Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Morte de jovem por PM tem versões diferentes

Família e vizinhos dizem que foi execução, mas PM alega tiro em legítima defesa, sem ideia de matar
“O São Paulo tava ganhando, era quase 23h e eu só escutei os gritos: ‘Para, para, para’. E depois já veio o tiro. Saí de casa correndo e vi ele caído no chão, ‘estrebuchando’. Não jogou nada no telhado”. 
A versão de um morador do Jardim Redentor é uma das muitas para a morte de Vinicius Henrique da Silva, 18 anos, conhecido como “Tibiano”.  
Na noite de anteontem, ele foi morto com um tiro por um policial militar na quadra dois da rua Santa Agueda, Jardim Redentor, bairro onde ele morava com uma família de criação. 
 O disparo atingiu o braço do jovem e atravessou o tórax, comprometendo vários órgãos. Vinicius morreu à espera de atendimento, enquanto um tumulto se formava ao seu redor. 
Mesmo tumulto que continuou durante todo o dia de ontem no bairro. 
Sua mãe de criação, cujo nome será preservado porque ela teme supostas represálias, e outros moradores do bairro garantem que o jovem foi morto à queima-roupa, em uma execução. “Parecia que estavam tratando de bicho. Meu filho não fez nada pra morrer ”, protesta a mãe.  
Na versão da Polícia Militar, o tiro foi dado em legítima defesa. De acordo com posicionamento oficial feito pelo major Marcelo Dorneles, do CPI-4 (Comando de Policiamento do Interior), a PM foi acionada ao bairro duas vezes na noite desta quarta-feira através do Copom. 
A primeira solicitação foi por uma briga e a outra por uma denúncia de disparo de arma de fogo. Vinicius estaria envolvido nas duas, de acordo com a PM.  
Por volta das 22h45,  duas viaturas da Polícia Militar foram até o bairro checar as solicitações e teriam se deparado com o jovem em uma bicicleta com um revólver calibre 38 nas mãos. 
“A primeira viatura pediu para ele parar e ele não parou. A segunda viatura estacionou, os policiais abriram a porta e pediram pra ele parar, mas ele tentou seguir”, conta o major.  
No momento em que parou, na versão do major, Vinicius teria feito menção de atirar no policial, que atirou em seu braço em legítima defesa. A arma usada teria sido a Taurus 40, usada por toda a corporação durante patrulhamento.  
Antes de cair no chão, o jovem teria jogado o revólver que carregava em cima do telhado de uma casa. A Polícia Militar constatou depois que a arma não estava municiada. Ao lado do corpo de Vinicius havia uma munição picotada – que não disparou –, cuja origem ainda é desconhecida. 
A PM ainda afirma ter encontrado drogas com o jovem. Um conflito de informações existe em relação a isso, no entanto. De acordo com a Polícia Militar foram encontradas três porções de cocaína. A Policia Civil apreendeu  por meio da perícia duas pedras de crack.
Execução? Para a família e outros moradores do Jardim Redentor, entre eles pessoas que garantem ter visto toda a ação, Vinicius foi executado. 
“Ele tava descendo e os policiais chegaram já atirando. Não deu nem tempo dele descer da bicicleta”, conta um dos moradores do bairro. 
Eles afirmam que o jovem não estava armado. 
“Como ele ia jogar a arma no telhado  mesmo ferido? Ele não ia ter força pra isso. Além disso, se ele jogasse, o telhado de alvenaria ia quebrar”, questiona outro morador. A mãe afirma que Vinicius não tinha armas. 
Na versão dos moradores, os policiais teriam chegado atirando e subido no telhado para forjar a arma do crime. 
Sobre o envolvimento de Vinicius em uma briga, os moradores afirmam que ele foi intermediar uma discussão entre um casal de amigos seus. 
A mãe ainda reclama que não pôde chegar perto do filho em momento algum. “Ele ainda tava vivo. Eu pedia para socorrerem, pra me deixarem fazer alguma coisa e eu não pude nem chegar perto dele”. 
Um amigo de Vinicius também faz a mesma queixa. “O policial falou assim pra mim: ‘Se você chegar perto dele nós vamos descer madeira em você e você vai pro chão igual ele’. E o Tibiano gritava socorro pra mim. Me chamava com a mão e eu tive que ver ele morrer”, diz. 
No bairro, a comoção pela morte do jovem foi geral. Mesmo quem não foi ao velório, saía na rua para expressar suas opiniões. “A gente fica com medo da polícia desse jeito”, disse um morador. 
“O que fizeram com ele foi falta de amor, de humanidade”, afirma uma moradora da rua onde tudo aconteceu. 
Vinicius será enterrado hoje, no cemitério do Redentor. Ele tinha passagem por homicídio e roubos quando adolescente. Ele e outros jovens mataram um homem com quem tiveram um desentendimento em 2011. O jovem cumpriu pena na Fundação Casa.
Resolução determina que PM não socorra vítimas graves
 Através de resolução publicada no dia 7 de janeiro deste ano, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo determina que os policiais militares não podem socorrer vítimas graves e gravíssimas, para preservar as provas  e também garantir um atendimento qualificado aos feridos. 
A medida foi cumprida pelos policiais na morte de Vinicius, porém causou insatisfação. 
Moradores do bairro estavam inconformados com a medida. “Ele ficou agonizando até morrer e ninguém pôde fazer nada”, afirmava um dos moradores que presenciou a cena.
O delegado Kléber Granja explica, entretanto, que todas as precauções foram tomadas pela polícia afim de seguir as novas determinações. “A resolução trouxe uma série de protocolos relativos a eventos de morte com intervenção policial para uniformizar os procedimentos e, principalmente, preservar as provas do que aconteceu. Nós seguimos todos eles”, diz.  
 A resolução também muda o nome de ocorrências como a de Vinicius para “morte decorrente de intervenção policial’. Antes, usava-se “resistência seguida de morte”. (DANIELA PENHA - daniela.penha@bomdiabauru.com.br - Bom Dia).

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…