Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Comando da PM pode fechar bases da Polícia Rodoviária em SP

O comando da Polícia Militar no estado divulgou que pretende fechar cerca de 60 bases da Polícia Militar Rodoviária. A intenção é colocar o efetivo nas estradas em operações de fiscalização.
Por enquanto é uma proposta e está em fase de estudo. Comandantes de bases operacionais de várias regiões do estado foram convocados a indicar quais bases poderiam ser fechadas sem prejudicar a segurança e a fiscalização. Em um primeiro estudo, das 129 bases da Polícia Rodoviária Militar do Estado 62 poderiam ser fechadas. Com isso 382 policiais iriam para as rodovias fazer as operações de fiscalização.
O objetivo é justamente aumentar o número de policiais em blitz e mini comandos nas estradas. Segundo o comandante da Polícia Militar do estado, a existência de algumas bases não impede que o motorista cometa infrações. Já a fiscalização em pontos estratégicos pode coibir muito mais a imprudência.
“A diferença de um policial dentro da base e um policial ao longo da rodovia, em pontos estratégicos é que a segunda opção é muito mais salutar. A maioria das bases que foi apontada no estudo para desativação são em rodovias que tem o serviço da concessionária, o serviço de socorro, então não vai colocar o cidadão em situação de risco, de prejuízo. Portanto não vai perder a referência da polícia e de um serviço de qualidade”, explica o coronel Benedito Roberto Meira.
Para os motoristas, a presença de comandos em vários pontos na estrada pode melhorar a segurança. Muitos concordam que a mudança vai favorecer a fiscalização e punição de infratores. “Existe muito abuso por aí, então pode ser uma boa medida”, destaca o aposentado José Catolé. 
Outro ponto levado em consideração durante o estudo são as rotas do tráfico. As bases hoje instaladas em pontos estratégicos para a fiscalização nesse sentido serão mantidas. “Os pontos mais sensíveis nossos são as divisas de estado. E nesses locais, dentro do estudo, nenhuma base será fechada”, completa o comandante. A proposta irá passar por mais uma avaliação para depois ser encaminhada para o governo do estado. (G1).

Comentários

  1. O usuário da rodovia que precisa de um local para obter informações, um ponto de apoio ou mesmo um local seguro para relaxar uns minutos antes de continuar a viagem que se dane, afinal de contas o Estado precisa arrecadar mais em multas e taxas, os policiais e população que se virem.

    ResponderExcluir
  2. demorou todos esses anos pra esses coroneis verem isso? quando começou as construções de posto em toda a PM os praças ja sabiam disso,isso foi pra dar comando pra oficiais,pra eles ganharem mais.

    ResponderExcluir
  3. Só resta saber se essa medida visa dar segurança nas rodovias e não somente, como ocorre em municípios onde a Guarda Municipal está multando a torto e direito com intuito de aumento da arrecadação financeira.

    ResponderExcluir
  4. O cmt geral continua sua trajetória, herdada do Cel anterior, Roberval. Só fazendo merda.

    ResponderExcluir
  5. a ideia é muita boa, pois hoje no mínimo se perde quatro PM em cada base apenas para mantê-la funcionando

    ResponderExcluir
  6. QUE ME PERDOE MEU ESTIMADO CMT,MAS SERA UM GRANDE PREJUIZO AOS USUÁRIOS DA VIA,POIS ELES TEM AS BASES COMO PONTO DE APOIO,FALO ISSO POIS JA ESTIVE AI POR 15 ANOS,SEM CONTAR QUE IRA VIRAR UMA FABRICA DE MULTAS,ISSO SERA MUITO RUIM PRA PMRv.
    SERA UM TIRO NO PÉ.
    MUITOS USUÁRIOS DA VIA SEMPRE PROCURAM AS BASES PRA SE INFORMAREM OU FAZER USO DE ALGUM TIPO FISIOLÓGICO,DESCANSAR ALGUNS MINUTOS DE UMA LONGA VIAGEM,APOSTO QUE NÃO IRA POR MUITO TEMPO ESSE PLANEJAMENTO DE SERVIÇO,DEIXE COMO ESTA QUE DA MAIS CERTO.
    ABRAÇO A TODOS,QUE DEUS NOS GUARDE.

    ResponderExcluir
  7. O real motivo é que a PM em geral não esta conseguindo repor seu efetivo que esta aposentado em todo o estado; e para não defasar o efetivo operacional tem que fechar as bases. Motivo Baixos Salários que o Atual GOVERNO Está Pagando. ACORDA BRASIL!!!!!. O Crime organizado está dominando.

    ResponderExcluir
  8. O anonimo acima falou tudo. A PM não consegue suprir homens nas ruas, por causa da demanda alta e ai fecha as bases fixas. Bastam ver, faz quanto tempo que não se inaugura uma base fixa de qualquer natureza, seja ela BCS, PP ou TRAILLER, na cidade de SP. Se criar uma dessas se tira ao menos duas vtr da rua por turno o que é prejudicial.

    ResponderExcluir
  9. O PMRv só se ferra, você não vê um policial rodoviário FEDERAL 12 horas no sol , é comum isso nas rodovias estaduais o PM tem que pedir autorização até pra usar o banheiro, se não for autorizado não pode sair dali sob pena do regulamento RDPM o tal do Rquero...
    São expostos a toda a criminalidade, pois tem que abordar no mínimo 10 veículos, caso não o faz e comunicado, por não cumprimento de ordem... São os absurdos da PM paulista arbitrária e anticonstitucional.
    Outra coisa o PMRv pode arrumar um caminhão de carne para o batalhão fazer churrasco, mas se levar um bife pra comer na base é enquadrado por “ usar a condição de policial militar para levar vantagem em comercio”. Isso é Brasil pais de corruPTos e de governantes que odeia a policia em especial da de São Paulo.
    A grandiosa que se meteu em tudo deste País em varias guerrilhas e agora esta sendo retalhada por que outrora era bandido e hoje estão no poder. Obs: hoje continuam mas de colarinho branco.
    Desculpem-me por não me identificar é por que o Rquero diz que eu não posso tecer manifestação de qualquer tipo, somos calados por esse regulamento do tempo da DITADURA... Enfim estamos nas mãos do diabo e que Deus tenha piedade de nos e do povo de São Paulo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…