Pular para o conteúdo principal

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Autoridades pedem investigação sobre ação da PM na Aldeia Maracanã

MPF e Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio querem apurar as responsabilidades sobre a desocupação truculenta do terreno pelo Batalhão de Choque.
Rio de Janeiro – O acordo que determinou a saída hoje (22) dos indígenas que ocupavam o terreno do antigo Museu do Índio, no Rio de Janeiro, não colocou um ponto final na novela da Aldeia Maracanã. A truculenta invasão pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar para retirar as pessoas que ainda estavam no terreno, realizada mesmo após os índios já terem aceitado o acordo e em um momento no qual a maioria já se encontrava do lado de fora, mereceu críticas dos mais variados setores e poderá ter desdobramentos em nível federal.
“Na negociação entabulada pela Defensora Pública da União, já havíamos conseguido a retirada de mulheres, crianças e idosos, além de boa parcela dos adultos. Eles só pediram mais dez minutos. As pessoas já estavam decididas a sair, não havia necessidade da invasão, foi uma precipitação da polícia. Boa parcela já havia saído, não havia necessidade dessa truculência”, diz Daniel Macedo, defensor público que acompanha há meses as negociações entre o governo e os moradores da Aldeia Maracanã.
Outro que esteve no terreno do antigo museu durante as últimas horas de tensão, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Marcelo Freixo (PSOL), também condena a ação policial e promete “tomar providências” para apurar as responsabilidades pela invasão. “Nós vamos representar contra a Polícia Militar, que agiu com enorme truculência e desrespeito para com quem está aqui trabalhando. Nós estamos aqui ajudando na negociação, o que eles fizeram foi inaceitável. Não estou aqui para tomar spray de pimenta na cara nem ser insultado. A negociação estava muito bem encaminhada e a medida judicial era muito categórica ao exigir que não houvesse violência”, diz o parlamentar, que foi candidato a prefeito do Rio nas últimas eleições.
Quem também promete exigir investigações para apurar responsabilidades pela invasão é o Ministério Público Federal (MPF). “Vamos ver isso tudo e apurar o responsável. O calor do confronto não é o momento mais adequado para tratar disso, mas é necessário apurar sim, com certeza”, disse o procurador regional dos direitos do cidadão, Jaime Mitropoulos, momentos após a invasão do terreno.
Em nota divulgada horas depois, Mitropoulos afirma que “a Polícia Militar agiu com evidente força desproporcional” durante a desocupação e que “os índios se retiraram de forma ordeira, até a entrada da PM”. O MPF avisa que também irá acompanhar o cumprimento pelo governo estadual do acordo firmado com os indígenas, “inclusive o compromisso extrajudicial de preservar o prédio e o deslocamento das famílias para um Centro de Referência Indígena, previsto para ser instalado em Jacarepaguá, zona oeste do Rio”.
Daniel Macedo também defende a apuração de responsabilidades e ressalta que a decisão judicial da 8ª Vara Federal para retirada dos índios da Aldeia Maracanã determinava que ela somente poderia ser feita sem o recurso à força. “A ordem judicial tinha de ser cumprida sem qualquer violência. Houve violência, portanto houve descumprimento da ordem judicial. Era uma ordem judicial que tinha de ser cumprida, mas deveria ter sido cumprida com retidão, e não foi isso o que aconteceu”, diz.
'Força necessária'
Porta-voz da Polícia Militar do Rio, o coronel Frederico Caldas defendeu a corporação das críticas e disse que o objetivo foi evitar que alguns manifestantes ateassem fogo ao prédio do antigo museu: “Os índios realmente já tinham saído. Permaneceram no interior algumas pessoas que não eram da tribo de índios. Todas as tentativas de negociação foram feitas dentro de um clima de diálogo e tranquilidade. Foi estabelecido um horário a partir do qual eles começaram a tacar fogo e, se nós não interviéssemos, eles com certeza iriam colocar fogo em tudo. A decisão pela entrada foi em função de termos que, inclusive, chamar os bombeiros. Ficou evidente que o objetivo deles era colocar fogo no prédio. A PM interveio exatamente para evitar isso”, disse.
Marcelo Freixo contesta a versão dada pelo coronel. “Ele está mentindo. Os bombeiros já estavam lá dentro, acionados por nós. O que aconteceu foi que havia uma fogueira na porta e pegou fogo em uma placa do lado de fora do prédio. Foi coisa simples e o fogo já estava dominado pelos bombeiros. Quando a polícia entrou, já não havia mais fogo”, afirma o deputado.
Segundo o coronel Caldas, “não houve excesso de força, houve a força necessária” na ação da polícia. “Quando o Choque entrou, de forma pacífica e com formação em linha para que todos pudessem sair do terreno, começaram a tacar pedras e dejetos nos policiais. Aí, naturalmente, eles tiveram que usar os meios necessários”, disse. A reação da polícia foi considerada normal: “Os manifestantes chegaram ao nível máximo da intolerância. A partir do momento que eles adotaram esse tipo de comportamento, que é inaceitável sob o ponto de vista da legalidade, aí a Polícia Militar teve que intervir”, disse o porta-voz.
Novo terreno
O cacique Carlos Tukano, índio mais velho e principal liderança da Aldeia Maracanã, explica como foi tomada a decisão de deixar o local: “A negociação com o governo vem caminhado desde 15 de janeiro. Ontem, o secretário de Assistência Social, Zaqueu Teixeira, nos disse que não teria mais como retardar ou impedir a execução da reintegração de posse para retirar os indígenas que estavam dentro do museu. Disse que não nos daria falsas esperanças nem nenhum tipo de garantia de que não houvesse violência. Ele cumpriu o que disse. Para nós é uma coisa muito decepcionante e muito triste o que está acontecendo”, diz.
Tukano diz esperar que, agora, o governo cumpra o acordo firmado. “Agora eles vão nos mostrar algumas áreas aqui dentro da cidade do Rio de Janeiro onde o governo prometeu construir o Centro de Referência dos Povos Indígenas e a Secretaria de Assuntos Indígenas. Nos disseram que essa proposta vai demorar mais de um ano e meio. Enquanto isso, nós vamos ficar no terreno que a gente escolher agora como melhor área para viver e continuar o nosso trabalho. O secretário ficou de criar alojamentos em 72 horas no local que escolhermos”, disse o cacique, estimando que cerca de 40 índios devam ocupar o novo terreno. (Brasil Atual).

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Para "comemorar aniversário", PCC planeja matar juiz, procurador, delegado e agentes

dia 31 de agosto, data em que a facção criminosa faz aniversário de 24 anos. O PCC (Primeiro Comando da Capital) planeja matar um juiz federal, um procurador da República, um delegado federal e pelo menos quatro agentes penitenciários de Porto Velho (RO) até o
A maior facção criminosa do país já matou três agentes penitenciários federais, entre setembro de 2016 e maio deste ano, de acordo com investigações da PF (Polícia Federal). Para executar os atentados, o PCC criou células de inteligência que, entre outras ações, monitoram a rotina dos agentes públicos escolhidos como alvos.
A informação sobre a possibilidade de novos assassinatos consta em ofício assinado pelo diretor do presídio federal de Porto Velho, Cristiano Tavares Torquato, a cujo conteúdo o UOL teve acesso com exclusividade. O documento foi encaminhado no último dia 17 de agosto ao superintendente regional da Polícia Federal de Rondônia, Araquém Alencar Tavares de Lima. A reportagem confirmou a veracidad…

Polícia Civil decide hoje se cruza os braços a partir de amanhã

Executivo local reforça que, neste ano, não tem dinheiro para pagar o reajuste salarial pleiteado pelos agentes.Policiais civis podem entrar em greve ou interromper serviços essenciais para a população a partir de amanhã. Em uma assembleia com indicativo de greve, marcada para as 14h de hoje, a categoria deve decidir o que fazer para pressionar o governo a conceder o reajuste salarial pleiteado desde o ano passado. Eles reivindicam a manutenção da paridade salarial com a Polícia Federal, que conseguiu reajuste de 37% parcelado em três anos.

Na semana passada, policiais civis se reuniram com o chefe da Casa Civil, secretário Sérgio Sampaio; a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos; o secretário interino de Fazenda, Wilson de Paula, além dos deputados distritais e agentes da Polícia Civil Wellington Luiz (PMDB) e Claudio Abrantes (sem partido) e o deputado federal Roney Nemer (PP-DF). O deputado distrital Wasny de Roure mandou representante.
Durante o encontro, o Exec…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…