Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

PM prendeu em dois anos 26 policiais sequestradores

Corporação admite envolvimento de maus policiais com indústria da extorsão e informa que prendeu militares em flagrante. Divisão Antissequestro não foi informada sobre os casos
A edição de VEJA desta semana traz à tona uma modalidade de crime até então pouco conhecida, mas já bastante temida por um grupo específico: as famílias de criminosos presos. Diante da redução das áreas onde era possível ‘negociar’ com traficantes os pagamentos de subornos regulares – um avanço inquestionável das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) –, agentes de segurança passaram a faturar extorquindo grandes somas de dinheiro de filhos, mulheres e parentes de bandidos. Como dizem respeito a um grupo relativamente reduzido de ‘alvos’, os crimes não ganham repercussão – e aí reside mais uma ameaça, pois as quadrilhas agem praticamente invisíveis.
Na segunda-feira, a Polícia Militar do Rio confirmou a existência desse tipo de crime, e enumerou ações de combate aos sequestros feitos por PMs. Segundo a PM, a 4ª DPJM (Delegacia de Polícia Judiciária Militar), de Niterói, prendeu na última semana e autuou duas guarnições – equipes de policiais – do 7º BPM (São Gonçalo) nestas circunstâncias. O batalhão é o mesmo de onde saíram os acusados de matar a juíza Patrícia Acioly, no ano passado. Patrícia, aliás, investigava crimes cometidos por policiais, entre eles autos de resistência forjados e as extorsões contra traficantes.
Ainda segundo a PM, “nos anos de 2011 e 2012, as DPJMs lavraram sete autos de prisão em flagrante, totalizando 26 policiais militares presos e autuados com base no Art. 244 do Código Penal Militar (extorsão mediante sequestro)”. A partir da divulgação da nota, o site de VEJA enviou à Polícia Militar uma solicitação sobre os casos, mas não obteve resposta.
Os casos informados pela Polícia Militar não constam na lista de 47 sequestros levantados pela reportagem de VEJA. E jamais chegaram também ao conhecimento da Divisão Antissequestro (DAS), delegacia da Polícia Civil encarregada de investigar e combater este tipo de crime no Rio de Janeiro. 
Passada a onda de sequestros que apavorou o Rio na década de 90, esse tipo de crime passou a ser considerado algo sob controle das autoridades de segurança. As estatísticas tenderam a zero na última década. Nos dias de hoje, os registros oficiais da DAS e, agora, também da PM, confirmam que o sequestro passou a ser uma modalidade criminosa dominada por maus policiais. Dos sete casos registrados este ano na delegacia, cinco têm policiais como principais suspeitos.
Como mostrou a reportagem de VEJA, um dos problemas dos sequestros cometidos por policiais é a falta de estatísticas confiáveis a respeito da frequência com que o crime ocorre. Como entre as vítimas há criminosos ou familiares de detentos, que não se sentem seguros para procurar a polícia, há poucos registros oficiais. Os 26 casos informados pela PM confirmam a falta de transparência com que esse crime é tratado: até então, a DAS e outras esferas da segurança pública não tinham conhecimento das prisões, mantidas sob o sigilo das investigações internas operadas por militares.
A nota da Polícia Militar faz um ataque à reportagem de VEJA. Diz um trecho do documento da PM: “A obsessão e determinação do jornalista em atacar a PM chega até a ferir o bom senso - como no trecho da reportagem em que manifesta a opinião de que "nos tempos do tráfico armado havia mais resistência".
A afirmação da Polícia Militar não é verdadeira. O trecho da matéria que faz referência à resistência armada do tráfico é o seguinte: “Em favelas onde há Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), o sequestro de bandidos e seus familiares é ainda mais trivial, já que ali não há mais marginais ostensivamente armados para opor resistência”.(Revista Veja)

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …