Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Após polêmica, 'caveira' é retirada da farda do Bope da PM da Paraíba


O uso da caveira como símbolo do Bope gerou protestos do Conselho Estadual de Direitos Humanos e um discurso àspero do deputado Luiz Coputo (PT), na tribuna da Câmara Federal
O Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar da Paraíba (Bope) está proibido de usar, em sua farda, o símbolo do punhal encravado numa caveira. A determinação deve ser publicada no boletim interno da PM que circulará nesta sexta-feira (22), mas os integrantes do Bope já retiraram o emblema de suas fardas nesta quinta.
O uso da caveira como símbolo do Bope gerou protestos do Conselho Estadual de Direitos Humanos e um discurso àspero do deputado Luiz Coputo (PT), na tribuna da Câmara Federal. A polêmica ficou ainda mais acirrada depois da quinta-feira passada (14), quando, durante a comemoração do primeiro ano de aniversario do Batalhão Especial da Polícia Militar da Paraíba, o comandante geral da PM, coronel Euller Chaves, vestiu o uniforme preto com o símbolo.
Durante a solenidade foi hasteada uma bandeira preta, ostentando o desenho do punhal cravado na caveira, juntamente com a bandeira nacional e a bandeira do Estado da Paraíba. A solenidade ocorreu em frente ao comando geral da PM, na praça Pedro Américo, centro de João Pessoa.
Em carta pública, o comandante do Bope, major Jerônimo Pereira da Silva Bisneto, defende o uso do símbolo. "O Estado Democrático de Direito deve ser preservado e aplicado a todos dentro do território nacional e, isso implica que também nós, policiais militares e policiais do BOPE, devamos ter nossos direitos preservados, direitos a pensar, a seguir convicções filosóficas e continuar acreditando que a 'faca na caveira' significa a vitória da vida sobre a morte, com sabedoria, poder, força e invencibilidade frente à criminalidade", argumenta.
O deputado Luiz Couto (PT) havia ocupado a tribuna da Câmara Federal, na segunda-feira (18), para denunciar que o comandante da Polícia Militar da Paraíba, coronel Euller Chaves, estaria desobedecendo determinação do governador Ricardo Coutinho.
Na opinião do deputado, o coronel queria implantar o símbolo da caveira na instituição.
Couto disse que apesar do governador já ter se pronunciado, por mais de uma vez, que não aceitaria o uso desse emblema na polícia, há, segundo ele, registros de que o coronel Euller utilizou o símbolo durante uma solenidade, em que estava vestido de preto, e ainda gritou o nome ‘caveira’ com o microfone na mão em plena praça diante do público. “Isso precisa ser analisado com mais profundidade”, defendeu o parlamentar.
Luiz Couto destacou que as entidades defensoras dos direitos humanos na Paraíba manifestaram, em
documentos entregues ao comandante geral e ao governador Ricardo Coutinho, o repudio aos crimes de apologia e defenderam o cumprimento da Resolução Ministerial nº 8, de 20 de dezembro de 2012, art. 2°, inciso XVII.
Couto pediu que as autoridades da Paraíba analizassem os documentos e que cumprissem "as determinações das resoluções ministeriais na forma de acolhimento ao clamor público”.
O deputado federal considerou que os policiais que "aderissem à essas atrocidades, que sejam punidos conforme a lei”., completou.
Para os integrantes do Conselho Estadual de Direitos Humanos, é motivo de preocupação não apenas o uso de caveira como símbolo, mas também de figuras "de animais raivosos, jargões em músicas ou jingles de treinamento que fazem apologia ao crime e à violência, com a escusa de que os policiais se sentem mais estimulados para o trabalho".
Eles protocolaram junto ao quartel do comando geral da PM da Paraíba a resolução ministerial nº 08, de 21 de dezembro de 2012, que orienta as Polícias a não utilizarem tais símbolos. "Entendemos que esta permissividade contraria princípios constitucionais, tratados de direitos humanos e a Resolução Ministerial acima mencionada, afrontando o Estado Democrático de Direito. É sabido que a violência impregnada nesses símbolos e práticas desumaniza os trabalhadores da Segurança Pública que acabam manifestando o ódio e a raiva apreendidos no tratamento dispensado à população jovem, negra e mais pobre do Estado, além de contrariar a política de segurança em voga pela Secretaria de Segurança Pública do Estado da Paraíba e do Governo do Estado da Paraíba", enfatizaram os integrantes dos Direitos Humanos.
O major Bisneto, comandante do Bope, rechaça a ideia de que a caveira e o punhal remetam à apologia ao crime. "Em nosso escudo nada há de apologia ao crime e a violência, pois esta última manifesta-se de várias maneiras: em guerras, conflitos religiosos, étnicos, preconceito, discriminação, fome, miséria, contra a mulher ou contra a criança", defende-se na carta.

 Eis a carta do comandante do Bope, na íntegra: 

“Caveira do BOPE: símbolo da sabedoria, do poder, da força e da invencibilidade da polícia militar frente à criminalidade e a violência no Estado”
Desde os primórdios da humanidade há diversos entendimentos quanto aos símbolos e seus significados. O termo “símbolo” tem origem no grego e sendo um signo é sempre algo que representa outra coisa ou alguma coisa para alguém. Os símbolos estão em diversas áreas da vida em sociedade, na  comunicação entre os indivíduos, povos e nações, além de abastecerem as práticas religiosas, espirituais, metafísicas, filosóficas e etc. Em se constituindo um elemento essencial no processo de comunicação encontra-se bastante difundido no quotidiano. Nesse argumento, alguns símbolos são reconhecidos internacionalmente, outros nacionalmente e por fim, alguns só são compreendidos dentro de um determinado grupo ou contexto (religioso, cultural, filosófico, etc).
A representação específica para cada símbolo será o resultado de um processo natural ou convencionada para que o receptor, uma pessoa ou grupo delas, consiga interpretar seu significado e sua conotação. A semiologia e semântica se encarregam desse papel.
Um dos símbolos mais mal interpretados em nossa sociedade é justamente o símbolo da “Caveira”, que decodificado, por alguns, estaria associado à morte, a letalidade ou perigo de vida. Para que possamos esclarecer essa decodificação e descortinar essa ignorância sobre a heráldica do BOPE, não só da nossa Briosa, mas de todas as coirmãs que ostentam a Caveira como broquéis em suas bandeiras ou flâmulas e em suas fardas, analisamos que o ser humano em morte, ao se decompor, apresentará apenas ossos e dentes, essa seria a morte física, carnal, que tanto entrelaça a figura da Caveira com a morte. Contudo, lembremos que em vida, ela, a caveira, nos oferece sustentação, dureza e proteção para o corpo físico. E precisamos muito dessa sustentação. A caveira, em sua observação metafísica, representa uma grande mudança na vida, onde talvez a morte fosse a maior delas. Um novo ciclo. É um símbolo que nos remete a pensar que estamos aqui de passagem, em caráter transitório, pela vida, nos mostrando que todos somos iguais por dentro, não temos sexo, cor, classe social, preferências sexuais, raça, idade, ou quaisquer outras formas discriminatórias, o que nos remete ao nosso Preâmbulo Constitucional e Princípios Fundamentais, em seus Artigos 1º e 3º , em nossa Lei Maior, estruturando e fundamentando o Estado Democrático de Direito.
O primeiro BOPE – Batalhão de Operações Especiais foi criado, no Brasil, em 1978, com o nome inicial de “Núcleo da Companhia de Operações Especiais”, pelo Tenente-coronel da PMRJ Paulo Amêndola, que explica que o símbolo representa “vitória sobre a morte”. Essa simbologia, a Caveira, é utilizada em praticamente, todos os Batalhões de Operações Especiais, com essa mesma representação e decodificação.
Em algumas culturas, a Caveira também significa poder, força e invencibilidade. Em nosso Estado, há um ano foi criado o Batalhão de Operações Especiais, através da LC nº 87, de 03 de dezembro de 2008, adotando em sua Heráldica o Escudo Português Clássico nas cores cinza e preto, representando o sigilo das operações especiais e a disposição de operar em atividades rotineiras ou em missões inóspitas e intempestivas, tendo ao centro a figura de uma Caveira (crânio) que simboliza a inteligência e a coragem de um guerreiro, bem como o desprendimento pessoal para cumprimento de suas atribuições. Essa Caveira está cravada com a espada da justiça de baixo para cima, simbolizando “a vitória da vida sobre a morte”, e ao fundo o mapa do nosso Estado que representa nossa área de atuação e com a Caveira a sua frente simbolizando que este Batalhão cuida, zela, vela e protege todo o Estado da Paraíba, não devendo, portanto, ter a simbologia de seu escudo associado a símbolos ou apologias ao crime e a violência, mas sim, a imagem de uma Unidade Militar pronta para servir e proteger a sociedade paraibana, posto que robustecendo esse escudo encontra-se o lema de “preservar vidas e aplicar a lei”.
A expressão “faca na caveira” remete ao fim da Segunda Guerra Mundial, onde após um combate, um Oficial inglês, ao ter conseguido invadir um Quartel de Comando Alemão Nazista e dominar suas tropas, encontrou sobre a mesa de um Oficial auxiliar do ditador Adolf Hitler, uma caveira e cravando o seu punhal sobre ela, ostentou o lema da “vitória da vida sobre a morte”, morte essa, que era disseminada nos campos de concentração atestando toda história que já nos é conhecida.
Nossa Briosa e nosso Batalhão tem conhecimento da Resolução 08-2012, do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, que após suas considerações RECOMENDA, dentre outros itens: “XVII - é vedado o uso, em fardamentos e veículos oficiais das polícias, de símbolos e expressões com conteúdo intimidatório ou ameaçador, assim como de frases e jargões em músicas ou jingles de treinamento que façam apologia ao crime e à violência”, ora... vimos no inicio desse documento que os símbolos são codificados por pessoas e decodificados também por estas, logo, sua interpretação será também influenciada por seus princípios, convicções sociais, políticas, filosóficas e etc.
Para nós, policiais militares, a Caveira simboliza poder, força e invencibilidade. Um poder que segundo a Sociologia é a habilidade de impor sua vontade sobre os outros, sendo essa vontade, não a nossa como pessoa física, mas sim a vontade da lei a que nos defende o Art. 144 da CF. A força que nos representa a superação do treinamento e do rigor da vida policial militar, além do Estado forte a que representamos, em seus diversos campos, a exemplo do político, com o próprio nome da capital, ao campo poético e literato como o destacado Augusto dos Anjos e outros nomes nacionalmente reconhecidos e, por fim a invencibilidade de nossa Caveira, simbolizando que a Polícia Militar deve ser invencível frente à criminalidade em nosso Estado.
Em nosso escudo nada há de apologia ao crime e a violência, pois esta última manifesta-se de várias maneiras: em guerras, conflitos religiosos, étnicos, preconceito, discriminação, fome, miséria, contra a mulher, contra a criança, o idoso e enfim... esse termo é oriundo do latim “violentia” que significa violação, que se tratando de direitos humanos, a violência abrange todos os atos de violação dos direitos: civis (liberdade, privacidade, proteção igualitária); sociais (saúde, educação, segurança, habitação); econômicos (emprego e salário); culturais (manifestação da própria cultura) e políticos (participação política, voto). Logo, esses são direitos que protegemos todos os dias nas ruas do nosso Estado. Não obstante a essas acusações infundadas, deve-se observar que a Caveira do BOPE não faz apologia ao crime, pois sendo esse um fato típico, de um comportamento humano que provoca, em regra, um resultado, previsto em lei penal como sendo uma infração, e que será penalizado pelo braço punitivo do Estado, não se aplicando a essa simbologia.
Dessa forma, o escudo do BOPE da PMPB, não contraria o item XVII – da Resolução 08-2012, do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, pois não remete a crime e nem a violência, sob ótica de comandantes e comandados deste Batalhão, pelo já exposto. Que sobre Direitos Humanos os militares do BOPE – PMPB, estão sempre em contato e cumprimento com os tratados internacionais ratificados pelo Brasil, e em seu corpo de Oficiais e Praças há militares habilitados, com cursos na área específica, inclusive com um integrante do Conselho Estadual de Direitos Humanos, o 1º SGT Astronadc Pereira de Morais, membro e partícipe da causa de defesa dos direitos do homem e da dignidade da pessoa humana nesse Estado e que inclusive, trabalha no GATE – Grupo de Ações Táticas Especiais, Companhia do BOPE, desde de 1998, ou seja, há 15 anos, que veste a farda do GATE, agora BOPE, com seu escudo de Caveira e que em nada adjudica de apologia ao crime ou a violência, nem tampouco de conteúdo intimidatório ou ameaçador. Nota-se aqui que esse Batalhão e seu escudo não devem ser motivos de preocupação ou repúdio como destacou os militantes do ajuizado Conselho, posto que se dessa forma o fosse como se explicaria um membro militante do seu próprio Conselho vestindo-a diariamente em suas atividades.
Quanto a gritar em praça pública “CAVEIRA”, como se expos o documento, nos referimos ao que todas as Unidades Militares do Brasil fazem durante as formaturas ao ser dado o Comando de “A vontade”, ou “Fora de Forma”, que diga-se bradar ao que se refere o escudo do seu Batalhão. Sendo mais claro: o Batalhão do Exército de Guerra na Selva, brada “SELVA”, as Unidades-Escolas bradam “ACADEMIA” ou “CFAP”, o Batalhão Ambiental brada “Operações Ambientais” e assim sucessivamente.
Quanto à leitura da Resolução em questão, fica óbvio que já tínhamos conhecimento e que não nos postamos contra a mesma, contudo, não estamos em desacordo com ela, como já foi explicitado anteriormente.
Quanto à polícia que esse Conselho de Direitos Humanos deseja, esperamos que seja a mesma que nós, integrantes do BOPE, trabalhamos todos os dias com afinco para construí-la, uma polícia cumpridora de suas atribuições constitucionais, com respeito à dignidade da pessoa humana, como princípio fundamental, além de tratamento igualitário á todos e sem distinção, nos termos da CF, ajudando o Estado e a nação a construírem uma sociedade livre, justa e solidária, mantendo a ordem, a paz e repudiando processos discriminatórios.
Por fim, o Estado Democrático de Direito deve ser preservado e aplicado a todos dentro do território nacional e, isso implica que também nós, policiais militares e policiais do BOPE, devamos ter nossos direitos preservados, direitos a pensar, a seguir convicções filosóficas e continuar acreditando que a “faca na caveira” significa a vitória da vida sobre a morte, com sabedoria, poder, força e invencibilidade frente à criminalidade.

JERÔNIMO PEREIRA DA SILVA BISNETO – MAJ QOC
Comandante do BOPE
UOL Notícias

Comentários

  1. vão a PQP esses padrinhos de bandidos,ladrões, acoitam os vagabundos usando folha de maconha,carças no joelho, enfim imundicies que deniglem a imagem do ser humano, vao caçar o que fazer seus deputados e cia LTDA corruptos,pais de bandidos.

    ResponderExcluir
  2. engraçado ,com tantos problemas que se tem para resolver em favor do povo ,ficam discutindo por um símbolo ? Aí tem os "DIREITOS HUMANOS" ,cadê eles para atender as famílias das vítimas ,quando acontecem ? para os marginais "Eles" existem e para o povo ?

    ResponderExcluir
  3. Tantas atrocidades cometidas por BANDIDOS, contra famílias de bem, os Recursos Humanos não vão lá dar apoio aos familiares que perderam seus entes queridos.

    Quantos grupos de Rap fazem musicas ofendendo e hesitam a população contra a Policia tanto Civil quanto a Militar., esse tipo de musica os Direitos Humanos, aplaudem

    ResponderExcluir
  4. Em se tratando em ferir os direitos humanos, os nosso politicos sao doutores nessa questao. Nao existe nada mais absurdo em agredir esses direitos do que a corrupçao que esta no sangue dos politicos brasileiro, que desviam verbas, superfaturam obras públicas, praticam o nepotismo,enrriquecem ilicitamente com o dinheiro do povo. Senadores, Deputados, Governadores, Prefeitos e Vereadores. O nosso executivo e legislativo deveriam se envergonhar do que acontece com a populaçao brasileira, a educaçao, saude e seguranca sao as piores do mundo, a culpa disso sao dos nossos políticos corruptos os verdadeiros agressores aos Direitos Humanos. Cada cidadao brasileiro que morre devido a violencia, a fome, de acidente no transito, por falta de atendimento medico, por interveçao policial e de varias outras formas onde as politicas socias tem o dever de estar presente e nao faz a sua obrigaçao, os responsaveis sao os nossos politicos. Isso sim é ferir os Direitos Humanos. Políticos olhem no espelho e se envergonhem de voces mesmo

    ResponderExcluir
  5. Parabéns ao Comandante do BOPE do Estado da Paraiba, por se valer de conhecimento científico para defender a manifestação do conhecimento filosófico! Quanto ao nobre Deputado, maior símbolo de violência é a leniencia dos parlamentares no combate a corrupção que a cada dia mais se agiganta pelo nosso Brasil, desaguando nas piores formas de convivência da pessoa humana, que neste contexto, significa o contato diário com a miséria, privados do mínimo essencial para o alcance da tão sonhada Dignidade da Pessoa Humana. Tal conluio dos nobres paramentares se consubstancia nas aprovações legiferantes onde aumentam de maneira aritimética os próprio vencimentos, as verbas de gabinetes entre outras tantas. Com o intuito de contextualização da expressão do direito de opinião, de que valeu a extinção dos 14º e 15º salários se ainda não, com certeza será, a aprovação dos valores das famigeradas verbas dos gabinetes? É uma falta de respeito incomensur´pavel com o ser humano, com a pessoa humana, com o povo brasileiro. As forças POliciais Militares apesar do sucateamento característico em razão do descaso dos Governos, de maneira incontestável, é a instituição pública que mais se faz presente na defesa dos interesses da sociedade. É lamentável a postura do nobre deputado que se estivesse verdadeiramente interessado nos bem estar da sociedade, deveria propor um projeto de lei para que os representantes do povo nos representassem por vocação e não por dinheiro, apenas. Fica a dica!

    ResponderExcluir
  6. NUNCA DEVEMOS DEIXAR OS DIREITOS HUMANOS SE METER EM NOSSA VIDAS, POIS ELES SÓ ATRAPALHAM, E SEMPRE SÃO A FAVOR DOS BANDIDOS QUE SÃO OS POBRES COITADOS, MATAM, ROUBAM, ESTRUPAM E ELES QUE SÃO AS VITIMAS E NÓS SOMOS O QUE?
    NÓS SOMOS OS PALHAÇOS QUE VOTAM NELES

    ResponderExcluir
  7. eu acho que vosso querido parlamentar deva ter algo mais importante a fazer do que ficar arrumando encrenca com policiais trabalhadores e que defendem a sociedade com caveira ou sem caveira o que importa é o enfrentamento e leis mais severas e nosso querido parlamentar parar de ficar fazendo demagogia barata em cima de policiais que nao podem se defender devido o regulamento, vá trabalhar meu amigo, vá fazer algo de bom para o povo e pare de ser amiguinho de marginais e lixos que assolam a sociedade!!!

    ResponderExcluir
  8. direitos humanos de vagabundos só pode, pois quando um policial ou uma pessoas da sociedade morre ninguém vai atras para ver se estao precisando de algo? entao meu amigo vá ser demagogo em outro país seu lixo!!!!

    ResponderExcluir
  9. Mas é uma mijação politica descarada. Manda o deputado lixo, tentar prender a mafia do seu partido, julgados e condenados no mensalão. E a PM tem que criar vergonha e parar de mijar para tudo, parece uma cabrita.

    ResponderExcluir
  10. nõ o Estado da Paraiba, mais o País inteiro está entregue aos Ladrões e Padres Medofilos, o grande exemplo é o Padre Luiz Couto que não fala nada sobre a pedofília na igreja católica, eu sou o católico mais sinto nojo do padre luis couto e o governador do Estado da Paríba.

    ResponderExcluir
  11. Eu sinto uma profunda vergonha do nosso Governador que atende ao um pedido de Padre Pedofilo que junto com os demais menmbros do governo do estado, se satisfaz naqualada da noite de meninos e meninas para stisfazer o seu desejo sexual, eu pergunto se o Padre e Deputado Pedofilo já apurar alguma denúncia que já fora entregues a eles, resumindo o nosso Estado esta entregues a esses bandos, quando a igreja católica de uma forma geral critica a pedofilia um Deputado a defende e o governador assina embaixo. Estamos Perdidos.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns Maj Joronimo, mais eu vou além o nosso Estado Está entregue a um bandos de anasquistas, como o Deputado Pdofilo Luis Couto,o mesmo se satisfaz o seus desejo sexual de meninos e meninas e a nossa imprensa tem medo de denuncia, porue está toda comprada.

    ResponderExcluir
  13. Logo, logo eles vão querer tirar a caveira do blog também, deem uma olha: http://www.siteuniblogbr.xpg.com.br/images/policialbrnacaveira.jpg

    ResponderExcluir
  14. Um bando de frutinha que não tem o que fazer.
    Caveira!

    ResponderExcluir
  15. ALGUÉM JÁ VIU ALGUM MALDITO DOS DIREITOS HUMANOS NA CASA DE ALGUM PAI DE FAMILIA MORTO POR BANDIDOS?????????

    ResponderExcluir
  16. Acredito que da forma que o "Direitos Humanos", aliás nem mesmo sei de como eles próprios entender ser Direitos Humanos. Se Direitos Humanos é proteger os criminosos como fazem acho que eles deveriam mudar esse entendimento. Todos seres humanos tem seus direitos e deveres e assim Direitos Humanos são para todos e não para alguns. Pena que sejam somente os criminosos que são amparados por eles. Tem muita gente precisando de ajuda, muita gente sofrendo e morrendo em filas de hospitais e nada fazem para acabar com isso. Os criminosos que eles tanto protegem tinham também seus direitos até que entraram para o crime. Agora tem que ser cadeia e trabalho forçado.
    Políticos, Juízes, Promotores, Direitos humanos, igrejas, etc....todos eles querem mandar na Polícia mas ninguém quer fazer o que ela faz. Aliás se a Polícia pudesse fazer tudo que ela tem que fazer, prender quem ela tem que prender...meu Deus, as penitenciarias estariam superlotadas de criminosos de todos os tipos, inclusive por esses que a criticam e não a deixam trabalhar.

    ResponderExcluir
  17. este é mais um grande exemplo de que os politicos de nos país estão comprometidos com a bandidagem, estão querendo fazer com que a policia fique desmotivada e o indice de criminalidade suba a todo vapor. e depois dizer que é culpa da policia. vai para a casa do ca... isto sim é afronta aos direitos humanos...

    ResponderExcluir
  18. É triste ver uma tropa de elite que não tem nenhuma denúncia em seu desfavor ter sua identidade arrancada por questoes pessoais de um "REPRESENTANTE DOS PARAIBANOS" que poderia tá brigando pelos sertanejos que sofrem com a seca, ou se "POSSÍVEL" (IMPROVÁVEL) brigar pelos DIREITOS HUMANOS DOS POLICIAIS como estrutura de trabalho..., uma tropa que em 17 anos de atuação nunca perdeu uma vida, que é conhecida como referência nacional e altamente profissional. É uma Pena ver a desmotivação de profissionais fundamentais para a segurança pública por causa de questões pessoais. Que Deus abençõe esses nossos "representantes".

    ResponderExcluir
  19. A PARAIBA EM PESO SABE QUE ESSE DEPUTADO SÓ GANHA AQUI COM O APOIO DAS FAMÍLIAS DE VAGABUNDO E OS PRÓPRIOS VAGABUNDO, ENTÃO NADA MAIS CORRETO DO QUE ELE DEFENDE-LOS, NÃO SENDO ASSIM COMO É QUE ELE VAI GANHAR A PRÓXIMA ELEIÇÃO? ISSO AQUI FALADO É PÚBLICO E NOTÓRIO!!!

    ResponderExcluir
  20. O PADRE LUIZ COUTO VULGO(ZÉ ACOITINHO) APELIDO ESSE PELO FATO DE ACOITAR MARGINAIS E PROVAVELMENTE DAR APOIO LOGÍSTICO A AÇÕES DELITUOSAS. É PRECISO QUE HAJA UMA INVESTIGAÇÃO POR PARTE DA POLÍCIA FEDERAL EM CIMA DAS ATITUDES DESTE PADRE.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …