Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Protógenes: “Segurança Pública é tema central para 2014”

O deputado federal Protógenes Queiroz participou nesta segunda-feira, 25, no Comitê Estadual do PCdoB de São Paulo, de uma reunião com o secretariado do partido no Estado. Entre os assuntos, o projeto político para 2014. Após o encontro, o deputado conversou com o Vermelho São Paulo sobre Segurança Pública e a atuação dele na Câmara Federal.
Há uma total omissão do governo do Estado de São Paulo no que se refere à política de Segurança Pública”, afirmou o deputado. Na opinião dele, que é integrante de Comissões que tratam de Segurança Pública na Câmara, o governo do estado de São Paulo perdeu o tempo da ação política.
“”O governo do PSDB subestimou os índices de criminalidade e ignorou a oferta do governo federal como desconsiderou a experiência do Rio de Janeiro”, declarou o deputado ao comentar a violência na grande São Paulo nos meses de setembro e outubro do ano passado.
Segundo Protógenes, os confrontos diminuíram mas recrudesceram outras formas de crime em todo o Estado. “São arrastões em prédios e restaurantes de classe média, explosões de caixas eletrônicos, novas cracolândias, tomada de cidades do interior pelo crime organizado”, enumerou.
Privataria Tucana e CPI do Cachoeira
O combate à corrupção é considerado por Protógenes uma das marcas do mandato que vai para o terceiro ano. O deputado busca apoio para que seja instalada a Comissão parlamentar de Inquérito (CPI) da Privataria Tucana, que é baseada no livro “A Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Jr. 
O pedido de criação da CPI foi apresentado pelo deputado do PCdoB para investigar denúncias feitas pelo jornalista Amaury, que aponta indícios de irregularidades nas privatizações que ocorreram durante a administração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e que teriam beneficiado políticos e pessoas ligadas ao PSDB.
“É preciso reafirmar dentro da mesa diretora da Casa a necessidade de instalação dessa CPI. A sociedade precisa ter uma resposta em relação a esse assunto como teve no caso da CPI do Cachoeira”, completou Protógenes. 
Assim como o pedido de criação de CPI da Privataria Tucana, também é de autoria de Protógenes a criação da CPI do Cachoeira, criada para investigar a relação entre o bicheiro e parlamentares e que resultou na cassação do mandato do senador do DEM, Demóstenes Torres.
Protógenes acredita que as mesmas forças que atuam para impedir a instalação da CPI da privataria tucana tem se movimentado para atacá-lo através da grande imprensa. “A imprensa dá o tom da liberdade que temos hoje no Brasil. Felizmente, o debate é qualificado nas mídias alternativas que fazem o contraponto com precisão”, comparou.
Portal Vermelho

Comentários

  1. Protógenes Queiroz como Delegado de Polícia Federal merecia minha consideração, mas como Deputado Federal ele é uma nota de três reais.

    ResponderExcluir
  2. esse tá querendo se eleger novamente e as custas da policia,,,,nota zeroooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo pra esse cara

    ResponderExcluir
  3. 2014 é ano de eleição majoritária, é por isso que todo mundo agora quer discutir sobre melhoria na segurança pública. Políticos nós já os conhecemos o bastante, vão pro inferno, que lá é o lugar de todos vocês!...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …