Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Processos somem e colocam detentos sob risco de "prisão perpétua" no Piauí


O sumiço de processos das varas criminais no Piauí cria o risco de "prisão perpétua" de detentos no Estado, segundo o corregedor-geral de Justiça do Piauí, desembargador Francisco Antonio Paes Landim Filho. No país, um sentenciado pode ficar no máximo 30 anos encarcerado. “Quem é preso [no Piauí] está sujeito a viver numa prisão perpétua, sem sequer ser sentenciado”, afirmou. 
De acordo com o corregedor-geral, a consequência é a superlotação das penitenciárias piauienses. Landim Filho afirmu que existem presos que sequer possuem ficha criminal. “Existem problemas estruturais para que esses processos caminhem. Um deles é a desorganização que fez perder vários documentos e existem presos que já deveriam ter saído da prisão e sequer foi sentenciado. É um absurdo ver que a culpa também vem dos juízes e defensores públicos, que demoram a executar o trabalho, e os presídios inflando de internos”, disse. 
O corregedor citou exemplo de um preso que “roubou” cinco quilos de sal e está junto de homicidas e ladrões de banco na penitenciária de Parnaíba. 
“Estamos tendo muito trabalho para que a Justiça não caia no esquecimento e julgue o mais rápido possível os presos provisórios”, disse Landim Filho, que em dezembro do ano passado, ao tomar posse na CGJ (Corregedoria Geral de Justiça), deu o prazo de 100 dias para que os juízes acelerem nos processos.
Superlotação 
Na Casa de Custódia em Teresina, segundo o corregedor, o maior problema é a superlotação. O local está com quase três vezes a mais de presos que deveria. Lá estão detidos 767 presos. Landim Filho afirmou que até o final deste semestre todos os presos estarão cadastrados em um sistema de informatizado para organizar os julgamentos dos que ainda não foram sentenciados. O cadastramento já começa na Central de Flagrantes de Teresina
“Não justifica ter pessoas nas penitenciárias sem serem julgadas. Não deixaremos mais presos provisórios ficarem no esquecimento”, disse.
O desembargador afirmou que durante visitas realizadas em fevereiro observou que muitos presos são transferidos para penitenciárias sem vias de execução da pena.
“A partir de agora será ilegal e mandamos a determinação para a [Sejus] Secretaria [do Estado] de Justiça que as unidades prisionais não podem receber internos sem a guia de execução. Só a guia normal não basta. Tem de estar com todos os documentos para que a Justiça possa ser feita corretamente.”
A CGJ informou que após o cadastramento dos presos vai investigar caso a caso para saber se existe excesso de pena aplicada em algum preso que já deveria estar em liberdade.
“Se o juiz não justificar a demora em executar os julgamentos dos processos a corregedoria vai propor a instauração de processo disciplinar contra o magistrado”, disse o desembargador.
No próximo dia 26, chega ao Piauí uma comissão do Ministério da Justiça para verificar a situação de cada presídio e também dos internos. As inspeções serão acompanhadas pela Corregedoria Geral de Justiça do Piauí.
Sindicato
O presidente do Sinpoljuspi (Sindicato dos Sindicato dos Agentes Penitenciários e Servidores Administrativos das Secretarias da Justiça e de Segurança Pública do Estado do Piauí), Vilobaldo Carvalho, afirmou que após pressão do sindicato e denúncias na imprensa “a Sejus está fazendo alguma coisa para melhorar a situação”.

“[Mas] Tudo não passa de uma maquiagem para quando membros do Ministério da Justiça chegarem para inspecionar os presídios as unidades estejam sem problemas aparentes", afirmou. 
“Para se ter ideia [dos problemas], completou um ano que a penitenciária Irmão Guido vem sendo abastecida por carro-pipa. Agora quem passou a ter problemas também com a falta de água foi a penitenciária de São Raimundo Nonato”, afirmou Carvalho. 
Barril de pólvora
O promotor da Vara de Execuções Penais de Teresina, Elói Sousa Júnior, criticou o governo do Estado por não realizar ações de melhorias nas penitenciárias e afirmou que “o sistema prisional é um barril de pólvora prestes a explodir”.
Estou há poucos meses em Teresina, mas pelo que observei existe um revezamento de poderes na Sejus há oito anos. Quem ocupa a cadeira da Sejus é por questão política. Quando não é o [Henrique] Rebello que assume a pasta é alguém ligado a ele, que é o mesmo que ser ele. Então, o que falta na secretaria é organização e vontade de trabalhar para melhorar as condições dos internos do sistema prisional do Piauí”, disse. 
O promotor questionou ainda uma série de obras inacabadas que iriam aumentar o número de vagas no sistema prisional significativamente. 
“Em todo Estado tem presídio com obra de ampliação que não terminou. À medida que aumenta a população aumenta também a carcerária. Como é que o sistema pode dar conta de abrigar todos os presos de maneira adequada se não amplia as vagas?”, questionou. 
Respostas 
A Sejus informou que tem como modelo a Penitenciária Mista de Parnaíba, com 130 vagas, sem superlotação.
 Sobre questionamentos de ampliação do número de vagas no sistema prisional do Piauí a Sejus informou que várias obras estão em processo de licitação. 
A Sejus informou ainda que convocou 78 agentes penitenciários que passaram no último concurso reforçar o quadro funcional.  (Do UOL,em Teresina)

Comentários

  1. PRISÃO PERPÉTUA DEVERIA EXISTIR EM DETERMINADOS CRIMES E PARA OS POLÍTICOS CORRUPTOS UM PAREDÃO DE FUZILAMENTO; QUE LIMPESA O BRASIL IRIA TER.

    ResponderExcluir
  2. Preocupa nao...Podem usar o principio do " in dubio pro reu..." ou seja, se nao ha processo nao podem ficar presos
    entao basta soltar todos eles
    E nao se assustem se houver um parecer favoravel a liberdade deles.
    Afinal, coitados,,,
    Imagina se a moda pega...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …