Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

PM leva música a jovens na escola

Na busca pela aproximação com os jovens e adolescentes e distanciá-los do mundo das drogas, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), através da Polícia Militar, lançou mais um projeto em Fortaleza. Trata-se de uma iniciativa batizada de "Presença Policial Comunitária" lançado oficialmente, na última sexta-feira, na Escola Estadual Jesus Maria e José, localizada no Conjunto São Francisco, no bairro Quintino Cunha, na Zona Oeste da Capital cearense.
O comandante geral da Polícia Militar, (PM), coronel Werisleik Pontes Matias, destacou que o projeto tem como objetivo oferecer alternativas culturais aos jovens, incluindo-os no mundo da música.
Através da Banda de Música da PM, os alunos da escola e moradores do Conjunto São Francisco podem ingressar na fanfarra do estabelecimento de ensino. "Por ter sido implantado nessa escola, os primeiros interessados foram os próprios alunos, mas todos os jovens da comunidade podem nos procurar", salientou a professora Rosa Matos, diretora.
Prevenir
Werisleik Matias ressalta que, oferecer aos jovens a chance de se interessar por música, de aprender a tocar um instrumento é uma forma de a Polícia Militar agir preventivamente.
"Esse projeto é o início de um importante trabalho para tirar da população a imagem de que a Polícia Militar só age na repressão", disse o comandante da PM.
Ao falar aos alunos, professores e pais, o coronel Werisleik Matias lembrou que, no ano passado mais de três toneladas de maconha, crack e cocaína foram apreendidas pela Polícia em todo o Estado do Ceará, através das ações planejadas pela equipe do secretário da Segurança Pública, coronel Francisco José Bezerra.
Foram ações na Capital e no Interior do Estado que levaram alívio a diversas comunidades e resultaram na prisão de vários traficantes e de seus comparsas, responsáveis também por delitos como homicídio e roubo.
Mas, segundo o comandante, muita droga ainda é consumida e torna-se necessário um trabalho de cunho social para afastar a juventude das garras do tráfico. Werisleik Acrescentou que milhares de armas foram apreendidas, mas o número de homicídios aumentou.
Lembrança
"Tudo isso faz com que a comunidade só se lembre da Polícia quando está em perigo, mas esse projeto vai fazer com que vocês tenham outra visão da gente", declarou o oficial na presença de dezenas de jovens.
A abertura do projeto na escola do Quintino Cunha teve a participação de vários policiais militares do programa Ronda do Quarteirão.
Vários policiais tocaram instrumentos musicais, cantaram e participaram da apresentação de teatro de marionetes. "Através da educação e da arte, a parceria polícia-escola mostra de maneira clara que as drogas não levam a nada", ressaltou o comandante-geral da PM. .
Além da Banda de Música da PM e do o Ronda do Quarteirão, integrantes do Programa Estadual de Resistência às drogas (Proerd) participam do projeto "Presença Policial Comunitária", dando suporte através de palestras e oficinas. Até o fim deste ano, o Comando Geral da PM pretende ter mais escolas parceiras levando música aos jovens de várias comunidades da Capital e Interior do Ceará.
Em outras comunidades atingidas pelo tráfico, como o Bom Jardim e a Barra do Ceará, a SSPDS tem realizado atividades culturais com o Ronda do Quarteirão e unidades específicas da PM, como a Banda de Música, Canil e a Cavalaria, em benefício da juventude.
NÚMERO
3 toneladas de drogas foram apreendidas pela Polícia em todo o Estado do Ceará, no ano passado. Dezenas de traficantes acabaram sendo capturados. (FERNANDO BARBOSA - REPÓRTER - DIÁRIO DO NORDESTE).

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …