado que foi expulso da corporação por furtar 01 litro de gasolina.

    Já um capitão que furtou um caminhão de combustível...está em recurso...trabalhando...vai saber...no que vai dar...se converteu...comprou uma biblia...está até evangelizando...

    Qual a mensagem que fica?

    ResponderExcluir
  8. Eu defendo a justiça militar, porque é muito importante os crimes tipificados no CPM e seu julgamento. Por exemplo: se um soldado abandonar o posto...KKKKKKKK.......pode ser o fim da humanidade.

    Um juiz togado em seu tribunal comum não conseguiria entender toda essa problemática e solucionática envolta neste caso super complexo...KKKKKKKKKKK,

    Para...Para...Tem que ter um QI de ameba para acreditar nisso...

    Até um arbitro de futebol também conhecido como JUIZ saberia analisar um casos bal desses;

    Até um juiz arbitral saberia analisar essa situação;

    Qualquer empregador sabe solucionar esse caso ADMINISTRATIVAMENTE, APURAÇÃO E PUNIÇÃO ATÉ COM A MAIS GRAVE, DEMISSÃO.

    Aí vem uns cabeças de minhoca, querendo me enganar...

    ResponderExcluir
  9. até que enfim apareceu um de saco roxo, tem que acabar com essa justiça militar, pois só da regalias para os oficiais, se tiver um oficial junto com praças, os praças vão para a cadeia o oficial é absolvido e o pior é promovido, esse TJM é dinheiro público jogado no lixo, é mordomia para oficial, enfim é uma porca vergonha, ai o Ministro aproveita e acaba também com esse CÂNCER no pais que é o MILITARISMO DENTRO DA POLÍCIA, policia é civil, Militar é para as FORÇAS ARMADAS, ai o BARBOSA acaba com as MORDOMIAS DESSES OFICIAIS, bota eles para trabalhar e produzir, tira eles de dentro das suas COLONIAS DE FÉRIAS QUE SÃO OS BTL, querem ser OFICIAL vão para as FORÇAS ARMADAS, polícia é nas ruas defendendo a população contra o crime organizado e as RATAZANAS .

    ResponderExcluir
  10. AH! MEU DEUS, SERÁ QUE VOU VER A JUSTIÇA MILITAR SER EXTINTA? BALEADA ELA JA ESTÁ COM TODO ESSE MOVIMENTO, AGORA SÓ RESTA O TIRO FATAL PARA A MINHA ALEGRIA

    ResponderExcluir
  11. Eu espero que acabe, acompanhei por quase 7 anos o DO TJMSP, e sempre negado o recurso ou indeferido, Eu Ex Sd PM 900875-6 Rubens, DEMITIDO acusado de Faltar ao Serviço em Rib Preto SP, foi na verdade perseguição de Oficiais .......e mais.

    ResponderExcluir
  12. Tá certinho o Joaquim Barbosa, tem de acabar com esta tal de "justiça militar" e também acabar com o código penal militar, todos os militares que cometerem crimes deve ser julgados pela justiça comum porque assim o pobre coitado da praça tem condições de se defender e os oficiais de serem punidos, é que na prática a justiça militar só condena praças e absolve os oficiais.

    ResponderExcluir
  13. SENHORES(AS)ANALISANDO O TEXTO, COM TODA SINCERIDADE EXISTENTE NESSE MUNDO, ÃO ME COUBE OUTRA CONDUTA SENÃO CAIR EM PLANTOS. SABEMOS, PRINCIPALMENTE AQUELES QUE A "ESSE" JÁ FORAM SUBMETIDS E/OU CONHECEM COM UM POUCO DE PROFUNDIDADE A QUESTÃO, QUE TRIBUNAL A QUEM NS REFERIMOS NADA MAIS É DE QUE UM ORGÃO SERVENTOR DE LEGITIMAÇÃO DOS OFICIAIS SUPERIORES DAS PM(s), SE O EXCELENTISSIMO MINISTRO QUE ANTO NOS HONRA CHEGASSE A LER AS DECISÕES QUE ALI SÃO PROFERIDAS CAIRIA DE COSTAS, LITERALMENTE. PARABÉNS MINISTROS, NÃO DESISTA DE COLOCAR UMA JUSTIÇA EQUALTARIA PARA TODOS, ACABE COM AS INJUSTIÇAS NESSE PAÍS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…