Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Comissão da Verdade vai apurar assassinatos de índios durante a ditadura

No final dos anos 60, uma criança indígena, Rosa, 11, foi levada de uma tribo, em Mato Grosso, para servir de escrava da mulher de um servidor do SPI (Serviço de Proteção ao Índio).
Não foi o único caso de escravidão de índios, submetidos a essa situação por funcionários do governo federal.
Na primeira década da ditadura, índios --adultos e crianças-- eram rotineiramente vendidos por funcionários públicos que tinham como missão protegê-los.
Aos rebeldes, o castigo era o "tronco", como se no Brasil do século 20 ainda vigorasse a escravidão.
Casos como o de Rosa serão examinados pela Comissão Nacional da Verdade (CNV). A partir desta semana, o grupo começa a analisar o chamado relatório Figueiredo, relatório de 7.000 páginas, ao qual a Folha teve acesso, que relata a série de torturas, assassinatos e roubos praticados contra os índios durante a ditadura militar.
A documentação é fruto de uma CPI presidida pelo procurador Jader Figueiredo Correia durante os anos de 1967 e 1968. O relatório da comissão concluiu que por trás de irregularidades estavam os servidores do SPI.
Ao todo, 134 funcionários foram apontados como responsáveis pelos delitos. Ninguém foi punido. A única consequência prática foi a decisão de acabar com o SPI e criar em seu lugar a Funai (Fundação Nacional do Índio).
"O documento traz revelações sobre a execução de povos indígenas", afirma Maria Rita Kehl, integrante da CNV e responsável pelo grupo de trabalho que apura violações de direitos humanos contra indígenas. "Foi produzido durante a ditadura e quem estava lá atendia aos interesses dos militares", diz ela.
O relatório Figueiredo, como é conhecido, esteve abandonado na Funai, em Brasília, até 2010, quando foi levado para o Museu do Índio, no Rio, catalogado e digitalizado.
"É preciso observar essa documentação entendendo o momento histórico em que foi produzida. Havia uma disputa de poder no SPI e isso gerou uma série de acusações entre servidores", conta José Carlos Levinho, presidente do Museu do Índio.
O que já se sabe é que no fim da década de 1950, o SPI passou a ser alvo de denúncias de corrupção praticadas por seus servidores. Projetos então implantados por Darcy Ribeiro foram suspensos e uma caça às bruxas teve início, criando um clima de denúncias entre os funcionários.
Em 1967, o general Albuquerque Lima, então ministro do Interior, decidiu criar a CPI para investigar as acusações de corrupção. Em março de 1968, o general tornou público o documento produzido por Figueiredo.
Os relatos não se limitavam a desvio de dinheiro por parte dos servidores. Contavam casos de índios mortos a tiros de metralhadoras, castigados com palmatória ou amarrados ao tronco.
Uma reportagem sobre as conclusões da CPI foi publicada pelo "The New York Times" em 21 de março de 1968, com grande repercussão.
Pesquisadores estrangeiros desembarcaram no país para ver o que acontecia com os índios. Um deles, o médico francês Patrick Braun, publicou um artigo no qual citava documentos dos ministérios da Agricultura e do Interior, além do Relatório Figueiredo, nos quais se acusavam agentes do SPI e latifundiários de usar armas biológicas e convencionais para exterminar tribos indígenas.
Braun cita o que teria sido a introdução deliberada dos vírus da varíola, gripe e sarampo, e do bacilo da tuberculose nas tribos do Mato Grosso entre 1957 e 1963.
Algo similar teria ocorrido com as tribos do norte da Bacia Amazônica, entre 1964 e 1965.
"O relatório contém informações muito importantes sobre a forma criminosa com que foi engendrada a titulação privada das terras indígenas no Mato Grosso", informou o ISA (Instituto Socioambiental), especializado em questões indígenas e que também já estuda o documento.
Dos 30 volumes produzidos por Figueiredo, um deles se perdeu nos arquivos da Funai.
Folha de São Paulo

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…