Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Justiça de São Paulo concede promoção por ato de bravura a Policial Militar


Policial Militar. Ato de bravura. Conduta em salvamento a caracterizá-lo. Possibilidade de referência pelo Poder Judiciário. Conceito fora da discricionariedade administrativa .Discricionariedade, de per si, não tem característica absoluta de legalidade. Promoção prevista em lei. Recurso do autor provido.
O autor da ação, Segundo Sargento da Policial Militar do Estado de São Paulo, estava em serviço quando, após intensa chuva foi atender ocorrência no cruzamento da Rua Maria Vieira Ribeiro com a Avenida Dezenove de Janeiro na Capital. Ao chegar, deparou com pessoa submersa na enxurrada, presa debaixo de veículo, ocasião em que não titubeou em mergulhar para livrá-la daquela situação, o que conseguiu após esforço e insistência, para, em seguida, reanimá-la com respiração boca a boca e, cobrindo-a com cobertor, encaminhá-la para atendimento hospitalar.
Cumpre observar que tais fatos foram amplamente marcados nos documentos oficiais no expediente administrativo como sendo realizados por excelência e profissionalismo e autorizado láureas outras, mas sem ter sido qualificado como “ato de bravura” pelo Comando Geral da Polícia Militar.
Em primeira instância, o feito foi julgado improcedente aduzindo que o salvamento do Autor não sugere contornos de excepcionalidade tão candentes que permitam ao Poder Judiciário invadir a análise administrativa. Ou seja, em razão da discricionariedade da Administração Pública, campo no qual, guiado pela conveniência e oportunidade, está-se defeso de decisão judicial, inclusive, por considerar a decisão do Comandante da Polícia Militar tomada no caso razoável em relação à conduta realizada pelo autor.
Desta sentença, o autor interpôs recurso de apelação, o qual foi provido pela 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, nos seguintes termos:
“(...) A disputa, deveras, é sobre como tipificar a conduta do autor diante da legislação, pois a ré, em tese aceita na r. sentença, traçou sobre a intangibilidade do poder discricionário da Administração, pois considerados todos os elementos de prova levados ao conhecimento do Comando da Polícia Militar, chegou-se à conclusão de não ter sido ato de bravura, conquanto tenha merecido elogiosas e positivas referências. 
Desnecessário, pois, analisar a grandiosidade da conduta do autor, ao despojar-se de qualquer receio e, sem qualquer condição material favorável, arriscar-se para salvar a pessoa que se afogava em correnteza criada por intensa chuva.
Impossível minimizar essa atitude, mesmo porque o autor foi além do que se podia exigir dele, pois ele é policial militar, não policial militar bombeiro, sabido que estes têm mais condições para situações como a que se lhe apresentou. Não tinha nada além da farda e de sua presença de espírito, fortes o suficiente para o mergulho salvador na enxurrada.
Esses fatos, repito, não são disputados, mas surgiu o embaraço de ter a Administração agido com seu regular e constitucional poder discricionário para não qualificar a conduta do Autor como ato de bravura.
Embora tenha recebido láureas outras, com a devida vênia é verdadeiro desrespeito ao desprendimento do autor, ainda que no exercício de seu mister como policial militar, desconsiderar seu feito como ato de bravura.
É que “ato de bravura” não é algo subjetivo, mas, ao contrário, é análise objetiva a ser feita, e que, com a máxima vênia, não foi feita sob esse aspecto, pois não se foi ao conceito de que seja conduta com característica de bravura.
Vai-se, então, ao Decreto Estadual 13.654, de 06 de novembro de 1943, e lá está, em seu art. 20, ser o ato de bravura caracterizado por ato ou atos de coragem, audácia energia, firmeza, tenacidade na ação que revelem abnegação pelo sentimento do dever militar e que constituam um exemplo vivo à tropa, sempre dentro das intenções do chefe ou por uma iniciativa louvável que reafirme o valor pessoal ante a responsabilidade.
Respeitados os termos da r. sentença e tanto quanto constou nas considerações do Comando da Polícia Militar, a conduta do autor foi exatamente dentro dessas exigências, nada obstante se cuide de policial militar, sujeito a operações e atividades perigosas decorrentes da atividade e das atribuições inerentes ao cargo, mas aqui excepcionais para ele e fora de sua rotina, ainda que esta sempre seja surpreendente e, às vezes, com surpresas negativas e desagradáveis, não se pode afastar a situação acontecida com o autor do conceito dado pelo referido decreto.
Diante do acima exposto, vejo como evidente cuidar-se, em tese, de lesão de direito passível de ser remediada pelo Poder Judiciário, a afastar suposta invasão de um Poder em outro, ou mesmo da substituição de um por outro.
Por isso, nada obstante os argumentos e fundamentos da r. sentença e das contrarrazões, entendo não ser possível afastar a pretensão, pois ela se amolda ao enunciado legal acima transcrito, como se viu, e, ainda sob vênia, não se cuida de ato discricionário da Administração.
(...)
Então, impõe-se análise cum grano salis, evitando-se acomodação ou comodismo por haver o chamado ato jurídico perfeito, que não poderia ser mexido; tampouco enveredando em precipitação por sendas estranhas à segurança jurídica por algum tema
jurídico novo.
Por isso observei sobre haver clara e concreta previsão legal para se chegar ao chamado ato de bravura, por situação objetiva, não subjetiva, a pontuar, a resultar na possibilidade de se dar correção ao ato que não se adequa à ordem daquele decreto.
(...)
Rompido, pois, o princípio da legalidade, rompe-se também o que houve de discricionariedade por haver motivos suficientes de conveniência e oportunidade para a pretensão do autor.
Não se afronta o Poder Executivo. Não se lhe impõe tome providência outra para a atitude do autor. Com a máxima vênia, apenas se corrige ato administrativo a que passou faltar legalidade.
Em face do exposto, e respeitados os fundamentos e argumentos postos pelo D. Juiz sentenciante e pela recorrida, também com respeito à conclusão do Comando da Polícia Militar, entendo ser caso de procedência desta ação, nos termos em que proposta, considerada a promoção do autor a partir do dia em que se deu a conduta ora reconhecida como ato de bravura, com reflexos nos vencimentos, nas demais rubricas salariais e nas vantagens incorporadas ao patrimônio funcional do autor, afastados, quanto aos direitos patrimoniais, do quinquênio anterior ao ajuizamento desta ação.
(...)
SEÇÃO III Subseção VIII - Resultado de Julgamentos (início de prazo recursal somente após intimação do acórdão na Subseção IX) Seção de Direito Público Processamento 6º Grupo - 13ª Câmara Direito Público - Av. Brig. Luiz Antonio, 849 - sala 304 
0002455-27.2010.8.26.0053 - Apelação - São Paulo - Relator: Des.: Borelli Thomaz, Revisor: Des.: Ferraz de Arruda - Apelante: I. F. F. (Assistência Judiciária) - Apelado: Fazenda do Estado de São Paulo - Deram provimento ao recurso. V. U. - Advogado: Eliezer Pereira Martins (OAB: 168735/SP) (Fls: 16) - Advogada: Marisa Midori Ishii (OAB: 170080/ SP) - Advogado: OTAVIO AUGUSTO MOREIRA D ELIA (OAB: 74104/SP) 
Fonte: TJ/SP.
Fonte: Matéria enviada por Eliezer Pereira Martins em SEJA UM POSTADOR DO NOSSO BLOG.
Participe você também enviando sua matéria..!

Comentários

  1. Parabéns ao policial pelo ato de bravura e a merecia promoção. Na PM tudo que fazemos não passa de obrigação e até a morte é banalizada e tida como cotidiana. Infelizmente os casos são friamente analisada por pessoas que se escondem atrás de mesas, que sequer foram ao local do ocorrido e nem participaram do sepultamento, portanto, desprovidos de sentimentos e distantes em todos os sentidos.

    ResponderExcluir
  2. Para o Comandante Geral ato de bravura consiste em puxar o saco do governador assim como ele fez em toda a sua carreira militar para chegar a este posto e as sua outras promoções. Parabéns ao judiciário mais uma vez por corrigir mais umas das inúmeras distorções do Estado e da Polícia Militar

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…