Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Morte de jovem por PM tem versões diferentes

Família e vizinhos dizem que foi execução, mas PM alega tiro em legítima defesa, sem ideia de matar
“O São Paulo tava ganhando, era quase 23h e eu só escutei os gritos: ‘Para, para, para’. E depois já veio o tiro. Saí de casa correndo e vi ele caído no chão, ‘estrebuchando’. Não jogou nada no telhado”. 
A versão de um morador do Jardim Redentor é uma das muitas para a morte de Vinicius Henrique da Silva, 18 anos, conhecido como “Tibiano”.  
Na noite de anteontem, ele foi morto com um tiro por um policial militar na quadra dois da rua Santa Agueda, Jardim Redentor, bairro onde ele morava com uma família de criação. 
 O disparo atingiu o braço do jovem e atravessou o tórax, comprometendo vários órgãos. Vinicius morreu à espera de atendimento, enquanto um tumulto se formava ao seu redor. 
Mesmo tumulto que continuou durante todo o dia de ontem no bairro. 
Sua mãe de criação, cujo nome será preservado porque ela teme supostas represálias, e outros moradores do bairro garantem que o jovem foi morto à queima-roupa, em uma execução. “Parecia que estavam tratando de bicho. Meu filho não fez nada pra morrer ”, protesta a mãe.  
Na versão da Polícia Militar, o tiro foi dado em legítima defesa. De acordo com posicionamento oficial feito pelo major Marcelo Dorneles, do CPI-4 (Comando de Policiamento do Interior), a PM foi acionada ao bairro duas vezes na noite desta quarta-feira através do Copom. 
A primeira solicitação foi por uma briga e a outra por uma denúncia de disparo de arma de fogo. Vinicius estaria envolvido nas duas, de acordo com a PM.  
Por volta das 22h45,  duas viaturas da Polícia Militar foram até o bairro checar as solicitações e teriam se deparado com o jovem em uma bicicleta com um revólver calibre 38 nas mãos. 
“A primeira viatura pediu para ele parar e ele não parou. A segunda viatura estacionou, os policiais abriram a porta e pediram pra ele parar, mas ele tentou seguir”, conta o major.  
No momento em que parou, na versão do major, Vinicius teria feito menção de atirar no policial, que atirou em seu braço em legítima defesa. A arma usada teria sido a Taurus 40, usada por toda a corporação durante patrulhamento.  
Antes de cair no chão, o jovem teria jogado o revólver que carregava em cima do telhado de uma casa. A Polícia Militar constatou depois que a arma não estava municiada. Ao lado do corpo de Vinicius havia uma munição picotada – que não disparou –, cuja origem ainda é desconhecida. 
A PM ainda afirma ter encontrado drogas com o jovem. Um conflito de informações existe em relação a isso, no entanto. De acordo com a Polícia Militar foram encontradas três porções de cocaína. A Policia Civil apreendeu  por meio da perícia duas pedras de crack.
Execução? Para a família e outros moradores do Jardim Redentor, entre eles pessoas que garantem ter visto toda a ação, Vinicius foi executado. 
“Ele tava descendo e os policiais chegaram já atirando. Não deu nem tempo dele descer da bicicleta”, conta um dos moradores do bairro. 
Eles afirmam que o jovem não estava armado. 
“Como ele ia jogar a arma no telhado  mesmo ferido? Ele não ia ter força pra isso. Além disso, se ele jogasse, o telhado de alvenaria ia quebrar”, questiona outro morador. A mãe afirma que Vinicius não tinha armas. 
Na versão dos moradores, os policiais teriam chegado atirando e subido no telhado para forjar a arma do crime. 
Sobre o envolvimento de Vinicius em uma briga, os moradores afirmam que ele foi intermediar uma discussão entre um casal de amigos seus. 
A mãe ainda reclama que não pôde chegar perto do filho em momento algum. “Ele ainda tava vivo. Eu pedia para socorrerem, pra me deixarem fazer alguma coisa e eu não pude nem chegar perto dele”. 
Um amigo de Vinicius também faz a mesma queixa. “O policial falou assim pra mim: ‘Se você chegar perto dele nós vamos descer madeira em você e você vai pro chão igual ele’. E o Tibiano gritava socorro pra mim. Me chamava com a mão e eu tive que ver ele morrer”, diz. 
No bairro, a comoção pela morte do jovem foi geral. Mesmo quem não foi ao velório, saía na rua para expressar suas opiniões. “A gente fica com medo da polícia desse jeito”, disse um morador. 
“O que fizeram com ele foi falta de amor, de humanidade”, afirma uma moradora da rua onde tudo aconteceu. 
Vinicius será enterrado hoje, no cemitério do Redentor. Ele tinha passagem por homicídio e roubos quando adolescente. Ele e outros jovens mataram um homem com quem tiveram um desentendimento em 2011. O jovem cumpriu pena na Fundação Casa.
Resolução determina que PM não socorra vítimas graves
 Através de resolução publicada no dia 7 de janeiro deste ano, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo determina que os policiais militares não podem socorrer vítimas graves e gravíssimas, para preservar as provas  e também garantir um atendimento qualificado aos feridos. 
A medida foi cumprida pelos policiais na morte de Vinicius, porém causou insatisfação. 
Moradores do bairro estavam inconformados com a medida. “Ele ficou agonizando até morrer e ninguém pôde fazer nada”, afirmava um dos moradores que presenciou a cena.
O delegado Kléber Granja explica, entretanto, que todas as precauções foram tomadas pela polícia afim de seguir as novas determinações. “A resolução trouxe uma série de protocolos relativos a eventos de morte com intervenção policial para uniformizar os procedimentos e, principalmente, preservar as provas do que aconteceu. Nós seguimos todos eles”, diz.  
 A resolução também muda o nome de ocorrências como a de Vinicius para “morte decorrente de intervenção policial’. Antes, usava-se “resistência seguida de morte”. (DANIELA PENHA - daniela.penha@bomdiabauru.com.br - Bom Dia).

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…