Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

SP: "Bico legalizado" - Assis é a terceira cidade do interior a assinar convênio da Atividade Delegada.

A Atividade Delegada é um convênio entre o Estado e o município. Para a população, o benefício está na redução da criminalidade.
O prefeito de Assis, Ricardo Pinheiro Santana e o deputado Mauro Bragato assinaram, nesta quarta-feira, 13/03, convênio com a Secretaria Estadual da Segurança Pública para o início da Atividade Delegada no município. O objetivo é permitir a utilização de policiais militares, em dias de folga, no policiamento ostensivo e no apoio às prefeituras nas atividades de fiscalização que são responsabilidades municipais. Até hoje, apenas São Paulo e Mogi das Cruzes, na Região Metropolitana, e Andradina e São José do Rio Preto, no interior, haviam firmado parcerias.
Ricardo Pinheiro diz que a medida é extremamente positiva e Assis sai na frente no combate à criminalidade. “Com certeza, dará mais segurança para a nossa população”, afirmou. O deputado Bragato concorda e acrescenta que “em algumas regiões da capital o nível de ocorrências foi bastante reduzido, após a implantação da atividade”.
A Atividade Delegada é um convênio entre o Estado e o município. Policiais Militares em folga trabalham no policiamento ostensivo e preventivo em áreas pré-determinadas pelo poder municipal. A participação dos PMs é voluntária e eles só podem trabalhar até 96 horas por mês nessa função. Para os policiais, a atividade é uma oportunidade para complementar a renda, tendo em vista que são remunerados pelas prefeituras pelo serviço.
Para a população, o benefício está na redução da criminalidade. A presença ostensiva de policiais militares nos locais da Atividade Delegada, além de inibir o comércio clandestino, também evita a prática de crimes como roubos e furtos.
Também estiveram presentes na assinatura o tenente-coronel Milton Roberto Dudas, comandante do 32º Batalhão da Polícia Militar do Interior, o major Franco Nassaro, subcomandante do 32º Batalhão, e o assessor parlamentar, representando a Secretaria da Segurança, Carlos Alberto Estracine. (AssisNews).

Comentários

  1. Quem deveria pagar salários dignos para os policiais e bombeiros era o estado e não ficar se aproveitando dos baixos salários fazendo o policial e bombeiros ir para o bico, mesmo que legalizado. O salário deveria ser um salário justo e nas horas de folga era para ter lazer com sua família e familiares, é só ficar 30 anos na policia e no bico "operação delegada" e depois aposentar e morrer, isto se não ficar louco antes ou até mesmo se matar. VERGONHA NACIONAL...!

    ResponderExcluir
  2. ESTA E UMA MANEIRA DE SOBRE CARREGAR O PM, PORQUE NA SUA FOLGA TRABALHA MAIS UM PERIODO, AGORA PARA O MUNICIPIO.
    MAS O DEPUTADO MAURO BRAGATO ESQUECE QUE NOS POLICIAIS ESTAMOS FADADOS A NOS DESGASTAR SEM TERMOS VIDA SOCIAL E FAMILIAR.
    E ASSIM O GOVERNO USA DE ARTIFICIOS PARA NÃO VALORIZAR O PM E NÃO MELHORANDO SEU SALARIO.
    TAMBEM USANDO DE ARTIFICIOS PARA NÃO CONTRATAR MAIS EFETIVO PARA ATENDER A POPULAÇÃO DIGNAMENTE.
    E ISTO E BRASIL E PSDB DANDO UMA BANANA PARA A SEGURANÇA PUBLICA.

    ResponderExcluir
  3. QUE VERGONHA GOV. ALCKMIN. disse:
    20/03/2013 ÀS 11:10
    Home » PA » Polícia Civil do Pará tem a quarta melhor remuneração do país
    Polícia Civil do Pará tem a quarta melhor remuneração do país

    A titular da Secretaria de Estado de Administração (Sead), Alice Viana, reforçou na manhã desta terça-feira, 19, que o Governo do Estado receberá todas as categorias sindicais para discutir reajuste salarial e melhorias de trabalho, como já havia sido informado aos sindicatos das diversas categorias do funcionalismo público estadual. A reunião foi marcada para as 9h30 da próxima quinta-feira, 21, na sede da própria Sead, onde um grupo do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil (Sindpol) iniciou uma manifestação na manhã de hoje. Alice Viana ressaltou ainda que, de acordo com o levantamento das secretarias de administração e planejamento de todo o país e dados obtidos junto ao Portal da Transparência dos estados, a remuneração atual de escrivão e investigador da Policia Civil do Pará, equivalente a R$ 3.983,84, é a quarta melhor do país.
    “O Estado não está desonrando, descumprindo ou desrespeitando qualquer compromisso com os servidores. Nossa missão é de receber as categorias de forma democrática, demonstrar a situação financeira do Estado e estabelecer a política de reajuste para a data-base, que é o mês de abril”, frisou. Alice Viana detalhou que o reajuste a ser acordado com os servidores só incidirá na folha ao final de abril, de acordo com a revisão que for estabelecida, e que ainda faltam mais de 20 dias para que o pagamento daquele oês seja processada. “Nenhuma categoria de servidor público acumulou perda salarial nos últimos anos”.
    O diretor jurídico do Sindpol, Pablo Farah, afirmou que entre as reivindicação da categoria está o aumento do ticket alimentação de R$ 320 para R$ 750, aumento salarial de 25% a 30%, gratificação de escolaridade para nível superior e o aumento da remuneração do plantão de R$ 180 para R$ 400. “Nossa bandeira principal é a incorporação do abono ao vencimento base do policial civil”, afirmou. Durante a manifestação, o grupo chegou a anunciar a suspensão por dois meses das atividades em plantões remunerados.
    De acordo com a secretaria Alice Viana, em decorrência da inflação, os ganhos obtidos pelos servidores ao longo desses dois anos variaram de 20% a 42%. Nesse período, os policiais civis tiveram, além da recomposição da inflação, aumento salarial que variou entre 22% e 31%. Os reajustes fizeram com que a remuneração atual (R$ 3.983,84) de um policial civil no Pará – escrivão ou investigador – ficasse abaixo apenas da que é paga no Distrito Federal (R$ 7.514,33), Paraná (R$ 4.502,45) e Sergipe (4.359,01). “Uma categoria que tem a quarta melhor remuneração do país não pode querer convencer a sociedade que de que ganha apenas R$ 500,00 de vencimento base para prestar serviços à população”, argumentou Alice Viana.
    Também participarão da reunião de quinta-feira, além da secretaria Alice Viana, os titulares das pastas de Planejamento, Orçamento e Finanças (Sepof), Maria do Céu Guimarães, e de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), Luiz Fernandes Rocha, além de outros dirigentes da área de Segurança Pública do Pará.
    Leia a nota da Sead na íntegra e consulte as tabelas de reajustes dos servidores aqui.
    Nota SEAD reajuste dos servidores.

    ResponderExcluir
  4. prefiro trabalhar pra o manoel da padaria do que fazer essa operação delegada, o pm tem que ter vergonha na cara, e pensar que nunca vai ter um salario digno por parte do governo, e quando se aposentar não vai mais ter o bico legalizado, vai ganhar uma porcaria de salario, e não vai ter mais saude pra trabalhar no bico proibido pelo estado, acorda policial militar, 2014 neles

    ResponderExcluir
  5. sou policial militar, aposentei e o desgoverno de sp, me tirou o auxilio localidade, não tem operação bico legal pra aposentado, e não vou fazer bico de segurança pra morrer na porta de supermercado, então pra não passar necessidade fui fazer um biquinho como mecanico, 2014 tá chegando

    ResponderExcluir
  6. essas cidades onde tem prefeitos do partido do governador ou onde tem prefeitos descompromissados com a dignidade dos seus cidadãos, se apressam em ser coniventes com essa patifaria, colocando pms pra fazer o serviço dos guardas municipais e de fiscais da prefeitura, tomem vergonha na cara, já que pm é proibido pelo regulamento de fazer bico, isso deveria ser proibido, infelizmente faltam autoridades compromissadas neste país.

    ResponderExcluir
  7. seria bom demais se o governo não ter que fazer isso ai com nós policiais militares, é só pagar um sálario digno, o governo de São Paulo a locomotiva do Brasil não tem condições.

    ResponderExcluir
  8. SÓ UMA PERGUNTA? ESTA TAL DELEGADA;É OBRIGATÓRIO FAZER? OU O PM SE AUTO ESCALA ?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…