Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Centro de tortura da ditadura funcionava atrás do 36º Distrito Policial em SP. Para ex-presos, delegacia serviu de fachada para crimes cometidos.

Em visita, ex-presos discutem com delegado em visita a prédio usado pela ditadura.
Uma visita ao prédio que foi a sede da extinta Operação Bandeirantes e do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna) foi marcado por uma discussão, nesta terça-feira (29), entre ex-presos políticos e militantes de movimentos de defesa dos direitos humanos e o delegado de polícia Márcio de Castro, responsável pelo 36º Distrito Policial, da Vila Mariana.
O imóvel da delegacia, na Rua Tutoia, fica à frente dos prédios que serviram à Operação Bandeirantes e ao Doi-Codi que os ex-presos identificaram como centros de tortura durante a ditadura militar. O delegado recebeu o grupo amistosamente em sua sala no início da tarde e  a conversa seguia tranquila, mas os ex-presos não aceitaram a afirmação do delegado de que a delegacia não fazia parte do sistema de tortura.
"Aqui era a fachada legal dessa masmorra cruel que tinha aqui atrás", disse o deputado estadual e presidente da Comissão da verdade Estadual, Adriano Diogo (PT). "Estava intimamente ligada uma coisa com outra. Eram três equipes, militares, delegados e agentes federais do país todo. Era o maior centro de tortura do país", afirmou.
O delegado rebateu o parlamentar. "Veementemente eu contesto. Sempre foi uma dependência da Polícia Civil que nada tinha a ver com o Dops", respondeu o delegado.
O deputado rebateu o delegado."O senhor imagina se no campo de concentração de Auschwitz funcionasse uma dependência policial do regime alemão", retrucou Diogo. "Se fosse na frente, a mesma coisa", respondeu o delegado.
"Estou dizendo que o 36º Distrito Policial nunca pertenceu às instalações da Opban e nem do Doi-Codi. Não estou dizendo que a Polícia Civil ou a Polícia Militar não fizeram parte da chamada repressão naqueles tempos. Eu tinha 22 anos e era investigador do Dops. Eu fiz parte, sim, da repressão e eu inclusive estava na Divisão de Ordem Política. Outros investigadores que aqui trabalhavam pertenciam à divisão de informações e Divisão de Ordem Social do Dops. Não estou negando a história jamais. Jamais vou negar isso", afirmou.
O delegado afirmou que nenhum dos policiais hoje atuantes no 36º Distrito Policial trabalharam naquela época. "Somente alguem que passou por aquele período pode dizer. Eu não tenho funcionários hoje que tenham trabalhado naquela época. Eu nunca vi aqui como investigador do Dops", afirmou.
Visita de ex-presos
Apesar do incidente, a visita seguiu sem interrupção. O grupo reivindica o tombamento do prédio, em análise pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. O acesso às celas identificadas pelos presos políticos continuava fechado por grades.
Esta foi a primeira vez em 41 anos que a advogada Darci Miyaki, de 67 anos, ex-militante da Ação Libertadora Nacional (ALN) visitou a sede do DOI-CODI onde ficou presa durante sete meses em 1972. "Pensei muito. Aliás eu não gostava nem de passar aqui perto. Ontem  fez 41 anos. Depois de 41 anos e um dia é a primeira vez que eu retorno. É dificílimo. Porque as lembranças não só são sobre as suas torturas. As lembranças são sobre as torturas que os companheiros sofreram. Os assassinatos ocorreram aqui dentro. E depos simulavam tiroteios", afirmou.
Darci lembra que as torturas eram diárias, realizadas por três grupos, que se revezavam. "Fui duas vezes para o hospital com hemorragia oral e vaginal. Eu sou estéril. Não consigo manter um relacionamento. São os traumas que você leva para o resto da vida", afirmou.
A modificação da estrutura dos prédios provocou confusão sobre a localização exata dos locais de prisão e tortura. Mas as recordações chegaram com clareza ao jornalista Antonio Carlos Fon, de 67 anos, assim que ele pisou o pavimento onde ficou preso durante 17 dias em 1969.
Ele identificou a sala onde sofreu torturas em mecanismos de choque como a Cadeira de Dragão, objeto com assento e encosto metálicos onde o preso tinha as mãos algemadas. "Onde estou agora foi morto o Jonas, Virgílio Gomes da Silva", afirmou, apontando para o chão, em uma sala do segundo pavimento do prédio anexo à delegacia.
"Aqui era a sucursal do inferno", disse o ex-preso político Clóvis de Castro, também ex-integrante da ALN, que ficou sob poder do DOi-Codi durante 30 dias, em dezembro de 1969, antes de ir para o Dops e para o Presídio Tiradentes.  Para ele o prédio do DOi Codi deve ser transformado em museu da resistência. (G1).

Comentários

  1. Saíram vivos, Quando foram eles os torturadores a oposição não sobrevivia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…