Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

A necessidade de recriar mecanismos de representação política

Para dirigente Sem Terra modelo eleitoral está falido e corrompido
A cada dois anos, o país vai às urnas para escolher seus representantes políticos, que à princípio, devem defender os direitos e melhorar a qualidade de vida de seus cidadãos e cidadãs. No entanto, a cada ano que passa, a situação de exploração e miséria do povo brasileiro continua a mesma.Apesar da mídia reduzir a democracia e a possibilidade de mudanças na sociedade ao voto, para transformar de verdade a situação, o caminho é outro.
Para Egídio Brunetto, integrante da coordenação nacional do MST, o modelo eleitoral burguês está falido e corrompido. “Precisamos consolidar a democracia verdadeira que é a dos movimentos, das discussões. Quando as organizações políticas tiverem capacidade de organizar o povo e usar suas várias formas de luta, pressão e mobilização é que poderemos mudar a correlação de forças para as transformações que são necessárias”, afirma.
Em entrevista ao Jornal Sem Terra, o dirigente deixa claro a necessidade da sociedade brasileira e latino-americana recriar mecanismos de representação para sair da encruzilhada em que se encontra atualmente.
Jornal Sem Terra - Quais são as perspectivas para os próximos quatro anos, diante deste resultado eleitoral que já se desenhou em grande parte do país?
Egídio Brunetto - O grande derrotado foi o povo brasileiro, a esquerda e os movimentos sociais. Estas eleições estão inseridas em um processo que não discute projeto, política e ideologia; onde não há espaço para os grandes desafios nacionais e internacionais. Os candidatos e candidatas se limitaram a apresentar meros planos de metas que não podem ser aplicados em função do modelo econômico. Só se discutiu a periferia dos pontos, deixando de lado temas principais como a dívida pública, externa e a Reforma Agrária (que sequer foi mencionada).
Não se falou da corrupção estrutural da classe dominante, na qual PFL, PSDB e outros partidos são representantes legítimos; da entrega do patrimônio nacional aos grandes grupos econômicos; do roubo através das altas taxas de juros.
Precisamos rearticular as forças em torno de um projeto nacional e popular, que incorpore vários setores da classe média numa luta por soberania. O modelo atual de economia e de organização política explodiu. Por isso, a sociedade precisa começar a recriar instrumentos de organização partidária e sindical, que recupere a auto-estima de nosso povo através da ética, da honestidade, da militância, da solidariedade, da indignação e da luta permanente. O positivo destas eleições é que foi sepultado de vez este modelo de luta sindical e partidária burocrática corporativa, de disputa da máquina a qualquer custo, sem autonomia do Estado e partido.
Jornal Sem Terra – Com você avalia a formação da bancada no Congresso e nas Assembléias Legislativas em geral?
Egídio Brunetto - O Parlamento brasileiro continua desmoralizado e a volta dos picaretas profissionais aumenta seu descrédito. A bancada eleita será igual às outras. Vai continuar a força das oligarquias, de seus interesses corporativos e os ataques aos movimentos. Tudo isso faz parte do processo de criminalização das lutas sociais e de aprovação dos interesses das corporações multinacionais.
Jornal Sem Terra - Até que ponto a via eleitoral pode ser um caminho de mudança?
Egídio Brunetto - Este tipo de eleição é um processo de luta dos partidos que se dá dentro do marco da democracia burguesa. Eleições podem ser um instrumento de transformação quando há, de fato, uma participação popular na construção das administrações dos mandatos. Em alguns países há avanços significativos mas que não resolvem os problemas estruturais do país. A democracia participativa é representada através de suas organizações permanentes que ajudam a construir o desenvolvimento. O modelo eleitoral burguês está falido e corrompido. Precisamos consolidar a democracia verdadeira que é a dos movimentos, das discussões. Quando as organizações políticas tiverem capacidade de organizar o povo e usar suas várias formas de luta, pressão e mobilização é que poderemos mudar a correlação de forças para as transformações que são necessárias.
Jornal Sem Terra - Como você avalia que ficará a criminalização do MST diante deste resultado eleitoral, tanto nos estados quanto no Congresso Nacional?
Egídio Brunetto - A criminalização faz parte da estratégia política imperialista estadunidense que, apesar de global, se aplica em cada realidade diferente. As linhas principais são desmoralizar as organizações ligando-as à corrupção, narcotráfico e terrorismo; o uso do Judiciário; o papel da repressão policial militar e o serviço de infiltração; os grupos paramilitares. No caso da criminalização não basta ter governos populares e progressistas pois as forças de direita continuam as mesmas.
Jornal Sem Terra - Podemos dizer atualmente que a América Latina se divide entre governos de esquerda, outros alinhados aos Estados Unidos e suas políticas imperialistas, e aqueles que ficam “em cima do muro”. Em termos continentais como fica a luta social dos movimentos sociais diante deste quadro político?
Egídio Brunetto - Em geral, há um grande ascenso de massas contra o modelo neoliberal que atinge um alto grau de politização na perspectiva de mudanças que optam por movimentos políticos eleitorais. Neste contexto, vários países elegeram presidentes dentro das regras da democracia burguesa com estados totalmente fragilizados e com dificuldades de resolver os problemas estruturais. Para resolvê-los verdadeiramente é preciso organizações diferentes, capazes de avançar na mudança do papel do Estado e da participação popular.
Por outro lado, os Estados Unidos tentam combater estes governos que enfrentam sua política através de negociações bilaterais, impondo sua política econômica. De forma geral as contradições são enormes. Por isso o ascenso de massas será permanente com pequenas variações. Porque nem o neoliberalismo e nem o modelo de democracia burguesa representativa irá resolver os problemas do povo latino-americano. Sem organização e teoria revolucionaria não haverá mudanças importantes no continente.
Quem é
Nascido no Rio Grande do Sul, Egídio Brunetto colaborou na formação do MST em Santa Catarina, onde é assentado. Iniciou sua militância em 1984 e desde 1981 atua no Mato Grosso do Sul. É integrante do setor de relações internacionais do Movimento. Fonte: Site MST

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…