Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Governo de São Paulo quer acabar com crime organizado pedindo para o governo federal academia de ginastica para a polícia civil.

Governo federal e estadual divergem sobre ajuda na área de segurança
Antes de polêmica, São Paulo pediu recursos de R$ 149 milhões à União.
Ministério disse que não cabe a ele 'ser um mero repassador' de verbas.
Governo federal e do Estado de São Paulo divergem sobre a oferta de ajuda para combater a onda de criminalidade no estado. Somente entre a noite de terça-feira (30) e a madrugada desta quarta-feira (31), dez assassinatos foram registrados em São Paulo.
O aumento recente do número de homicídios na Grande São Paulo e as execuções de PMs provocaram desentendimentos entre os governos. Desde o início do ano, 86 policiais foram executados.
Brasília oferece parcerias em um plano de inteligência contra o crime. O governo paulista reivindica verba para equipamentos. Na terça-feira, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, trocaram críticas sobre a ajuda.
 Primeiro, o secretário negou ter recebido oferta de apoio formal, disse ter apenas recebido visita de cortesia do ministro em julho e ainda questionou qual seria o papel da Polícia Federal na onda de violência. Após as declarações, à tarde, o ministério divulgou nota rebatendo Ferreira Pinto.
“Foi em junho deste ano quando procurei o secretário, não para uma visita de cortesia, mas para apresentar a ele dados do serviço de inteligência da Polícia Federal que levavam a nossa preocupação em relação ao que estria acontecendo em São Paulo. O estado de São Paulo disse que não seria necessário porque o que acontecia em São Paulo era fruto de uma glamorização da imprensa”, diz o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.
 Em ofício para o Ministério da Justiça, de 29 de junho de 2012, o governo de São Paulo pede quase R$ 149 milhões em recursos para investimento em segurança divididos em equipamentos, como scaners, rádios, veículos blindados, entre outros. Até aparelhos de ginástica.
Nessa terça, o Ministério da Justiça enviou o ofício para o governo de São Paulo no qual nega o pedido e afirma que o governo federal não pode ser um mero fornecedor de recursos para despesas ordinárias dos órgãos de segurança do Estado.
Ainda oferece ajuda das forças federais para desenvolver ações a partir de um plano pré-definido, fundado no compartilhamento de informações na área de inteligência policial. Bota a disposição também, vagas nos presídios federais de segurança máxima para abrigar líderes de organizações criminosas.
O secretário de Segurança nega que tenha recebido oferta de ajuda do governo federal. “Se houvesse já teríamos aceitado antes. Ajuda na área de informação e inteligência nós nunca prescindimos. Nós não podemos falar em ajuda dando vagas em presídios federais, nós somos autosuficientes em São Paulo com relação a presos da facção criminosa que estão contidos em penitenciária”, afirma Ferreira Pinto.
 O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta quarta que aceita a ajuda federal. “Quero deixar muito claro que toda ajuda é muito bem-vinda. Nós temos um bom trabalho de integração com a polícia federal”, afirmou.
Entre os dez assassinados nesta quarta em São Paulo, três eram moradores de rua. Segundo o secretário de Segurança, uma lista apreendida em uma favela inclui os nomes de dez policiais que supostamente estariam jurados de morte pelos bandidos.
Ofício
O ofício enviado pela Secretaria da Segurança Pública de São Paulo ao ministro da Justiça “trata da proposta de projetos para a captação para recursos federais para aplicação na segurança pública”. Entre os pedidos, está a aquisição de 82 câmeras para monitoramento das marginais, no valor de R$ 5,6 milhões; a montagem de uma academia de ginástica para a Polícia Civil de R$ 348,1 mil; R$ 10,9 milhões para a compra de quatro veículos autoescada para o Corpo de Bombeiros e equipamentos para o Instituto Médico-Legal (IML).
Os recursos foram solicitados por meio do Sincov (Sistema de Convênios). Segundo o governo de São Paulo, houve pedidos que somam R$ 156 milhões em recursos do governo federal durante todo este ano e foram recebidos R$ 4 milhões.
O ofício solicitando os R$ 148 milhões teria sido entregue em mãos por Ferreira Pinto ao ministro em um encontro que eles tiveram em São Paulo em junho. “O primeiro que nós mandamos foi em meados de março. Reiterei em junho e depois em agosto lá em Brasília. E vou reiterar novamente na semana que vem”, disse o secretário.
O G1 procurou o Ministério da Justiça nesta quarta-feira para novos esclarecimentos sobre o ofício e não obteve resposta até a publicação desta reportagem. Em nota divulgada nesta terça-feira, o Ministério da Justiça disse que não cabe a ele “ser um mero repassador de recursos financeiros”.
“O orçamento do Estado de São Paulo é um dos maiores do país e, por isso, a proposta de apoio federal sempre foi feita na perspectiva da elaboração de um plano integrado de ações, com uma matriz de responsabilidades recíprocas definidas”, diz a nota. (Fonte: G1)
Confira abaixo o que foi pedido e o valor de cada item:
Polícia Miliar
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Vant Ambiental Tecnologia de monitoramento eletrônico móvel com emprego de veículos não tripulados. Para ações de policiamento ambiental R$ 9,1 milhões
Videomonitoramento urbano 82 câmeras com software para emprego nas marginais R$ 5,62 milhões
Rádio digital (atualização e expansão) Rádios transceptores e equipamento para integração de sistema de rádio digital com sistema de telefonia
R$ 73 milhões
Segurança nas rodovias Scaner móvel (raios-x), 150 medidores de transmitância luminosa, 130 fibroscópicos flexíveis R$ 3,9 milhões
Operações especiais de polícia - reaparelhamento Oito veículos de transporte e intervenção em situações de emergência policial; dois veículos leves blindados de intervenção rápida; três trajes completos de proteção para técnicos em desativação de explosivos; três equipamentos de raios-x; três robôs; 25 explosores; seis canhões desruptores R$ 10,4 milhões

Polícia Civil
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Montagem de Núcleo de Condicionamento Físico na Academia de Polícia Aparelhagem de musculação e acessórios de ginástica (42 itens) R$ 348 mil
Promover o traslado entre as unidades da Academia de Polícia na capital e em Mogi das Cruzes Dois ônibus, tipo passageiro, modelo rodoviário R$ 784 mil

Corpo de Bombeiros
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Renovação da frota de autobombas 64 autobombas importados R$ 14,1 milhões
Sistema de armazenagem e transporte baseado em módulos de atendimento para grandes ocorrências Um caminhão com sistema de içamento e transporte equipado com dois módulos integrados de transporte R$ 1,64 milhões
Reaparelhamento do Corpo de Bombeiros para o combate a incêndio em edifícios altos Quatro viaturas autoescada R$ 10,9 milhões
Viaturas para expansão do Corpo de Bombeiros no território paulista 47 picapes, 24 viaturas tipo ABS R$ 6,7 milhões

Superintendência técnico-científica
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Sistema de cromatografia para uso entre o Núcleo de Exames de Entorpecentes e demais laboratórios Sistema de cromatografia líquida acoplada R$ 679,4 mil
Implantação de polo completo em identificação balística Equipamento capaz de escanear e armazenar imagens em 2D e 3D de cartuchos e projéteis R$ 9,8 milhões
Implementação de análise de ampla gama de casos de homicídio, suicídio, falsificação e contrabando envolvendo medicamentos e agrotóxicos CG-MS cromatografia gasoso acoplado a espectrômetro de massa R$ 392 mil
Digitalizadores radiográficos para adaptação nos equipamentos de raio-x existentes nas unidades descentralizadas do IML Cinco digitalizadores radiográficos R$ 931 mil
Equipamento para o IML para a realização de angiografia, conectado ao tomógrafo computadorizado instalado no IML Central Equipamento de angiografia R$ 313,6 mil

Quanto cada setor receberia
Valor que receberia do governo federal Valor total (inclui contrapartida do governo estadual)
Polícia Militar R$ 102,1 milhões R$ 104,2 milhões
Polícia Civil R$ 1,13 milhões R$ 1,15 milhões
Corpo de Bombeiros R$ 33,47 milhões R$ 34,15 milhões
Superintendência técnico-científica R$ 12,1 milhões R$ 12,36 milhões
Total R$ 148,8 milhões R$ 151,9 milhões
VEJA A MATÉRIA COMPLETA EM VÍDEO, ACESSE O LINK: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/10/governo-federal-e-estadual-divergem-sobre-ajuda-na-area-de-seguranca.html

Comentários

  1. VARIOS POLI CIAIS MILITARES MORRENDO O SECRETARIO DE SEGURANÇA PUBLICA QUER ACADEMIA DE GINASTICA PARA A POLICIA CIVIL ESSE SECRETARIO TEM QUE SER DEMITIDO QUE QUER TER O CORPO MALHADO OU SARDO VAI PAGAR UMA ACDEMIA PARTICULAR ENÃO CO O DINHERO DO MEU IMPOSTO DE RENDA QUE VEM NO MEU HOLERTH TODO MES ISSO E UMA VERGONHA SECRTERIO DE SEGURANÇA DE SÃO PAULO ISSO TINHA QUE SER DENUCIADO NA RECOD E NO BRASIL URGENTE

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…