Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Ministro lista prioridades e projetos sobre segurança podem ser votados nesta semana


Propostas sobre segurança pública e trânsito vão ganhar prioridade na pauta de votações do Plenário. A partir de uma comissão geral, que discutiu o tema nesta terça-feira, matérias como a lei geral das polícias civis, a regulamentação do uso de explosivos e o aumento das penas para quem participar dos chamados "rachas" podem ser apreciadas já nas próximas sessões.
Segundo destacou o presidente da Comissão de Legislação Participativa, deputado Lincoln Portela (PR/MG), o esforço conta com o apoio da Comissão de Segurança Pública, da Frente Parlamentar do Trânsito Seguro, das lideranças partidárias e do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves.
"Até o fim do ano terminaremos com as votações que são prioritárias e fundamentais para que a segurança pública no Brasil possa arrumar a casa e controlar essa epidemia de violência que nós temos no Brasil."
Além das prioridades listadas pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e das reivindicações das diversas categorias profissionais que atuam em segurança pública, algumas propostas mereceram destaque.
Uma delas é a campanha promovida pela Comissão do Sistema Viário e Trânsito da OAB de São Paulo e pelas ONGs Viva Vitão e Não Foi Acidente. As entidades já recolheram cerca de 900 mil das 1,3 milhão de assinaturas necessárias para a apresentação de um projeto de lei de inciativa popular. A ideia é comprovar a embriaguez do motorista por meio de exame clínico e transformar a Lei Seca em uma regra efetiva de tolerância zero, conforme explica o representante da OAB/SP, Maurício Santos.
"É uma lei que vai fazer com que não haja a necessidade de bafômetro ou exame de sangue, que hoje ninguém é obrigado a fazer. Porque o exame clínico é soberano, já que é tolerância zero. E mais, acaba com aquela discussão se aquele que mata no trânsito o faz por dolo ou culpa. Na realidade, nós entendemos que há uma culpa gravíssima cuja pena vai de 5 a 8 anos."
Os debates contaram ainda com uma sugestão polêmica do deputado Marçal Filho (PMDB/MS). Ele defende a revisão da maioridade penal, que hoje é de 18 anos. Segundo o parlamentar, atos de violência cometidos por menores de idade deveriam ser analisados caso a caso.
"O problema é que hoje na Câmara não se discute. De todas as propostas que existem, creio que existem propostas aí de 16, 15, 14 anos ou de nenhuma idade fixada, mas não é discutido isso. É um grande tabu. A todo momento que chega essa proposta na CCJ, vai para um tal de buraco negro que a gente chama aqui, onde os projetos são todos apensados e param por ali. São engavetados, arquivados e não se discute isso, como se fosse algo proibitivo."
A comissão geral sobre segurança pública e violência no trânsito reuniu mais de 40 deputados, autoridades de todos os níveis de governo e representantes de movimentos sociais. Esta foi a primeira vez que o público pôde participar das discussões durante uma comissão geral da Câmara dos Deputados, por meio do portal e-Democracia -- a ferramenta de interatividade disponível na página da internet da Casa. (Rádio Câmara)

Comentários

  1. ANÔNIMO, SOBRENOME : REPRESÁLIA20 de março de 2013 12:05

    REALMENTE PERCEBE-SE A VONTADE EM GARANTIR UMA SEGURANÇA PÚBLICA MAIS ADEQUADA E LITERALMENTE SEGURA SÓ, QUE OLHAR PARA TRAZ E VER A SITUAÇÃO DOS POLICIAIS CIVIS E MILITARES ASSIM COMO O BOMBEIROS MILITARES, NEM SE COGITA. BALELA PURA DE NADA ADIANTE TODAS ESTAS CONJECTURAS SE O POLICIAL NÃO ESTÁ SATISFEITO COM AS POLÍTICAS SALARIAIS, . CADÊ A PEC 300 SUMIU, ESCAFEDEU-SE?
    SE CUBRA SR MINISTRO, QUANTO PIOR MELHOR NÃO É MESMO?

    ResponderExcluir
  2. A PEC 300 ainda é a mais consultada no site da camara, quase todos os dias tem um deputado pedindo a inclusão na ordem do dia, mas parece que nesse pais os politicos só verificam aquilo que é de interesse deles e não do povo, se a internet é um meio de se verificar os assuntos que são de clamor público porque então nem se comenta sobre a PEC300, é mais facil fingir que não vê.

    ResponderExcluir
  3. Só se esqueceram que para ter segurança tem que alguem fazê-la, agora pergunto quem em sã consciencia vai arriscar sua vida para ganhar pouco, só compensa para quem diz ser policia e foge do policiamento. Quem quer ser enganado vai ser o novo programa do canal 4, convidaram o Alckimim e a Dilma para estreá-o. A plateia o povo brasileiro.

    ResponderExcluir
  4. Bonito... e a PEC 300?

    ResponderExcluir
  5. A Pec 300, se aprovada, vem suprir as necessidades da classe mais sofrida do país, principalmente, os Praças, isto é, Soldados, Cabos e Sargentos, os quais morrem diariamente em serviço, pois, são eles (Praças) que atuam na Linha de frente, Ariscando a todo o momento, o que temos de mais precioso que á VIDA, com o único objetivo de proporcionar segurança a sociedade que tanto necessita... Não podemos esquecer que somos parte dessa sociedade e, conseqüentemente queremos ser tratada com igualdade e respeito e, a cima de tudo proporcionar uma Remuneração compatível com a função que exerce, dessa maneira, DIMINUINDO, a DISCREPANCIA Salarial existente, entre Oficiais e Praças... Inclusive tem Coronéis ganhando mais que General, que Juiz etc... isso é uma Vergonha!!! Portanto, a Pec 300 é uma questão de JUSTIÇA vai acabar com a DISCREPANCIA SALARIAL existente entre Oficiais Superior e Praças...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …