Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

A necessidade de recriar mecanismos de representação política

Para dirigente Sem Terra modelo eleitoral está falido e corrompido
A cada dois anos, o país vai às urnas para escolher seus representantes políticos, que à princípio, devem defender os direitos e melhorar a qualidade de vida de seus cidadãos e cidadãs. No entanto, a cada ano que passa, a situação de exploração e miséria do povo brasileiro continua a mesma.Apesar da mídia reduzir a democracia e a possibilidade de mudanças na sociedade ao voto, para transformar de verdade a situação, o caminho é outro.
Para Egídio Brunetto, integrante da coordenação nacional do MST, o modelo eleitoral burguês está falido e corrompido. “Precisamos consolidar a democracia verdadeira que é a dos movimentos, das discussões. Quando as organizações políticas tiverem capacidade de organizar o povo e usar suas várias formas de luta, pressão e mobilização é que poderemos mudar a correlação de forças para as transformações que são necessárias”, afirma.
Em entrevista ao Jornal Sem Terra, o dirigente deixa claro a necessidade da sociedade brasileira e latino-americana recriar mecanismos de representação para sair da encruzilhada em que se encontra atualmente.
Jornal Sem Terra - Quais são as perspectivas para os próximos quatro anos, diante deste resultado eleitoral que já se desenhou em grande parte do país?
Egídio Brunetto - O grande derrotado foi o povo brasileiro, a esquerda e os movimentos sociais. Estas eleições estão inseridas em um processo que não discute projeto, política e ideologia; onde não há espaço para os grandes desafios nacionais e internacionais. Os candidatos e candidatas se limitaram a apresentar meros planos de metas que não podem ser aplicados em função do modelo econômico. Só se discutiu a periferia dos pontos, deixando de lado temas principais como a dívida pública, externa e a Reforma Agrária (que sequer foi mencionada).
Não se falou da corrupção estrutural da classe dominante, na qual PFL, PSDB e outros partidos são representantes legítimos; da entrega do patrimônio nacional aos grandes grupos econômicos; do roubo através das altas taxas de juros.
Precisamos rearticular as forças em torno de um projeto nacional e popular, que incorpore vários setores da classe média numa luta por soberania. O modelo atual de economia e de organização política explodiu. Por isso, a sociedade precisa começar a recriar instrumentos de organização partidária e sindical, que recupere a auto-estima de nosso povo através da ética, da honestidade, da militância, da solidariedade, da indignação e da luta permanente. O positivo destas eleições é que foi sepultado de vez este modelo de luta sindical e partidária burocrática corporativa, de disputa da máquina a qualquer custo, sem autonomia do Estado e partido.
Jornal Sem Terra – Com você avalia a formação da bancada no Congresso e nas Assembléias Legislativas em geral?
Egídio Brunetto - O Parlamento brasileiro continua desmoralizado e a volta dos picaretas profissionais aumenta seu descrédito. A bancada eleita será igual às outras. Vai continuar a força das oligarquias, de seus interesses corporativos e os ataques aos movimentos. Tudo isso faz parte do processo de criminalização das lutas sociais e de aprovação dos interesses das corporações multinacionais.
Jornal Sem Terra - Até que ponto a via eleitoral pode ser um caminho de mudança?
Egídio Brunetto - Este tipo de eleição é um processo de luta dos partidos que se dá dentro do marco da democracia burguesa. Eleições podem ser um instrumento de transformação quando há, de fato, uma participação popular na construção das administrações dos mandatos. Em alguns países há avanços significativos mas que não resolvem os problemas estruturais do país. A democracia participativa é representada através de suas organizações permanentes que ajudam a construir o desenvolvimento. O modelo eleitoral burguês está falido e corrompido. Precisamos consolidar a democracia verdadeira que é a dos movimentos, das discussões. Quando as organizações políticas tiverem capacidade de organizar o povo e usar suas várias formas de luta, pressão e mobilização é que poderemos mudar a correlação de forças para as transformações que são necessárias.
Jornal Sem Terra - Como você avalia que ficará a criminalização do MST diante deste resultado eleitoral, tanto nos estados quanto no Congresso Nacional?
Egídio Brunetto - A criminalização faz parte da estratégia política imperialista estadunidense que, apesar de global, se aplica em cada realidade diferente. As linhas principais são desmoralizar as organizações ligando-as à corrupção, narcotráfico e terrorismo; o uso do Judiciário; o papel da repressão policial militar e o serviço de infiltração; os grupos paramilitares. No caso da criminalização não basta ter governos populares e progressistas pois as forças de direita continuam as mesmas.
Jornal Sem Terra - Podemos dizer atualmente que a América Latina se divide entre governos de esquerda, outros alinhados aos Estados Unidos e suas políticas imperialistas, e aqueles que ficam “em cima do muro”. Em termos continentais como fica a luta social dos movimentos sociais diante deste quadro político?
Egídio Brunetto - Em geral, há um grande ascenso de massas contra o modelo neoliberal que atinge um alto grau de politização na perspectiva de mudanças que optam por movimentos políticos eleitorais. Neste contexto, vários países elegeram presidentes dentro das regras da democracia burguesa com estados totalmente fragilizados e com dificuldades de resolver os problemas estruturais. Para resolvê-los verdadeiramente é preciso organizações diferentes, capazes de avançar na mudança do papel do Estado e da participação popular.
Por outro lado, os Estados Unidos tentam combater estes governos que enfrentam sua política através de negociações bilaterais, impondo sua política econômica. De forma geral as contradições são enormes. Por isso o ascenso de massas será permanente com pequenas variações. Porque nem o neoliberalismo e nem o modelo de democracia burguesa representativa irá resolver os problemas do povo latino-americano. Sem organização e teoria revolucionaria não haverá mudanças importantes no continente.
Quem é
Nascido no Rio Grande do Sul, Egídio Brunetto colaborou na formação do MST em Santa Catarina, onde é assentado. Iniciou sua militância em 1984 e desde 1981 atua no Mato Grosso do Sul. É integrante do setor de relações internacionais do Movimento. Fonte: Site MST

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …