Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Capitão que ordenou abordagem a negros e pardos é afastado pela PM

Ubiratan de Carvalho Góes Beneducci comandava companhia de Campinas.
Segundo a Polícia Militar, ele realizará funções administrativas.
O capitão da Polícia Militar que assinou uma ordem de serviço para abordagem focada em "indivíduos da cor parda e negra" foi afastado das ruas em Campinas (SP). Ubiratan de Carvalho Góes Beneducci comandava a 2ª Companhia da PM na cidade e, na época da mensagem, em janeiro deste ano, a corporação classificou o episódio como "deslize de comunicação".
Segundo o setor de Comunicação da Polícia Militar, o afastamento ocorreu esta semana, mas não tem relação com a ordem de serviço. A informação da PM é que trata-se de uma "movimentação administrativa habitual" e que Beneducci realizará funções administrativas. O tenente André Pereira assumiu o comando da 2ª Companhia do 8º Batalhão de Campinas.
Em nota, a PM informou que o caso da ordem de serviço encontra em análise pela Corregedoria da Polícia Militar.
'Indivíduos de cor parda e negra'
A ordem de Beneducci pedia a intensificação do policiamento em ruas próximas ao Colégio Liceu aos sábados das 11h às 14h, no bairro Taquaral,  "focando em abordagens a transeuntes e em veículos em atitude suspeita, especialmente indivíduos de cor parda e negra com idade aparentemente de 18 a 25 anos".
Após o episódio, o setor de comunicação da PM justificou que as características citadas na ordem do comando foram baseadas em uma carta enviada por moradores da região, que descreviam um grupo que praticava roubos a residências naquelas imediações.
Do G1 Campinas e Região

Comentários

  1. É IMPORTANTE LEMBRAR-MOS ANTES DE QUALQUER COMENTÁRIO QUE ESTAMOS VIVENDO EM UM PAÍS DEMOCRÁTICO ONDE TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, ESTA QUE NORTEA O COMPORTAMENTO SOCIAL E "ESCRAVISA" S FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS A SEU FIEL, CUMPRIMENT, DIGA-SE, FIEL. ENTÃO, AO ENTENDER DESTE SIGNATÁRIO O COMPORTAMENTO DO EMINENTE CAPITAL FOI ALÉM DE MUITO....INFELIZ, SEM SOMBRA DE DÚVIDAS, RACISTA. MESMO QUE TENHA RECEBIDO A DITA CARTA DOS MORADORES, A TRADUÇÃO ENQUANTO ESPECIALISTA DE POLICIA JAMAIS PODERIA SEQUER SE APROXIMAR DO TESTO QUE ORA LEMOS.EM A PM TENTAR ACOBERTAR SUA CONDUTA ESFRAQUECE E MUITO O CONCEITO PERANTE A SOCIEDADE PAULISTA
    GRAT,
    LUIS

    ResponderExcluir
  2. Para quem não sabe...
    Ele apenas, foi ocupar uma posição de Coordenador Operacional (Função de Maj), como poder sobre todas as Companhias Operacionais.
    Não se iludam!
    Além do mais, não vejo irregularidades no serviço que seria executado, apenas um documento mal escrito.

    ResponderExcluir
  3. DEVERIA SER EXPULSO PARA SERVIR DE EXEMPLO !! RACISMO OU PRECONCEITO, NÃO É ADMISSÍVEL NUMA INSTITUIÇÃO QUE SE DIZ LEGALISTA, AINDA MAIS, QUANDO É PRATICADO POR UM OFICIAL !!

    ResponderExcluir
  4. que apostar que logo ele sera promovido a Major, é puro cooperativismo, se é praça já estava no olho da rua, acorda BRASIL, acaba logo com esse militarismo nas PM do BRASIL, isso vai de mau a pior.

    ResponderExcluir
  5. Francamente não vislumbro racismo ou preconceito na ordem emanada pelo capitão. Ora, se nos registros das ocorrencias as vitimas e testemunhas relatam que os autores são pessoas negras e/ou pardas, em grupos de 3 a 5 individuos, não poderia o comandante citar outras caracteristicas. Assim como foi sobre as etnias negras e pardas, poderia ser de loiros, amarelos, etc, se essas fossem destaques nas ocorrencias policiais, figurando como autores.

    ResponderExcluir
  6. braulio veloso castro6 de abril de 2013 08:32

    o maior cego é aquele que não quer ver, a onde esta o racismo ou preconceito racial nesta ordem! |Ele especificou um grupo que era ou é composto de negros e pardos que praticava assaltos na região.Se for desta maneira toda guarnição ao chegar em local de crime comete crime de racismo quando qualifica criminosos " elemento de cor negra ou parda, calça jeans, camisa branca etc. O que aconteceu foi que ele escreveu mal, ou não leu o que alguem escreveu para ele.

    ResponderExcluir
  7. Não acredito que tenha sido intencional, quando nascemos o nosso tipo de cor é descrito e colocado em nossa certidão, a minha por exemplo é parda, não vejo mal algum, se os assaltantes tinham esta característica, já que todos estão condenando-o, me digam o que é que deveria ser usado, qual a palavra e característica e descrição do grupo de assaltantes que o senhores usariam para dar uma ordem de abordagem sem parecer descriminação?

    ResponderExcluir
  8. A sociedade nao precisa em se preocupar em "acabar com a PM", alguns "travestidos" de PM ja estão fazendo isso.
    Paulo Rubens PMRJ

    ResponderExcluir
  9. Entao como serão emitidas as próximas ordens para abordagens a suspeitos?
    Que tipo de informações poderao ser veiculadas?
    Ou grupos minoritários nao poderao ser abordados sob o pretexto de que se trata de racismo?
    Muita cautela nessa hora.
    Paulo Rubens PMRJ

    ResponderExcluir
  10. UMA ORDEM DE SERVIÇO MAIS DO QUE NORMAL: SÓ NÃO ENTENDE QUEM NÃO QUER. NÃO HOUVE NENHUM RACISMO OU COISA DO TIPO. ELE TÃO SOMENTE ESCLARECEU OS TIPOS DE ELEMENTOS A SEREM ABORDADOS, NADA MAIS!ALIÁS, OS NEGROS JÁ ESTÃO COM TUDO NESTE PAÍS, SÓ FALTAVA AGORA O CAPITÃO SOFRER ALGUM TIPO DE PUNIÇÃO POR TER ASSINADO ESTA O.S. AH..ENQUANTO ME LEMBRO, OS QUE ESTÃO POR CIMA TAMBÉM, SÃO OS GAYS, LÉSBICAS, AFINS E OUTROS... QUE TRISTEZA MORAR NO BRASIL E CONVIVER COM TAMANHA HIPOCRIZIA!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…