Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Governo de São Paulo quer acabar com crime organizado pedindo para o governo federal academia de ginastica para a polícia civil.

Governo federal e estadual divergem sobre ajuda na área de segurança
Antes de polêmica, São Paulo pediu recursos de R$ 149 milhões à União.
Ministério disse que não cabe a ele 'ser um mero repassador' de verbas.
Governo federal e do Estado de São Paulo divergem sobre a oferta de ajuda para combater a onda de criminalidade no estado. Somente entre a noite de terça-feira (30) e a madrugada desta quarta-feira (31), dez assassinatos foram registrados em São Paulo.
O aumento recente do número de homicídios na Grande São Paulo e as execuções de PMs provocaram desentendimentos entre os governos. Desde o início do ano, 86 policiais foram executados.
Brasília oferece parcerias em um plano de inteligência contra o crime. O governo paulista reivindica verba para equipamentos. Na terça-feira, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, trocaram críticas sobre a ajuda.
 Primeiro, o secretário negou ter recebido oferta de apoio formal, disse ter apenas recebido visita de cortesia do ministro em julho e ainda questionou qual seria o papel da Polícia Federal na onda de violência. Após as declarações, à tarde, o ministério divulgou nota rebatendo Ferreira Pinto.
“Foi em junho deste ano quando procurei o secretário, não para uma visita de cortesia, mas para apresentar a ele dados do serviço de inteligência da Polícia Federal que levavam a nossa preocupação em relação ao que estria acontecendo em São Paulo. O estado de São Paulo disse que não seria necessário porque o que acontecia em São Paulo era fruto de uma glamorização da imprensa”, diz o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.
 Em ofício para o Ministério da Justiça, de 29 de junho de 2012, o governo de São Paulo pede quase R$ 149 milhões em recursos para investimento em segurança divididos em equipamentos, como scaners, rádios, veículos blindados, entre outros. Até aparelhos de ginástica.
Nessa terça, o Ministério da Justiça enviou o ofício para o governo de São Paulo no qual nega o pedido e afirma que o governo federal não pode ser um mero fornecedor de recursos para despesas ordinárias dos órgãos de segurança do Estado.
Ainda oferece ajuda das forças federais para desenvolver ações a partir de um plano pré-definido, fundado no compartilhamento de informações na área de inteligência policial. Bota a disposição também, vagas nos presídios federais de segurança máxima para abrigar líderes de organizações criminosas.
O secretário de Segurança nega que tenha recebido oferta de ajuda do governo federal. “Se houvesse já teríamos aceitado antes. Ajuda na área de informação e inteligência nós nunca prescindimos. Nós não podemos falar em ajuda dando vagas em presídios federais, nós somos autosuficientes em São Paulo com relação a presos da facção criminosa que estão contidos em penitenciária”, afirma Ferreira Pinto.
 O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta quarta que aceita a ajuda federal. “Quero deixar muito claro que toda ajuda é muito bem-vinda. Nós temos um bom trabalho de integração com a polícia federal”, afirmou.
Entre os dez assassinados nesta quarta em São Paulo, três eram moradores de rua. Segundo o secretário de Segurança, uma lista apreendida em uma favela inclui os nomes de dez policiais que supostamente estariam jurados de morte pelos bandidos.
Ofício
O ofício enviado pela Secretaria da Segurança Pública de São Paulo ao ministro da Justiça “trata da proposta de projetos para a captação para recursos federais para aplicação na segurança pública”. Entre os pedidos, está a aquisição de 82 câmeras para monitoramento das marginais, no valor de R$ 5,6 milhões; a montagem de uma academia de ginástica para a Polícia Civil de R$ 348,1 mil; R$ 10,9 milhões para a compra de quatro veículos autoescada para o Corpo de Bombeiros e equipamentos para o Instituto Médico-Legal (IML).
Os recursos foram solicitados por meio do Sincov (Sistema de Convênios). Segundo o governo de São Paulo, houve pedidos que somam R$ 156 milhões em recursos do governo federal durante todo este ano e foram recebidos R$ 4 milhões.
O ofício solicitando os R$ 148 milhões teria sido entregue em mãos por Ferreira Pinto ao ministro em um encontro que eles tiveram em São Paulo em junho. “O primeiro que nós mandamos foi em meados de março. Reiterei em junho e depois em agosto lá em Brasília. E vou reiterar novamente na semana que vem”, disse o secretário.
O G1 procurou o Ministério da Justiça nesta quarta-feira para novos esclarecimentos sobre o ofício e não obteve resposta até a publicação desta reportagem. Em nota divulgada nesta terça-feira, o Ministério da Justiça disse que não cabe a ele “ser um mero repassador de recursos financeiros”.
“O orçamento do Estado de São Paulo é um dos maiores do país e, por isso, a proposta de apoio federal sempre foi feita na perspectiva da elaboração de um plano integrado de ações, com uma matriz de responsabilidades recíprocas definidas”, diz a nota. (Fonte: G1)
Confira abaixo o que foi pedido e o valor de cada item:
Polícia Miliar
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Vant Ambiental Tecnologia de monitoramento eletrônico móvel com emprego de veículos não tripulados. Para ações de policiamento ambiental R$ 9,1 milhões
Videomonitoramento urbano 82 câmeras com software para emprego nas marginais R$ 5,62 milhões
Rádio digital (atualização e expansão) Rádios transceptores e equipamento para integração de sistema de rádio digital com sistema de telefonia
R$ 73 milhões
Segurança nas rodovias Scaner móvel (raios-x), 150 medidores de transmitância luminosa, 130 fibroscópicos flexíveis R$ 3,9 milhões
Operações especiais de polícia - reaparelhamento Oito veículos de transporte e intervenção em situações de emergência policial; dois veículos leves blindados de intervenção rápida; três trajes completos de proteção para técnicos em desativação de explosivos; três equipamentos de raios-x; três robôs; 25 explosores; seis canhões desruptores R$ 10,4 milhões

Polícia Civil
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Montagem de Núcleo de Condicionamento Físico na Academia de Polícia Aparelhagem de musculação e acessórios de ginástica (42 itens) R$ 348 mil
Promover o traslado entre as unidades da Academia de Polícia na capital e em Mogi das Cruzes Dois ônibus, tipo passageiro, modelo rodoviário R$ 784 mil

Corpo de Bombeiros
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Renovação da frota de autobombas 64 autobombas importados R$ 14,1 milhões
Sistema de armazenagem e transporte baseado em módulos de atendimento para grandes ocorrências Um caminhão com sistema de içamento e transporte equipado com dois módulos integrados de transporte R$ 1,64 milhões
Reaparelhamento do Corpo de Bombeiros para o combate a incêndio em edifícios altos Quatro viaturas autoescada R$ 10,9 milhões
Viaturas para expansão do Corpo de Bombeiros no território paulista 47 picapes, 24 viaturas tipo ABS R$ 6,7 milhões

Superintendência técnico-científica
Objeto Aquisição Valor para o governo federal
Sistema de cromatografia para uso entre o Núcleo de Exames de Entorpecentes e demais laboratórios Sistema de cromatografia líquida acoplada R$ 679,4 mil
Implantação de polo completo em identificação balística Equipamento capaz de escanear e armazenar imagens em 2D e 3D de cartuchos e projéteis R$ 9,8 milhões
Implementação de análise de ampla gama de casos de homicídio, suicídio, falsificação e contrabando envolvendo medicamentos e agrotóxicos CG-MS cromatografia gasoso acoplado a espectrômetro de massa R$ 392 mil
Digitalizadores radiográficos para adaptação nos equipamentos de raio-x existentes nas unidades descentralizadas do IML Cinco digitalizadores radiográficos R$ 931 mil
Equipamento para o IML para a realização de angiografia, conectado ao tomógrafo computadorizado instalado no IML Central Equipamento de angiografia R$ 313,6 mil

Quanto cada setor receberia
Valor que receberia do governo federal Valor total (inclui contrapartida do governo estadual)
Polícia Militar R$ 102,1 milhões R$ 104,2 milhões
Polícia Civil R$ 1,13 milhões R$ 1,15 milhões
Corpo de Bombeiros R$ 33,47 milhões R$ 34,15 milhões
Superintendência técnico-científica R$ 12,1 milhões R$ 12,36 milhões
Total R$ 148,8 milhões R$ 151,9 milhões
VEJA A MATÉRIA COMPLETA EM VÍDEO, ACESSE O LINK: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/10/governo-federal-e-estadual-divergem-sobre-ajuda-na-area-de-seguranca.html

Comentários

  1. VARIOS POLI CIAIS MILITARES MORRENDO O SECRETARIO DE SEGURANÇA PUBLICA QUER ACADEMIA DE GINASTICA PARA A POLICIA CIVIL ESSE SECRETARIO TEM QUE SER DEMITIDO QUE QUER TER O CORPO MALHADO OU SARDO VAI PAGAR UMA ACDEMIA PARTICULAR ENÃO CO O DINHERO DO MEU IMPOSTO DE RENDA QUE VEM NO MEU HOLERTH TODO MES ISSO E UMA VERGONHA SECRTERIO DE SEGURANÇA DE SÃO PAULO ISSO TINHA QUE SER DENUCIADO NA RECOD E NO BRASIL URGENTE

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…

Mais de 1 milhão de votos foram validados no Prêmio Congresso em Foco. Deputado Capitão Augusto esta entre os melhores de 2017.

Um dos três filtros desta décima edição do Prêmio Congresso em Foco 2017, a consulta popular na internet para a escolha dos melhores deputados e senadores do ano teve 1.034.683 votos validados, distribuídos por 130.113 pessoas, entre 1º e 30 de setembro. Os participantes da votação digital podem ter certeza de uma coisa: poucas consultas feitas pela internet são tão bem monitoradas quanto esta. Os vencedores serão conhecidos na próxima quinta-feira (19), na festa de premiação, a ser realizada no Unique Palace, a partir das 20 horas.
Desta vez, foi adotado o sistema de votação desenvolvido pela mais conceituada empresa de software de pesquisas do mundo, a Survey Monkey,  companhia norte-americana reconhecida mundialmente por sua capacidade de processamento e segurança de dados, e também pela auditoria realizada diariamente em cada um dos votos recebidos. Esses votos passam inicialmente pela checagem e filtragem dos seus números de Internet Protocol – o famoso IP, número pelo qual o di…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…