Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

O ex-comandante da PMRJ depõem como testemunha no caso do assassinato da juíza Patrícia Acioli e irrita promotoria

A defesa dos três réus acusados de envolvimento no assassinato da juíza Patrícia Acioli causou polêmica logo na primeira testemunha que arrolou no julgamento que ocorre no 3º Tribunal do Júri de Niterói. Foi chamado o ex-comandante da Polícia Militar do Rio de Janeiro Mário Sérgio de Brito Duarte. Ele causou grande irritação na promotoria quando começou a analisar o inquérito conduzido pela Delegacia de Homicídios e apontou inconsistências nos depoimentos dos réus.
"Jamais presenciei isso num júri. A testemunha depõe sobre fatos. Isso é um absurdo. A testemunha está atuando como corregedor da investigação", afirmou o promotor Rubem Viana. "Acho melhor colocar o coronel na estrutura de defesa."
O juiz Peterson Barroso permitiu a Duarte terminar de falar sobre as inconsistências que tocavam apenas em divergências nos depoimentos de Sérgio Costa Júnior, que já foi condenado pelo crime, e de Jeferson de Araújo Miranda, que está sendo julgado agora. "No primeiro depoimento, Jeferson disse que ficou no Fórum vigiando a saída da juíza. No segundo, já não sabia quem havia feito este serviço. Depois disse que fora o cabo Araújo", explicou Duarte, que atualmente é secretário de segurança de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.
Duarte foi quem decidiu retirar a escolta pessoal da juíza pouco antes do crime. Foi ele também que designou o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira, considerado pelo Ministério Público o mandante do assassinato e atualmente preso, como comandante do 7º BPM (São Gonçalo). Isso obrigou-lhe a pedir demissão do principal cargo da PM fluminense.
"Minha carreira acabou por causa deste assassinato e também a dos coronéis que eu indiquei para os demais batalhões, policiais que participaram da pacificação do Rio de Janeiro, todos em média com 40 anos", afirmou Duarte. "A escolta da juíza foi tirada em 2007 também. Nenhum juiz tinha escolta. Aliás, não era nem escolta dela, eram dois policiais destacados para a 4ª Vara Criminal de São Gonçalo. A juíza jamais me comunicou que estava ameaçada. Se tivesse feito isso, eu teria tomado providências."
O testemunho de Duarte causou irritação da promotoria até o fim. "O senhor é testemunha neste processo, não é réu, embora pareça que queria ser. O senhor não foi acusado de envolvimento no crime, não precisa se defender", questionou o promotor Leandro Navega.
O assassinato de Patrícia Acioli
Patrícia foi assassinada com 21 tiros em agosto de 2011 quando chegava em sua casa, em Piratininga, Niterói. O caso teve a primeira condenação em dezembro do ano passado quando o cabo da polícia militar Sérgio Costa Junior, réu confesso, foi condenado a 21 anos de prisão. Ele admitiu ter atirado 15 vezes na juíza e obteve a delação premiada, que diminuiu em 15 anos a sua pena.
A Justiça ainda não tem data para os julgamentos dos dois principais acusados do crime: o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira, que comandava o 7º BPM (São Gonçalo) na época do assassinato e teria sido o mandante do assassinato, e o tenente Daniel dos Santos Benitez, que chefiava diretamente o grupo de PMs acusados do crime. (Terra).

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …