Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Favelas da zona oeste são alvo de operação em busca de fugitivos de presídio


Ao menos 30 policiais atuam nas comunidades
Policiais militares do Serviço reservado do Batalhão de Bangu (14º BPM) realizam, na manhã desta terça-feira (5),  uma operação para tentar recapturar 27 detentos que fugiram do Instituto Penal Vicente Piragibe, no complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste do Rio.
A ação ocorre nas favelas Vila Kennedy, Metral, Leão e Vila Progresso, todas próximas ao complexo penitenciário. Participam da ação ao menos 30 policiais militares com o auxílio de um veículo blindado. Até as 10h, não havia informações de presos ou de material apreendido.
De acordo com a Seap (Secretaria Estadual de Administração Penitenciária), 31 detentos fugiram pela rede de esgoto na manhã do último domingo (3). Quatro foram recapturados até as 22h de segunda-feira (4).
Na segunda-feira, o secretário da Seap, coronel Cesar Rubens Monteiro de Carvalho, admitiu que houve falha no sistema de segurança da unidade prisional e não descartou o envolvimento de inspetores na fuga dos detentos.
— Queremos saber onde foi a falha, se foi uma falha casual ou se foi uma falha intencional, objeto de corrupção ou algo do gênero. Não se trata de um presídio de segurança máxima.
O coronel contou que, por ser uma unidade de regime semiaberto, não há necessidade de grandes investimentos, e disse que ficou surpreso com a fuga, já que esses detentos estavam em processo de ressocialização.
— É uma unidade que não há necessidade para grandes investimentos em termos de tecnologia ou segurança. Com o passar do tempo esses detentos começam a receber diversos benefícios, como visita periódica de familiares e visitas íntimas. Estou surpreso não pela fuga em si, mas por estarem em uma fase em que os presos já cumpriram a pior parte de suas penas.
Carvalho explicou que, embora os 31 fugitivos cumpriam pena em regime semiaberto, eles não tinham o benefício de sair da prisão. Para que um detento possa fazer atividades fora da penitenciária, é necessário que uma empresa ofereça trabalho para ele.
— Você [o detento] tem que ter um empregador que se manifeste em contratar a sua mão de obra. Uma vez que esse empregador tenha se manifestado, isso será encaminhado para a Justiça, que vai analisar a empresa. Somente assim o preso poderá exercer, na plenitude, o regime semiaberto.
Condenado pela morte de Tim Lopes está entre os fugitivos
Um dos condenados pelo assassinato do jornalista Tim Lopes, em 2002, na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, zona norte, está entre os 31 presidiários que fugiram do Instituto Penal Vicente Piragibe na tarde de domingo. Conhecido como Xuxa, Claudino dos Santos Coelho foi condenado em 2005 a 23 anos e seis meses de prisão por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e formação de quadrilha. Do total de fugitivos, quatro foram recapturados pela polícia.
Na época do julgamento do caso Tim Lopes, Claudino disse que trabalhava como sorveteiro no Complexo do Alemão. Ele não admitiu envolvimento com o tráfico de drogas. Outros seis acusados foram condenados pela morte do jornalista.
A fuga
Segundo o coronel, o túnel utilizado para a fuga dos 31 detentos fica no pátio onde os presos recebem visita e tinha cerca de 5 m de extensão. 
— Já existia esse tampão no pátio e foi a partir dele que os presos começaram a fazer o buraco até chegar à galeria de esgoto, por onde percorreram cerca de 450 m até conseguirem escapar, já do lado de fora do presídio.
O secretário não soube explicar quando os detentos fizeram a escavação. Segundo ele, os quatro homens que foram presos, ainda dentro da galeria, não deram detalhes da fuga.
— Talvez, por conivência de algum agente penitenciário, alguém saía da cela e fazia a escavação. Os presos não costumam delatar, por medo de retaliação.
Durante as buscas, os agentes encontraram um cordão que, segundo o secretário, poderia servir como guia para que os fugitivos não se perdessem nas galerias de esgoto.
— Isso nos deu a entender que alguém já tinha feito o trajeto da fuga antes para mostrar o caminho aos demais fugitivos.
Buscas
Na segunda-feira, a polícia fez buscas na zona oeste. Na favela Vila Vintém, em Padre Miguel, três suspeitos foram presos e foram apreendidos drogas e armamentos pesados. Além dos três presos, os PMs apreenderam dois fuzis calibre 7,62, duas pistolas 9mm e drogas ainda não contabilizadas. De acordo com o comandante do Batalhão de Bangu (14º BPM), tenente-coronel Carlos Eduardo Sarmento, policiais também vasculham a Vila Kennedy e a favela da Metral, em Bangu.( Do R7)

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …