Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Especialista analisa criação de novos partidos no Brasil

Ouça a matéria:





A facilidade de um novo partido para eleger representantes no Brasil explica a grande proliferação de legendas no país. A opinião é do cientista político e professor da Universidade de Brasília Lúcio Rennó. Em entrevista ao programa "Com a Palavra", da Rádio Câmara, o especialista atribuiu essa facilidade a uma combinação da lei partidária com as regras eleitorais.
"Isso é um estímulo grande para a criação de partidos no Brasil. A nossa legislação específica sobre partidos políticos é mais rigorosa hoje do que foi nos anos 90. Então, tem havido progresso, mas ainda assim, porque os partidos são eleitoralmente viáveis, mesmo sendo jovens, a criação de partidos se torna algo que motiva políticos a se engajarem nessa prática."
Segundo Lúcio Rennó, a mesma facilidade de novas legendas em eleger representantes não se repete com a mesma frequência em outros países. O cientista político apontou as vantagens e desvantagens da realidade brasileira.
"Tem um lado positivo disso que é o surgimento de novas agremiações de pessoas que, porventura, tenham alguma coisa em comum, pensem em uma agenda em comum que não está contemplada pelos partidos que existem. Então, uma lei muito rígida inviabiliza a oxigenação do sistema partidário. Por outro lado, esse fenômeno que a gente está vendo no Brasil agora, o surgimento de novos partidos, é um ajuste que a elite política do país está fazendo para passar à margem, talvez, da lei atual que proíbe mudanças de partido."
Lúcio Rennó se referia à criação do PSD, no ano passado, comandado pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. Quanto à Rede Sustentabilidade, lançado no último fim de semana pela ex-ministra Marina Silva, ainda pendente de registro na Justiça Eleitoral, o professor não consegue ver com clareza a diferença de agenda entre o novo partido e o PV, de onde Marina Silva saiu, que justifique a mudança de uma legenda para a outra.
"É difícil pensar que num quadro partidário como o nosso, com tantos partidos, com tantas opções, exista de fato a necessidade de uma nova opção, que não seja realmente inovadora, que mude completamente o quadro de referência conceitual do debate político no Brasil. Acho que o que ela está trazendo é uma possibilidade de um agrupamento de pessoas que compartilhou algo do que foi a agenda presidencial da Marina Silva nas últimas eleições, e que talvez não houvesse mais espaço no PV para isso."
Para ser criado oficialmente, o novo partido precisa de pelo menos quinhentas mil assinaturas, em nove estados. Mas algumas propostas em tramitação no Congresso pretendem dificultar essa proliferação de siglas. Um projeto de lei aumenta para um milhão e meio o número de assinaturas necessárias para a criação de um partido. Outra proposta veda a partidos que ainda não tenham passado por uma eleição o direito à repartição do Fundo Partidário e ao tempo de televisão.
De Brasília, Marise Lugullo - Rádio Câmara

Comentários

  1. Caríssimo professor,Rennó, na verdade a criação
    do (PMB) se deve a essa vergonha nacional,que,
    está acontecendo no PARLAMENTO. O PMB é um part-
    do político, porém, com um perfil militar, nós
    vamos ser a RESERVA MORAL desse país.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …