Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Bandidos fazem 43 ataques e polícia mata 1 em SC

Ações de criminosos atingiram ônibus e prédios públicos em 14 cidades; Ministério da Justiça informa que aguarda pedido formal de ajuda do Estado
Quatro dias após o início da onda de atentados em Santa Catarina, 43 ataques e uma morte já foram registrados. O morto foi o motoqueiro Jean de Oliveira, de 22 anos, que foi baleado na cabeça por policiais em Joinville, no norte do Estado. A polícia acredita que as ações estão sendo coordenadas pela facção Primeiro Grupo da Capital (PGC).
Por enquanto, o governo estadual não pediu ajuda da Força Nacional. Segundo o Ministério da Justiça, o ministro José Eduardo Cardozo conversou ontem por telefone com o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), mas ainda aguarda pedido formal para enviar soldados da Força Nacional ao Estado. Uma reunião entre ambos deverá ser realizada nesta semana para resolver a questão.
O PGC é liderado por presos de alta periculosidade que estão nos principais presídios do Estado. Até a manhã de ontem, a PM já havia detido 20 suspeitos de participar das ações. Todas as quatro regiões de Santa Catarina figuram no mapa dos atentados, que aconteceram em 14 cidades diferentes.
A morte do motoqueiro Oliveira aconteceu durante uma perseguição policial. Conduzindo uma moto com placa dobrada, ele iniciou conflito com a polícia atirando para o alto e contra um policial de folga. O próprio policial acionou a Polícia Militar.
Logo em seguida, iniciou-se uma perseguição. Jean desobedeceu a ordem de parar e passou a atirar contra as guarnições, quando foi atingido na cabeça. Seu comparsa, Jaison Cordeiro, de 22 anos, foi preso com lesões por causa da queda da moto.
Florianópolis, com seis ações, foi a que registrou o maior número de atentados até agora. Em seguida, vem Joinville, maior cidade do Estado, com cinco. Entre as principais ações usadas pelos bandidos está a queima de ônibus de transporte coletivo e de caminhões particulares e disparos contra bases policiais. O clima de insegurança nas duas principais cidades catarinenses obrigou as autoridades a reforçar o policiamento e a promover ações para frear os atentados.
Violência. Chapecó, no oeste do Estado, foi surpreendida por volta das 2 horas da madrugada de ontem, quando bandidos atearam fogo contra a garagem da Prefeitura. Em Criciúma, coquetéis molotov foram lançados contra a casa de um policial civil. Artefatos similares também foram lançados contra uma base da PM em São Francisco do Sul, no norte do Estado. Em Maracajá, no sul, duas carretas foram totalmente destruídas pelo fogo no pátio de um posto enquanto os motoristas jantavam.
Houve incêndio também em Araquari, cidade vizinha a Joinville. Quatro homens colocaram fogo em uma das salas da subprefeitura. Mobília e computadores foram destruídos completamente. No fim da tarde de ontem, uma série de tiros de arma de fogo no Morro da Caixa, no centro de Florianópolis, mobilizou grande contingente policial, mas ninguém foi preso.
Uma operação policial com ao menos 150 homens estava programada para ocorrer na noite de ontem no norte da Ilha de Santa Catarina, onde fica a capital. (msn-Estadão - COLABOROU EDUARDO). RODRIGUES

Comentários

  1. COMPANHEIROS BANDIDO TEM QUE SER TRATADO COMO BANDIDO; AJAM COMO OS ÍNDIOS ANDEM DE COSTAS E APAGUEM SEUS RASTROS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …