Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

PM acusa 10, mas Polícia Civil só indicia três do Caju

Investigação da 17ª DP sobre o tráfico em favelas da Zona Portuária põe por terra boa parte do relatório feito por militares e entregue ao MP antes da ocupação
Rio -  Com num jogo dos sete erros, a Polícia Civil encontrou, até agora, evidências para indiciar apenas três dos 10 acusados que constavam no relatório da Polícia Militar como traficantes do Caju antes da ocupação do conjunto de favelas. O documento, utilizado no início do mês pelo Ministério Público para denunciar bandidos, incluía vários inocentes.
Na nova investigação, policiais da 17ª DP (São Cristóvão) reuniram provas somente contra Luis Henrique Ferreira de Melo, o Angolano, Paulo Castilho Correia Filho, o Playboy, e Renan Magalhães de Lima, o Tropeço.
Investigadores também conseguiram, através das fotos anexadas ao relatório, identificar mais um criminoso, conhecido como Valtinho, que não estava na lista inicial.
“Isso não quer dizer que contra os outros citados no inquérito não possa haver nada, mas, até agora, também não encontramos nada que os incriminem”, revelou o delegado Maurício Luciano de Almeida.
Entre os casos evidenciados com erros estavam o de um adolescente e os de Rodrigo Marcelino da Silva, Fabio Araujo Dutra e Jonathan Jaílton Vilela. Nesta nova investigação, a 17ª DP buscou provas em antigos inquéritos. De acordo com o delegado, as evidências foram anexadas aos indiciamentos para consolidar as denúncias contra os suspeitos.
“O que fizemos foi acrescentar acusações de outras investigações da própria delegacia aos suspeitos, que realmente estão identificados corretamente. Além disso, através das imagens e outros procedimentos, conseguimos identificar outro acusado de tráfico da região”.
No início desta semana, o comandante do 1º CPA, coronel José Luis Castro Menezes, prestou depoimento na 17ª DP e, segundo o delegado, confirmou que tinha conhecimento do relatório e autorizou o encaminhamento do mesmo ao MP.
Oficial prestou serviço para a Liesa em 2009
O relatório da PM foi elaborado pelo tenente Carlos Augusto Goulart do Amaral e assinado pelo tenente-coronel Antônio Jorge Goulart de Mattos, coordenador de Inteligência da PM. Em 2011, o tenente- coronel, então major, foi punido, junto com outros 10 oficiais, por prestar serviço no Carnaval de 2009 à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa). Na época, a investigação da PM concluiu que o pagamento do ‘bico’ chegaria a, no máximo, R$ 800 pelo dia de serviço.
No caso do Caju, os dois depuseram na 17ª DP e afirmaram que alguns oficiais, entre eles o chefe do Estado-Maior Operacional da PM, coronel Alberto Pinheiro Neto, estavam presentes na reunião que definiu a entrega do documento ao MP. A Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima apura os crimes de falsidade ideológica e calúnia, entre outros, já que a foto de um menor, que seria inocente, foi incluída no processo.(O Dia)

Comentários

  1. PM investigando? Só podia dar nisso. Como tudo mais, estão querendo virar a legislação brasileira de cabeça para baixo. Os bandidos agradecem por serem afugentados sem investigação coerente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…