Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Comissão da Verdade vai apurar assassinatos de índios durante a ditadura

No final dos anos 60, uma criança indígena, Rosa, 11, foi levada de uma tribo, em Mato Grosso, para servir de escrava da mulher de um servidor do SPI (Serviço de Proteção ao Índio).
Não foi o único caso de escravidão de índios, submetidos a essa situação por funcionários do governo federal.
Na primeira década da ditadura, índios --adultos e crianças-- eram rotineiramente vendidos por funcionários públicos que tinham como missão protegê-los.
Aos rebeldes, o castigo era o "tronco", como se no Brasil do século 20 ainda vigorasse a escravidão.
Casos como o de Rosa serão examinados pela Comissão Nacional da Verdade (CNV). A partir desta semana, o grupo começa a analisar o chamado relatório Figueiredo, relatório de 7.000 páginas, ao qual a Folha teve acesso, que relata a série de torturas, assassinatos e roubos praticados contra os índios durante a ditadura militar.
A documentação é fruto de uma CPI presidida pelo procurador Jader Figueiredo Correia durante os anos de 1967 e 1968. O relatório da comissão concluiu que por trás de irregularidades estavam os servidores do SPI.
Ao todo, 134 funcionários foram apontados como responsáveis pelos delitos. Ninguém foi punido. A única consequência prática foi a decisão de acabar com o SPI e criar em seu lugar a Funai (Fundação Nacional do Índio).
"O documento traz revelações sobre a execução de povos indígenas", afirma Maria Rita Kehl, integrante da CNV e responsável pelo grupo de trabalho que apura violações de direitos humanos contra indígenas. "Foi produzido durante a ditadura e quem estava lá atendia aos interesses dos militares", diz ela.
O relatório Figueiredo, como é conhecido, esteve abandonado na Funai, em Brasília, até 2010, quando foi levado para o Museu do Índio, no Rio, catalogado e digitalizado.
"É preciso observar essa documentação entendendo o momento histórico em que foi produzida. Havia uma disputa de poder no SPI e isso gerou uma série de acusações entre servidores", conta José Carlos Levinho, presidente do Museu do Índio.
O que já se sabe é que no fim da década de 1950, o SPI passou a ser alvo de denúncias de corrupção praticadas por seus servidores. Projetos então implantados por Darcy Ribeiro foram suspensos e uma caça às bruxas teve início, criando um clima de denúncias entre os funcionários.
Em 1967, o general Albuquerque Lima, então ministro do Interior, decidiu criar a CPI para investigar as acusações de corrupção. Em março de 1968, o general tornou público o documento produzido por Figueiredo.
Os relatos não se limitavam a desvio de dinheiro por parte dos servidores. Contavam casos de índios mortos a tiros de metralhadoras, castigados com palmatória ou amarrados ao tronco.
Uma reportagem sobre as conclusões da CPI foi publicada pelo "The New York Times" em 21 de março de 1968, com grande repercussão.
Pesquisadores estrangeiros desembarcaram no país para ver o que acontecia com os índios. Um deles, o médico francês Patrick Braun, publicou um artigo no qual citava documentos dos ministérios da Agricultura e do Interior, além do Relatório Figueiredo, nos quais se acusavam agentes do SPI e latifundiários de usar armas biológicas e convencionais para exterminar tribos indígenas.
Braun cita o que teria sido a introdução deliberada dos vírus da varíola, gripe e sarampo, e do bacilo da tuberculose nas tribos do Mato Grosso entre 1957 e 1963.
Algo similar teria ocorrido com as tribos do norte da Bacia Amazônica, entre 1964 e 1965.
"O relatório contém informações muito importantes sobre a forma criminosa com que foi engendrada a titulação privada das terras indígenas no Mato Grosso", informou o ISA (Instituto Socioambiental), especializado em questões indígenas e que também já estuda o documento.
Dos 30 volumes produzidos por Figueiredo, um deles se perdeu nos arquivos da Funai.
Folha de São Paulo

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…