Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Delegada é demitida após caso de turista estuprada em van no Rio

A chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro, Martha Rocha, exonerou na segunda-feira (1º) a então titular da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Niterói (RJ), Marta Dominguez, após constatar que houve falha na investigação sobre o caso de uma jovem que denunciou ter sido estuprada, no dia 23 de março, por Jonathan Foudakis de Souza, 20, e Wallace Aparecido Souza Silva, 22, dentro de uma van. Os dois são suspeitos de sequestrar, estuprar e agredir uma turista norte-americana nas mesmas circunstâncias. O crime contra a estrangeira ocorreu na madrugada de sábado (30). Segundo a Polícia Civil, Martha Rocha fez questão de ouvir pessoalmente a versão da delegada, mas entendeu que, na ocasião, "não foram adotadas as medidas necessárias" para elucidar o caso. Além de Dominguez, também foi exonerada a diretora do posto regional de Polícia Técnico Científica de São Gonçalo --cidade vizinha a Niterói, na região metropolitana do Rio--, a perita Martha Pereira, "uma vez que ficou constatada a demora no atendimento à vítima".
Nesta segunda-feira (1º), a vítima compareceu ao prédio da chefia de Polícia Civil e recebeu um pedido de desculpas durante conversa com a própria Martha Rocha. A chefe da instituição afirmou lamentar "que a gestão dos dois órgãos envolvidos estivessem sob a responsabilidade de mulheres, justamente as que deveriam ser mais sensíveis em episódios como este". Além dos atos administrativos, Martha Rocha determinou que a Coinpol (Corregedoria Interna da Polícia Civil do Rio) analise os procedimentos realizados pela equipe da Deam de Niterói. Estrangeira é violentada A turista estrangeira violentada em uma van na madrugada do último sábado (30) em um trajeto entre Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, e São Gonçalo, na região metropolitana, foi agredida por um dos homens que a atacou. Segundo a polícia, ela sofreu duas fraturas no nariz. O namorado da vítima, também estrangeiro, sofreu agressões no rosto e, apesar de ter ficado com a face totalmente machucada, não teve nenhuma fratura.
Jonathan Foudakis de Souza, 20, e Wallace Aparecido Souza Silva, 22, são acusados de manter como reféns a turista e seu namorado. Eles foram forçados a fazer saques em caixas eletrônicos e compras em postos de gasolina em Niterói e São Gonçalo onde, mais tarde, os homens foram presos. De acordo com informações da Polícia Civil, os suspeitos também abusaram sexualmente da turista no trajeto, enquanto o namorado foi espancado.
De acordo com a polícia, os suspeitos mantiveram o rapaz também como refém porque só ele possuía cartão de crédito no momento. Após utilizarem todo o limite do cartão, os dois teriam ameaçado matar o rapaz e, por isso, a namorada se ofereceu para pegar o dela em casa. Com isso, eles voltaram para Copacabana e mantiveram o rapaz refém enquanto ela pegava a carteira. Segundo a polícia, os suspeitos ficaram dando voltas no quarteirão junto com o namorado enquanto esperavam. A polícia investiga se ao menos mais três outros roubos foram praticados pelo trio. Na tarde desta segunda-feira (1º), um rapaz vítima de roubo reconheceu a dupla. Segundo a polícia, a diferença é que neste caso eles agiram com ao menos uma arma de fogo. Na abordagem ao casal de estrangeiros, foi usada apenas uma barra de ferro.
Hà suspeita de que o golpe seja praticado há cerca de um ano, de acordo com outras ocorrências com o mesmo tipo de ação que serão investigadas pela Deat. Com o luminoso do veículo escrito Lapa, os suspeitos pegariam passageiros ao longo da avenida Nossa Senhora de Copacabana e, ao chegarem ao Aterro do Flamengo, anunciavam o assalto.
Do UOL

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …