Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Deficiente mental é morto a tiros por policial militar no Norte de Minas

Um deficiente mental que sofria de epilepsia foi assassinado por um policial militar na porta de casa. O crime aconteceu por volta das 11h da manhã desta segunda-feira (19), na região central de São João do Paraíso, no Norte do estado.
Segundo relatos de familiares, a vítima Horácio Marcos dos Santos, de 28 anos, estava com estado nervoso alterado.
“Ele acordou com crise nervosa e começou a cortar todas as plantas do quintal. Chamamos a Polícia Militar para nos ajudar a contê-lo”, relatou o pai da vítima, Joaquim Francisco dos Santos.
Ainda segundo ele, a PM já tinha sido acionada em outras ocasiões. “Sempre pedíamos socorro à polícia, e eles já haviam nos ajudado”, diz.
Três policiais militares que eram novos na cidade se deslocaram até a casa da vítima. De acordo com a família, eles já chegaram atirando e os disparos teriam deixado o rapaz ainda mais nervoso.
Com um facão, Horácio começou a quebrar a viatura e a ameaçar um dos policiais. “Ele só apontou o facão para o militar depois de ser ameaçado com um revólver", enfatizou a mãe.
Ela relatou ainda, que a família ofereceu um pedaço de madeira para os policiais no intuito de evitar os disparos. "Parece que eles vieram aqui para matar o meu filho, nós chegamos a oferecer um pedaço de pau para que eles pudessem conter o menino, mesmo assim os tiros continuaram”, disse a mãe Neuza Rocha dos Santos.
Dos vários disparos efetuados pelos policiais, dois acertaram o peito do rapaz. Segundo a família, depois de baleado, ainda com vida, Horácio teria sido levado algemado para o hospital da cidade, onde morreu minutos depois de dar entrada. 
“Ele já estava quase sem vida quando foi algemado. O que aconteceu foi uma covardia, não precisava disso”, desabafa a mãe.
O militar que atirou em Horácio, Edmar Pereira Antunes, foi promovido a sargento recentemente e trabalhava na cidade há dois meses.
Em entrevista ao G1, o tenente Fernando Viana Dias, responsável pela ocorrência, informou que o militar agiu em legítima defesa.
“Houve a necessidade de efetuar os disparos para conseguir contê-lo”, ressaltou. Ainda segundo ele, o sargento foi preso em flagrante e encaminhado ao quartel da segunda companhia da Polícia Militar em Taiobeiras, onde ficará a disposição da justiça.
População quer justiça
O crime chocou a cidade de São João do Paraíso, com cerca de 23 mil habitantes. No bairro onde o jovem morava, além das marcas de sangue sobrou indignação e revolta.
“Estamos muito abalados com o que aconteceu, conheço esse menino desde criança e ele sempre foi uma pessoa tranquila. Nunca fez mal a ninguém”, relatou o vizinho Gilberto Marinho da Silva.
A doméstica Fernanda Silva Santos, também era amiga da família. Segundo ela, Horácio sempre foi uma pessoa muito boa e prestativa. “Todo mundo aqui conhece ele. Era um rapaz de coração bom, sempre disposto a ajudar.”
O jovem era conhecido na cidade pela paixão ao serviço militar. No quarto onde ele costumava passar a maior parte do tempo, uma farda, que ele teria ganhado de um amigo policial, estava em cima da cama.
“Ele era apaixonado pelos militares e acreditava que eles fossem seus amigos”, conta a irmã da vítima, Cleonice dos Santos Silva. (G1).


Comentários

  1. Não é fácil ter filho com problema. Talvez não se devesse chamar policia nesse caso.Tem uma gama de situações adversas que Humanos policiais são envolvidos e acabam ficando numa rota de resultados desastrosos.

    ResponderExcluir
  2. Esse tipo de ocorrência poderia ser amenizada, desde que, usando "DARDO COM SUBSTÂNCIA ANESTÉSICA".

    1º Vice-presidente do Diretório Estadual de Pernambuco - PMB-PE.

    ResponderExcluir
  3. Isso é culpa dos nossos governanates, pois se cada policial usasse uma arma de fogo e uma "Taser",com certeza muitas mortes seriam evitadas, mas como o Governo está sempre sem dinheiro, uma morte a mais ou a menos, pro governo não fará diferença!

    ResponderExcluir
  4. A vida do policial militar nunca é fácil. Age sempre no extremo. Mas infelizmente os envolvidos esqueceram preceitos básicos: Qual a pressa de resolver esta ocorrência? Qual o risco iminente? Onde entrou a contenção do agressor, isolamento da área e a negociação? Tudo isto foi negligenciado, impedindo o uso progressivo da força. Que pena que o Tenente ainda vem em defesa alegando legítima defesa....lamentável.

    ResponderExcluir
  5. PORQUE ESSE "MONTE" DE GENTE AI NA MANIFESTAÇÃO NÃO FOI AJUDAR A FAMÍLIA QUANDO DO NERVOSISMO?

    ResponderExcluir
  6. Só quem estava envolvido direto na ocorrencia que sabe o que aconteceu e quem ja trabalhou e trabalha em destacamento, sabe que os recurssos não são os mesmos e apoio tambem as vezes nem temos. É facil julgar, mas tomar decisões não é tao facil como parece e talvez nem deu tempo, ninguem sabe o nivel de risco que ocorria no momento. Então é fácil criticar e dizer esqueceu isso ou aquilo, mas apoiar ou ajudar são poucos.NA VERDADE QUEM DEVERIA ESTAR NESTA OCORRENCIA, SERIA UMA AMBULANCIA DE PESSOAS TREINADAS E MESMO ASSIM AINDA TERIA QUE TER O APOIO DA VIATURA POLICIAL, E VAI SABER SE NÃO IRIA ACONTECER O QUE ACONTECEU TAMBEM.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…