Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Ampliação e modernização do sistema prisional


Com o plano de expansão, o Governo do Estado pretende zerar o número de presos alojados em cadeias públicas até 2014. No ano de 1995, foi iniciado um bem-sucedido programa de desativação de carceragens em delegacias de polícia em todo o Estado, transferindo os presos para o Sistema de Administração Penitenciária. Assim, foi possível oferecer condições mais dignas para os presos e, ao mesmo tempo, liberar os policiais civis do trabalho de carcereiro para a função de investigação criminal. Em 2011, mais quatro carceragens foram desativas e somente 3,33% dos 180 mil presos do Estado estavam privados de liberdade em cadeias públicas. Em 1995, este índice era de um total de 45,5%.
Os presos passaram, então, a ocupar Centros de Detenção Provisória (CDPs), com muito mais segurança. Bem diferente de tempos passados, quando metade dos presos ocupava distritos policiais e cadeias públicas.
Enquanto libera os policiais para combater a criminalidade, o Governo reforça o número de agentes treinados especificamente para o serviço nas penitenciárias. Somente em 2011 foram nomeados 2.488 novos funcionários públicos entre Agentes de Segurança Penitenciária, Agentes de Escolta e Vigilância Penitenciária, Médicos, Psicólogos, Psiquiatras e analistas administrativos.

Estrutura nas penitenciárias
A polícia paulista é a que mais prende no Brasil. A população carcerária do Estado triplicou em 16 anos, alcançando 180 mil detentos em 2011. Isso equivale a 40% da população do sistema penitenciário do País.
O número de vagas também cresceu. Em dezesseis anos, a secretaria aumentou em mais de 400% a quantidade de vagas no sistema prisional paulista. Até 1994, o sistema acusava 18.770 vagas. Entre 1995 e 2010, foram criadas 87 mil vagas, chegando a 101.774. Com a conclusão dos novos presídios até 2014, o sistema terá mais 39.540 vagas disponíveis.
A estrutura atual do sistema prisional paulista inclui Centros de Detenção Provisória (CDPs) para presos que aguardam julgamentos; penitenciárias masculinas e femininas, para condenados; Centros de Ressocializaçao, que são unidades mistas para presos em regime fechado e semiaberto de baixa periculosidade; Centros de Progressão Penitenciárias (CPPs), para presos em regime semiaberto; e Centros de Readaptação Penitenciária (CRPs). A SAP mantém ainda três Hospitais de Custódia e Tratamento Psiquiátrico
Ao lado da ampliação do sistema, a secretaria tem priorizado programas inovadores para oferecer condições dignas e a ressocialização dos detentos.

Portal do Governo do Estaado

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …