Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Lula promete reeleição de Dilma


As críticas à oposição e a reeleição da presidente Dilma Rousseff deram o tom dos discursos da festa de dez anos do PT no governo, realizada nesta quarta-feira (20), em um hotel na zona norte de São Paulo. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que discursou antes da presidente, que também esteve presente, afirmou que os adversários "podem juntar quem quiser" que não irão derrotá-la nas eleições presidenciais de 2014. O adversário em questão é o senador Aécio Neves (PSDB-MG), -- possível candidato tucano à presidência em 2014 --, que hoje fez duras críticas à gestão petista.
A possível candidatura à reeleição de Dilma ainda não havia sido declarada por ela, nem por lideranças do partido. A afirmação de Lula arrancou aplausos e gritos da plateia de mais de 800 pessoas, entre lideranças petistas, de partidos da base aliada e militantes que lotavam o auditório do Anhembi. "Eles podem se preparar, juntar quem eles quiserem, que, se eles têm dúvida, vamos dar como resposta a reeleição de Dilma em 2014. É essa a consagração da política do Partido dos Trabalhadores", disse o ex-presidente no encerramento de seu discurso. Em seguida, Lula foi ovacionado pela plateia com o tradicional grito "olê, olê, olê, olá, Lula, Lula." Dilma foi a última a discursar e, assim como Lula, não poupou críticas à oposição, rogando-lhes até uma ‘praga’. Segundo ela, s que apostam contra seu governo vão amargar “prejuízos financeiros ou políticos”. "A estabilidade é um dos nossos compromissos e os que apostarem no contrário amargarão sérios prejuízos financeiros ou políticos. Erram os que dizem que estamos abandonando os pilares de nossa economia". Dilma disse ainda que os que criticaram suas políticas sociais e econômicas "desconhecem o povo brasileiro ou esse país".
Antes, Dilma exaltou a figura de Lula ao colocá-lo como líder da década. "Nossa década tem um líder e esse líder é Luiz Inácio Lula da Silva. Nós todos aqui presentes somos construtores, mas temos um líder e um povo que, ao construir uma liderança como a do presidente Lula, cria suas condições para transformar a realidade", disse a presidente. "Foi ele que com pioneirismo começou a fechar a porta do atraso e abrir a da oportunidade. E deixou entrar por ela a primeira mulher presidenta. E essa é a missão que eu tenho a honra, a alegria, imensa responsabilidade e humildade de exercer." Haddad elogia Dilma e Lula Antes de Lula, discursou o prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que, ao elogiar a presidente Dilma Rousseff, disse não imaginar que uma mulher iria "enquadrar" o sistema financeiro nacional. "Nunca imaginei que seria uma mulher que iria enquadrar o sistema financeiro internacional", disse o prefeito, que qualificou a presidente como um "exemplo de fibra e determinação", no discurso de abertura da festa. Em seguida, Haddad manifestou desejo de ver Dilma governar o país até 2018. "Foi a senhora que mostrou já nesse governo que era sim possível fazer as reformas que o Brasil precisava e fazer as que o Brasil ainda precisa e que queremos ver realizar nos dois anos, e se depender de mim, nos próximos seis anos." Sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Haddad disse também ter se surpreendido com a sua eleição em 2002. O prefeito afirmou que morava fora do país e resolveu retornar ao país com a família para votar em Lula no segundo turno. "Outra coisa que eu não podia imaginar. Eis que em 2002 Lula surpreende, é eleito e o povo brasileiro passa a ter voz.", disse. O clima de festa foi interrompido pouco antes da fala de Haddad, quando uma militante gritou dizendo que o auditório estaria vazio em comparação a enorme fila de militantes que estariam esperando para entrar no evento do lado de fora do hotel. De acordo com a assessoria do evento, mais de mil pessoas aguardavam do lado de fora da festa. Vaias para Kassab Presente ao evento, o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab foi vaiado pela militância petista. O líder do PSD foi colocado em lugar de destaque no evento, ao lado de outros aliados do partido, no palco. Ao ser chamado para compor a mesa, Kassab recebeu vaias efusivas dos presentes. Antes de fundar o PSD, Kassab integrou o DEM, inimigo histórico do PT, e era apoiado pelo PSDB de José Serra. Após fundar a sigla, em 2011, o ex-prefeito buscou aproximar-se do PT. Atualmente, o PSD integra a base de sustentação do governo federal e do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. "O governo [do PT] trouxe para o Brasil avanços extraordinários. O povo brasileiro reconhecidamente vive muito melhor, tem acesso a programas sociais. O PSD se sente muito confortável em estar aqui presente, em trazer aqui esse apoio. Parabéns à militância petista, aos dirigentes petistas, parabéns ao presidente Lula, à presidente Dilma", disse Kassab. Depois de afagar o PT, o ex-prefeito chegou a receber algumas palmas, mas também ouviu gritos de "Fora Kassab". Na mesma mesa de Kassab estavam também os ex-ministros, demitidos por Dilma Rousseff, Carlos Lupi (PDT) e Alfredo Nascimento (PR), os senadores Eduardo Lopes (PRB), Robson Amaral (PTN) e Valdir Raupp (PMDB), além de Renato Rabelo, presidente do PCdoB. Lula, com terno cinza claro e uma gravata com as cores do Brasil, integrava a mesa petista, assim como presidente Dilma Rousseff, que estava de vermelho. Na mesma mesa estavam os governadores Agnelo Queiroz (Distrito Federal), Jaques Wagner (Bahia), Marcelo Déda (Sergipe), Tião Viana (Acre) e o prefeito Haddad, que, a exemplo de Lula e Dilma, foi muito aplaudido. Estavam ainda presentes as ministras Marta Suplicy (Cultura), Miriam Belchior (Planejamento), Tereza Campello (Desenvolvimento Social), Helena Chagas (Comunicação Social), Maria do Rosário (Direitos Humanos), Eleonora Menecucci (Políticas para Mulheres) e Pepe Vargas (Desenvolvimento Agrário). Dirceu, Genoino e Cunha Os petistas José Dirceu, José Genoino e João Paulo Cunha, condenados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no julgamento do mensalão, tiveram uma recepção calorosa por parte da militância do PT na festa. Genoino e Cunha, ambos deputados federais, chegaram ao local por volta das 18h30, por uma porta a qual a imprensa não teve acesso. A militância petista recepcionou ambos com abraços. Os presentes formaram uma fila com aproximadamente 30 pessoas para cumprimentar Genoino. Dirceu chegou por volta de 19h, e sua presença também foi festejada pelos presentes. O ator global José de Abreu, amigo de Dirceu que irá se filiar ao PT, o acompanhou na chegada. Assim como ocorreu com Genoino, militantes do partido formaram uma longa fila para abraçar Dirceu. Por volta de 19h20, chegaram os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça), Gilberto Carvalho (secretaria-geral da Presidência), Aloizio Mercadante (Educação) e Alexandre Padilha (Saúde), que passou por Dirceu sem cumprimentá-lo. O evento O espaço onde ocorreu a festa, com capacidade para 850 pessoas, não foi suficiente para abrigar todos que se dirigiram ao local. Um espaço anexo, equipado com telão, foi montado para cerca de 400 presentes. Segundo a organização, mais de mil pessoas acabaram ficando do lado de fora. O cartaz do evento estampa os rostos de Lula e Dilma e a frase "o decênio que mudou o Brasil". No convite, o partido conclamou para as "comemorações dos dez anos do Governo Democrático e Popular". O ato petista acontece um dia depois de Dilma anunciar a inclusão de 2,5 milhões de beneficiários do Bolsa Família, programa criado no governo Lula. Para isso, o governo anunciou a elevação da renda doada para mais de R$ 70 por pessoa das famílias agraciadas com a renda – o valor é considerado limite para a pobreza absoluta. A erradicação da pobreza extrema é uma promessa eleitoral de Dilma. Os recursos para o aumento dos beneficiários somarão R$ 733 milhões aos cofres públicos. "O Brasil vira uma página decisiva na longa história, na nossa longa história de exclusão social. Nela está escrito que mais 2,5 milhões brasileiros estão deixando a extrema pobreza", afirma a presidente Dilma Rousseff durante a cerimônia de anúncio da nova medida. "Por não termos abandonado o nosso povo, a miséria está nos abandonando.", disse Dilma durante o pronunciamento em Brasília. FHC diz que PT faz ‘picuinha’ As declarações de Dilma irritaram a oposição, em especial os tucanos. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso gravou um vídeo ontem no qual declarou que o PT faz "coisa de criança" e "picuinha" ao criticar governos passados. Em trecho do vídeo, FHC diz que "eles pensam que o Brasil começou agora. Não começou. No meu governo, eu mudei o rumo do Brasil, que estava muito desorganizado". (UOL).

Comentários

  1. Senhores, o Sr. Luís Inácio deveria está respondendo inqueríto para provar de qual maneira enriqueceu.

    ResponderExcluir
  2. Como sempre! o exelentíssimo senhor EX-presidente, arrancou meus aplausos! e de quebra, agora me fortaleceu mais no meu ideal! Não votei e não votarei neste Partido, ele que se quizer, sobreviva "apenas" com o salário de sua antiga aposentadoria e de sua aposentadoria como EX-presidente e algum outro "pingado" de algumas aplicaçõeszinhas, deixando de vez a "teta". No que depender do MEU Título de Eleitor, sempre haverá "dança das cadeiras" para que ninguém passe a se considerar intocável a ponto de me achar malionete idiota!

    ResponderExcluir
  3. Se depender do meu voto, mala nunhum será eleito ou reeleito, use barba ou saia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…