Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Prisão de agente provoca mal-estar entre Polícia Civil e Força Nacional

O policial, ao ser abordado num bar, teria se identificado e entregue a arma, mas ainda assim foi obrigado a pôr as mãos na cabeça; ele não 'obedeceu'.
Os policiais civis de Alagoas estão acu­sando agentes da Força Nacional ostensiva de cometer abuso de au­toridade. A prisão de um agente da Polícia Civil ocor­rida no último sábado (20) só fez aumentar o mal-estar entre os agentes da Força Nacional e da Polícia Civil.
De acordo com o pre­sidente do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), Josimar Melo, na noite do último sábado um policial foi humilhado, alge­mado e levado para a Cen­tral de Polícia sob a acusa­ção de desobediência. “Ele foi abordado por um sargen­to da Força Nacional, quan­do estava em um estabeleci­mento”, disse Josimar.
O sindicalista explicou que o policial civil se iden­tificou e entregou sua arma ao sargento da Força Na­cional, mas mesmo assim, o militar pediu que o policial civil colocasse as mãos na cabeça. “O colega se recusou a fazer isso, pois não havia necessidade. Então foi leva­do à Central de Polícia por desobediência”, ressaltou. Na Central de Polícia, foi feito um Termo Circunstan­ciado de Ocorrência (TCO) e um processo foi encaminha­do à Polícia Federal.
Os representantes do Sindpol colocam que será emitida uma nota de repú­dio em relação à atuação da Força Nacional em Alagoas. “A Força Nacional abusa da autoridade porque não tem quem apure. Não existe corregedoria e a gente não sabe a quem denunciar”, alegou Josimar.
Ele ainda acrescentou que a corporação vem agin­do de forma truculenta des­de a primeira vez que veio a Alagoas. “Desde quando prenderam um doente men­tal no município de Pilar em 2009. Eles tratam os ci­dadãos de forma hostil nas abordagens, só que desta vez foi um policial”, emen­dou.
O vice-diretor de impren­sa e comunicação do Sind­pol, o escrivão Jorge Luiz Ferreira, ressaltou que a Força Nacional é subdividi­da em Polícia Cívil e Polícia Militar, entretanto ele disse que só tem conhecimento de ocorrências de arbitrarieda­des realizadas pela Força Nacional da Polícia Militar. “Eu não tenho conhecimen­to de atos de truculência feitos pela Força da Polícia Civil. Estes abusos têm sido executados pela PM com o cidadão comum e isso vem ocorrendo há muito tempo”, completou.
Desavença
Segundo o capitão Fre­derico, da Força Nacional, a corporação não quer ter desavenças com os poli­ciais de Alagoas. Ele ale­gou que a forma de abor­dar o policial civil foi de acordo com a legalidade. “A gente não quer animo­sidade com policiais, o que foi feito foi legal”, justifi­cou.
O capitão ainda colocou que todas as denúncias feitas contra agentes da Força Nacional são apura­das de forma devida. “Es­sas investigações são atri­buídas à Força Nacional”, concluiu.
Apuração
A reportagem entrou em contato com a Secreta­ria Estadual de Defesa So­cial (Seds), que informou que não irá se manifestar e que não poderia divul­gar os nomes dos policiais envolvidos. A pasta acres­centou que o caso será apurado em Brasília.
O presidente da Comis­são de Direitos Humanos da Ordem dos Advoga­dos do Brasil em Alagoas (OAB/AL), Gilberto Irineu, contou que tem chegado co­mumente à OAB várias re­clamações sobre excessos de abordagens policiais. “Essas denúncias são fei­tas por cidadãos comuns, mas até agora nenhuma denúncia foi feita por po­liciais”, disse. Ele contou que as acusações são enca­minhadas à Corregedoria da Polícia Militar ou ao Conselho de Segurança.
Força Nacional e Polícia Civil debatem prisão arbitrária
Sindpol divulgou nota de repúdio contra ação ocorrida no último sábado; delegado vai investigar incidente
A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol-AL) divulgou nesta quarta-feira (24) uma nota de repúdio contra suposto abuso de um militar da Força Nacional de Segurança na prisão de um agente da Polícia Civil no último sábado (20).
A prisão, considerada um ato arbitrário pelo Sindpol, foi tema de uma reunião, nesta quarta-feira, entre o diretor-geral da Polícia Civil, delegado Paulo Cerqueira, a diretoria do Sindpol e o coordenador da Força Nacional em Alagoas, capitão Edson Gondin Silvestre.
O agente teria sido humilhado, alge­mado e levado para a Cen­tral de Polícia sob a acusação de desobediência. “Ele foi abordado por um sargento da Força Nacional, quando estava em um estabelecimento”, disse Josimar Melo, presidente do Sindpol.
O sindicalista explicou que o policial civil se identificou e entregou sua arma ao sargento da Força Nacional, mas mesmo assim, o militar pediu que o policial civil colocasse as mãos na cabeça. “O colega se recusou a fazer isso, pois não havia necessidade. Então foi levado à Central de Polícia por desobediência”, ressaltou.
Leia mais: Prisão de agente provoca mal-estar entre Força Nacional e Polícia C...
Na viatura, segundo o sindicato, o agente teve suas mãos pressionadas por cerca de 10 minutos, provocando hematomas. Na Central de Polícia, foi feito um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e um processo foi encaminha­do à Polícia Federal. O assunto causou um mal-estar entre as polícias civis e militar do Estado e os agentes da Força Nacional.
De acordo com Josimar Melo, um delegado será nomeado nesta quinta-feira (25) para investigar a denúncia de abuso de autoridade do sargento contra o agente da Polícia Civil. Os militares envolvidos na abordagem deverão ser ouvidos pelo delegado. "Será aberto um inquérito e o caso será resolvido no âmbito da policia estadual", disse o sindicalista.
Além disso, o comandante da Força Nacional no Estado teria se comprometido a orientar a tropa no sentido de interromper as abordagens quando os indivíduos forem identificados como policiais civis.
Nota
Na nota de repúdio divulgada nesta quarta, o sindicato alega que "a Força Nacional está em Alagoas para ajudar as polícias Civil e Militar a restabelecer a ordem e a paz no Estado, combatendo a criminalidade, e não para destratar um profissional de segurança pública que zela pela segurança pública da sociedade alagoana".
"A prisão arbitrária do policial desrespeitou a instituição policial e toda a categoria. O ato foi um afronte aos direitos humanos e às legislações brasileiras vigentes", diz o documento.
Leia a íntegra da nota:
Nota de Repúdio
O Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) vem a público manifestar repúdio aos integrantes da Força Nacional que, de forma arbitrária, prenderam, maltrataram e humilharam um policial civil, no dia 20 de outubro de 2012, no bairro do Jacintinho, em Maceió/AL.
A Força Nacional está em Alagoas para ajudar as polícias Civil e Militar a restabelecer a ordem e a paz no Estado, combatendo a criminalidade, e não para destratar um profissional de segurança pública que zela pela segurança pública da sociedade alagoana.
A prisão arbitrária do policial desrespeitou a instituição policial e toda a categoria. O ato foi um afronte aos direitos humanos e às legislações brasileiras vigentes.
Vários alagoanos já foram vítimas dessa prática truculenta da Força Nacional. O Sindpol não tolera situação similar e cobra reparação por parte dos governos estadual e federal para que os culpados sejam punidos, e fato dessa natureza não se repita mais em Alagoas. (Tribuna Hoje)

Comentários

  1. O procedimento correto em uma abordagem é exatamente o que foi feito pelo FN, embora em muitos casos o policial que vai fazer a abordagem, a pessoa se indentifica mostrando a funcional e entao opta por não ser rigoroso com a revista. Acho que policial que não gosta de ser revistado por outro policial é porque não está preparado pra atuar nas ruas, pois se ele que é um profissional de segurança e sabe das dificuldades encontradas nas ruas se recusa a ser revistado, imagine o que sente o cidadão comum. Sd PM Aoliabe Bandeira, PMMA

    ResponderExcluir
  2. Aonde esta a versão dos POLICIAIS MILITARES DA FORÇA NACIONAL. É sempre a mesma estoria, os policiais militares quando cumprem seu dever é com arbitrariedades, pois nossas corporações nao esclarecem a opinião publica, ao contrario tentam achar erros no procedimento. Este sitio deve mostrar as duas versões para passar credibilidade e isenção.

    ResponderExcluir
  3. se acham a mais do que os outros policiais por serem da força nacional.

    ResponderExcluir
  4. O procedimento Operacional Padrão adotado pela FN é o mesmo daqui de SP, cujo maior objetivo é garantir a integridade física e moral do abordado. Sendo policial civil ou militar o ideal é obedecer as ordens emanadas por quem está na função. Depois pode-se até contestar a legitimidade do ato, mas na hora houve a fundada suspeita, tanto é que o cidadão estava armado. Quantas vezes já prendemos falsos policiais civis ou "gansos" que se identificam como tais e portam armas de forma ilegal. Portanto, enquanto não deixarem o falso moralismo de lado e colaborarem com a segurança, teremos um país onde o agente público de segurança não é valorizado como o deveria. A técnica policial temn que ser valorizada e respeitada, afinal quem estava em um bar não era o Sragento da FN, ou era?

    ResponderExcluir
  5. Esse tira idiota deve ser ignorante por isso nao queria ser revistado, deveria ter tomado uns cascudos e uns telefone na orelha pra largar de ser otario kkkkk

    ResponderExcluir
  6. A verdade é una; a PM adora apontar arma para o cidadão. A violencia começa com essas atitudes. identificado o individuo, porque você tem que continuar apontando armas e cometendo abusos? virou cultura isso e tem alienados que acham certo.
    Viaje para pises civilizados e verão que a policia cidadã de países civilizados tem respeitop e autoridade, porque não cometem tanto abuso e gozam do respeito da sociedade.
    Como acreditar numa policia que comete abuso contra os seus^? imagine com o resto da sociedade.
    Para militar, fora da farda todos são inimigos.


    FORA DA FARDA, INIMIGO.

    ResponderExcluir
  7. E TOME RICHAZINHA DESSAS DUAS CLASSES DEFASADAS. SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL? UMA BOA PIADA!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Câmara dos deputados aprova por unanimidade moção de repúdio apresentada pelo deputado federal capitão Augusto contra Secretário de Segurança Pública de São Paulo

Não podemos e não vamos mais nos calar diante de abusos e violações que constituem verdadeiros atentados à Polícia Militar e aos policiais militares. 
A determinação do Secretário de Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho, de transferir para a Policia Civil um inquérito, que apurava a prática de eventual crime militar na região de São Jose do Rio Preto, é uma afronta inadmissível às atribuições constitucionais e legais da Polícia Militar e denota todos o seu desrespeito pelos policiais militares.
Se isso não bastasse, o Secretário também desrespeitou decisão unânime do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo que reconheceu a competência da Polícia Militar para apurar os fatos narrados.
Com sua atitude o Secretário Mágino parece acreditar que está acima da Constituição, das Leis e do Poder Judiciário, desrespeitando os mais basilares fundamentos do Estado Democrático de Direito.
Acabou Senhor Secretário! Não podemos e não vamos nos calar!
REQUERIMENTO Nº DE 20…